O otimismo predomina nos mercados mundiais na abertura do mês de Junho

LinkedIn

ÁSIA: As principais bolsas asiáticas fecharam sem direção nesta terça-feira, à medida que os investidores aguardam os dados de emprego dos EUA, em busca de sinais de que a maior economia do mundo está melhorando após decepção no mês anterior e reagindo à divulgação de uma pesquisa privada sobre a atividade manufatureira chinesa em maio.

O PMI de manufatura da Caixin / Markit para maio ficou em 52, acima das expectativas de uma leitura de 51,9 dos analistas em uma pesquisa da Reuters e melhor que a leitura de 51,9 em abril. O PMI oficial da manufatura para maio, divulgado na segunda-feira, ficou em 51,0, ligeiramente abaixo das expectativas dos analistas para uma leitura de 51,1 em uma pesquisa da Reuters. Leituras de PMI acima de 50 representam expansão, enquanto aquelas abaixo desse nível significam contração.

As ações na China Continental fecharam em alta, com o composto de Xangai subindo 0,26% para 3.624,71 pontos e o Shenzhen Component subindo 0,26% para 15.034,78 pontos. O Partido Comunista da China anunciou na segunda-feira que permitirá que os casais tenham três filhos em vez de dois. O governo quer retardar o rápido envelhecimento da população e garantir um número adequado de futuros trabalhadores, mas os casais estão resistentes por conta dos altos custos e pressões trabalhistas.

Também na segunda-feira, os bancos comerciais chineses foram ordenados a aumentarem suas reservas de moeda estrangeira para limitar as vendas e conter o aumento da taxa de câmbio da moeda chinesa, o yuan. O Banco Popular da China está tentando deter os especuladores depois que o yuan subiu cerca de 12% em relação ao dólar desde maio. Segundo analistas, a mudança mais recente é um “forte sinal” de que os formuladores de políticas econômicas estão “cada vez mais desconfortáveis” com a velocidade da ascensão do yuan.

O índice Hang Seng de Hong Kong subiu 1,20%. O Kospi da Coreia do Sul fechou 0,56% maior, em 3.221,87 pontos.

O Nikkei do Japão caiu 0,16% para fechar em 28.814,34 pontos, enquanto o índice Topix subiu 0,17%, em 1.926,18 pontos.

Na Austrália, o S & P / ASX 200 caiu 0,27% no dia, para 7.142,60 pontos. O Reserve Bank of Australia anunciou na terça-feira sua decisão de manter estáveis as suas configurações de política atuais, incluindo a manutenção da taxa de juros em 0,1% e programas de facilitação quantitativa. As mineradoras avançaram. BHP subiu 0,4%, Rio Tinto avançou 0,8% e Fortescue Metals saltou 2%. As empresas de energia subiram depois que a aliança OPEP+ previu um aperto no mercado global de petróleo antes da reunião de política de produção. Santos subiu 2,1% e Woodside Petroleum avançou 1,3%.

O índice MSCi para a Ásia-Pacífico exceto Japão subiu 0,55%.

EUROPA: As bolsas europeias abriram o primeiro dia de junho em novos patamares. Os ganhos vieram com os futuros de petróleo bruto atingindo o maior nível em mais de dois anos, antes da reunião de produção da OPEP+.

O Stoxx Europe 600 sobe 1,21%, com ações de a mineração, petróleo e bancos liderando as altas e colocando o índice no caminho para registrar um novo recorde de alta. O índice pan-europeu subiu 2% em maio, sua quarta alta mensal consecutiva.

Nesta terça-feira, o alemão DAX 30 sobe 1,44%, o francês CAC 40 sobe 0,86%, enquanto o IBEX 35 da Espanha e o FTSE MIB da Itália sobem 0,55% e 1,22%, respectivamente.

O FTSE 100 sobe 1,21% em Londres, após uma pausa de três dias. As mineradoras listadas na LSE registram sólidos ganhos no dia. Antofagasta dispara 4,2%, Antofagasta adiciona 3,4%, BHP sobe 3,7% e Rio Tinto salta 4,1%. Entre as produtoras de petróleo, Bp sobe 2,2% e Royal Dutch Shell sobe 1,9%.

