Confluent sobe 26% na estreia da Nasdaq levantando mais de US$ 800 milhões em IPO

LinkedIn

Confluent, o fornecedor de análise de dados que saiu do LinkedIn em 2014, subiu 26% em sua estreia na Nasdaq na quinta-feira (24), depois que a empresa foi avaliada em US$ 9,1 bilhões em seu IPO.

Na oferta, a Confluent levantou US$ 828 milhões, vendendo 23 milhões de ações a US$ 36 cada, acima da faixa projetada de US$ 29 a US$ 33. As ações, negociadas sob o símbolo “CFLT”, subiram para US$ 45,29 logo após a abertura.

O software do Confluent rastreia os muitos eventos que ocorrem dentro de uma empresa, seja uma nova venda, um pedido, uma negociação ou uma resposta do cliente, e filtra esses insights em tempo real nos bancos de dados da empresa. Conforme os negócios se tornaram mais complexos, com dados residindo em várias nuvens e em servidores locais, a demanda aumentou para os chamados produtos de streaming de dados da Confluent.

A receita subiu 58% no ano passado, para US$ 236,8 milhões, de acordo com o prospecto. No entanto, os custos de pesquisa e desenvolvimento aumentaram 81% e a remuneração baseada em ações disparou, levando a um prejuízo líquido de US$ 229,8 milhões, ante US$ 95 milhões em 2019.

O Confluent é baseado no Apache Kafka, uma tecnologia de código aberto que foi criada dentro do LinkedIn em 2011 por Jay Kreps, Jun Rao e Neha Narkhede. Depois de usar a tecnologia internamente para fluxos de dados, o trio criou a Confluent como uma empresa separada em 2014, com um investimento de cerca de US$ 500.000 do LinkedIn.

Enquanto o Kafka continua sendo um produto de código aberto gratuito que pode ser gerenciado como um serviço pela Amazon, Microsoft ou Google, a Confluent comercializa o software, oferecendo todos os seus recursos e executando-o em qualquer uma das principais nuvens ou no data center físico de uma empresa.

Kreps disse que os provedores de nuvem são mais parceiros do que concorrentes.

“Uma das razões pelas quais eles gostam de trabalhar conosco é porque ajudamos a conectar todas essas novas camadas que estão na nuvem em muitos dados que existem em outras nuvens ou no local”, disse Kreps. “Realmente amarrar tudo isso em torno de um sistema nervoso central é um grande problema que as empresas precisam enfrentar”.

A Confluent disse em seu prospecto que estima-se que mais de 70% das empresas da Fortune 500 tenham usado o Kafka. Seus clientes incluem Citigroup, Humana, Intel e Walmart, de acordo com o site da Confluent.

A Confluent é a mais recente empresa baseada em tecnologia de código aberto que se tornou grande o suficiente para se tornar pública. A plataforma de banco de dados MongoDB foi lançada em 2017 e agora está avaliada em US$ 24 bilhões. A Elastic, que comercializa ferramentas de código aberto para pesquisa corporativa, abriu o capital um ano depois e tem uma capitalização de mercado de US$ 13 bilhões. A Databricks vende software desenvolvido no Apache Spark, ajudando as empresas a limpar grandes volumes de dados. A empresa foi avaliada em US$ 28 bilhões em uma rodada de financiamento privado em fevereiro.

O modelo nem sempre funcionou para investidores públicos. A Cloudera, uma das várias empresas que se concentraram na estrutura de análise de dados do Apache Hadoop, concordou em vender para empresas de private equity no início deste mês em um negócio de  US$ 5,3 bilhões. A Cloudera se fundiu com a rival Hortonworks em 2019, quando as duas empresas estavam queimando dinheiro e suas ações caindo.

Mesmo depois da união, Cloudera continuou a lutar, principalmente porque era tarde para o mercado de nuvem, onde o Databricks floresceu.

Ao preço de IPO da Confluent, Kreps possui uma participação de US$ 1 bilhão. A empresa de risco Benchmark é o maior investidor com ações no valor de US$ 1,3 bilhão, seguida pela Index Ventures, cuja participação está avaliada em cerca de US$ 1,1 bilhão.

Deixe um comentário