Doximity sobe 69% na estreia na NYSE após IPO

LinkedIn

A Doximity, empresa que se autodenomina o LinkedIn para médicos, saltou 69% em sua estreia no mercado de ações na quinta-feira (24), após levantar quase US$ 500 milhões em seu IPO.

A Doximity (NYSE:DOCS) vendeu 19 milhões de ações por US$ 26 cada quarta-feira à noite, acima de sua faixa projetada de US$ 20 a US$ 23, e um investidor existente vendeu outros 4,3 milhões. A oferta avaliou a empresa em US$ 4,6 bilhões. As ações, negociadas sob o símbolo “DOCS”, subiram para US$ 44,13 logo após a abertura.

Fundado em 2010, o Doximity cresceu rapidamente nos últimos anos, tornando-se o principal aplicativo que os médicos usam para se manterem conectados uns com os outros, compartilhando as últimas pesquisas e atualizações sobre novos medicamentos. Com 1,8 milhão de profissionais médicos nos Estados Unidos no site, incluindo mais de 80% dos médicos, o Doximity aumentou a receita permitindo que as empresas farmacêuticas promovessem medicamentos e tratamentos e dando aos recrutadores médicos um lugar central para encontrar clientes em potencial.

A receita saltou 77% no último ano fiscal, para US$ 206,9 milhões, de acordo com o prospecto da empresa. Como a Doximity praticamente não gasta dinheiro em publicidade, os custos operacionais são mais baixos do que na maioria das empresas de software apoiadas por capital de risco. Isso permitiu que a Doximity aumentasse o lucro líquido em 69%, para US$ 50,2 milhões, no ano fiscal encerrado em março.

A interseção entre saúde e tecnologia ocupou o centro do palco no ano passado, quando a pandemia de coronavírus forçou os pacientes a se sentirem confortáveis ​​com visitas remotas e esgotou os recursos dos sistemas médicos em todo o país. Os investidores aproveitaram a oportunidade de lucrar com as mudanças econômicas.

Em agosto, a provedora de telessaúde Teladoc adquiriu a Livongo, especializada em coaching remoto para doenças crônicas, criando na época uma empresa de US$ 37 bilhões. O rival de telessaúde Amwell tornou-se público em setembro. A Teladoc e a Amwell registraram queda nos últimos meses, já que os casos da Covid-19 despencaram e as taxas de crescimento futuro dos negócios foram questionadas.

Enquanto isso, a empresa de telessaúde MDLive foi adquirida pela Cigna em fevereiro por um valor não divulgado e duas empresas de tecnologia de saúde apoiadas por capital de risco, Grand Rounds e Doctor on Demand, se fundiram em março, criando um negócio multibilionário.

Para a Doximity, telessaúde é um novo negócio. A empresa oferece um serviço gratuito desde 2016 que permite aos médicos ligar para os pacientes usando o número do trabalho em um telefone celular. A Doximity mudou o serviço de discagem para seu aplicativo principal em 2019.

Em maio de 2020, a empresa adicionou vídeo, que descreveu como sua “primeira oferta de telemedicina”. A Doximity lançou uma versão empresarial paga, embora afirmasse que o serviço de vídeo seria gratuito até janeiro de 2021. Em seu prospecto, a Doximity disse que assinou acordos de assinatura com mais de 150 hospitais no final de março.

Jeff Tangney, cofundador e CEO da Doximity, disse em uma entrevista que embora mais de 80% dos médicos estejam na rede, a empresa tem pelo menos uma década de “o que consideramos alto crescimento” pela frente devido ao valor que pode trazer ao sistema de saúde. Por exemplo, o sistema de encaminhamento pode ficar muito mais forte, para que os médicos saibam exatamente para onde no país enviar pacientes com um câncer raro.

Ele também disse que a Doximity tem muitas oportunidades de se expandir em telessaúde, dado o tamanho de sua base de usuários para seu produto principal.

“O tele-saúde é 2% da receita hoje e é um campo totalmente novo”, disse Tangney, após tocar o sino de abertura na Bolsa de Valores de Nova York. “Ainda não fomos agressivos quanto aos preços.”

O crescimento geral da Doximity depende menos da telessaúde do que outros fornecedores no mercado, porque suas fontes primárias de receita não estão vinculadas às comunicações médico-paciente. No entanto, a empresa reconhece que, com o fim da pandemia, seus negócios podem ser prejudicados. A Doximity se beneficiou à medida que mais consultórios médicos colocaram seus orçamentos de marketing online, e alguns desses gastos poderiam reverter para a publicidade física.

“As circunstâncias que aceleraram o crescimento de nossos negócios decorrentes dos efeitos da pandemia podem não continuar no futuro”, disse Doximity. “Se esses clientes realocarem uma parte significativa de seus orçamentos para o marketing pessoal, isso pode fazer com que nosso crescimento diminua em períodos futuros”.

Tangney, que anteriormente co-fundou o site digital de saúde Epocrates, é o maior acionista da empresa, com ações avaliadas em cerca de US$ 1,3 bilhão, com base no preço do IPO. A Emergence Capital é o maior investidor externo, com uma participação de US$ 627 milhões, seguida pela InterWest Partners e Morgenthaler.

O IPO marca o primeiro financiamento da Doximity desde 2014, quando a empresa levantou US$ 54 milhões a uma avaliação de US$ 355 milhões, de acordo com a PitchBook.

Como parte da oferta, a Doximity reservou 15% das ações para os médicos da rede. Supondo que os médicos tenham atingido o limite de sua participação, eles compraram cerca de US$ 91 milhões em ações da Doximity.

Tangney disse que mais de 10.000 médicos participaram da oferta, comprando até US$ 24.000 em ações. Como grupo, eles possuem mais ações do que qualquer novo investidor individual, disse ele.

Deixe um comentário