A Eurostat informou que os preços ao consumidor em maio subiram 2% em relação ao ano anterior, devido ao aumento dos preços da energia.

As leituras finais do PMI de manufatura do IHS Markit para maio mostraram que a atividade na zona do euro atingiu um recorde de 63,1, acima dos 62,9 em abril e acima da estimativa inicial de 62,8. No Reino Unido, a atividade fabril subiu para 65,6 em maio, ante 60,9 em abril, seu crescimento mais acentuado desde o início dos recordes.

A Comissão Europeia propôs na segunda-feira que os turistas vacinados devem ser isentos de testes obrigatórios ou medidas de quarentena quando viajam entre as nações da UE.

EUA: Os futuros dos índices de ações dos EUA sobem na manhã de terça-feira, com o entusiasmo sobre a reabertura econômica devendo fazer com que Wall Street inicie o mês de junho com alta, após pausa na segunda-feira por conta do feriado do Memorial Day.

Os futuros do S&P 500 sobem, colocando o benchmark mais perto de seu recorde. Na sexta-feira, o S&P 500 fechou a apenas 0,8% de seu recorde intradiário.

Os ganhos ocorrem na medida em que os casos da Covid continuam diminuindo nos EUA, a medida que aumenta as taxas de vacinação. Em um marco importante, mais da metade da população dos EUA (50,5%) recebeu pelo menos uma dose da vacinação para Covid, de acordo com dados do CDC publicados no domingo. Mais de 62% dos adultos receberam uma dose e houve apenas 12.663 novos casos no sábado, de acordo com o CDC, o menor desde março de 2020.

Ações vinculadas à reabertura da economia lideram os ganhos no pre-market. A Carnival e Norwegian Cruise Line Holdings sobem mais de 2% cada. A American Airlines e a United Airlines sobem mais de 1,5% cada. Deere e Boeing estavam em alta no início do pregão.

As ações do setor de energia sobem com os futuros do petróleo dos EUA saltando quase 3%. A Exxon, a Chevron e a Marathon Petroleum registram ganhos no pre-market com o início da temporada de viagens de verão.

Os movimentos nas negociações da madrugada vieram depois que o Dow e o S&P 500 ganharam 1,93% e 0,55% em maio, respectivamente, marcando seu quarto mês positivo consecutivo. O Russell 2000 subiu 0,11% em maio, para postar seu oitavo mês positivo consecutivo, a mais longa sequência de altas mensais desde 1995.

O Nasdaq subiu 2,06% na semana passada, postando seu melhor desempenho semanal desde abril, porém, o índice de alta tecnologia perdeu 1,53% em maio, quebrando uma sequência de 6 meses de alta.

Um indicador chave da inflação, o índice básico de gastos com consumo pessoal, subiu 3,1% em abril em relação ao ano anterior, mais rápido do que a previsão de um aumento de 2,9%. Apesar dos dados de inflação mais fortes do que o esperado, os rendimentos do tesouro caíram na sexta-feira.

O foco dos investidores agora é a reunião do Federal Reserve agendada para 15 a 16 de junho. A questão é se o Fed começa a acreditar que a inflação está acima do esperado e se a economia está fortalecendo o suficiente para progredir sem tanto apoio monetário.

O relatório de emprego de maio, previsto para ser lançado nesta sexta-feira, fornecerá uma leitura importante da economia. De acordo com economistas, espera-se cerca de 674.000 empregos criados em maio, depois dos 266.000 empregos criados em abril, que ficou muito menos do que o esperado.

Na agenda econômica de hoje, espera-se o PMI final de manufatura às 10h45. O PMI de manufatura do ISM sairá às 11h00, juntamente com os dados de gasto de construção.

ÍNDICES FUTUROS – 7h30:
Dow: +0,55%
SP500: +0,42%
NASDAQ: +0,38%

COMMODITIES:
MinFe Dailan: +7,29%
Brent: 2,09%
WTI: +2,72%
Soja: +0,80%
Ouro: +0,19%

OBSERVAÇÃO: Este material é um trabalho voluntário, resultado da compilação de dados divulgados em diversos sites da internet que são aqui resumidos de maneira didática para facilitar e agilizar a compreensão do leitor. O texto da sessão asiática está no tempo passado, enquanto a europeia e a americana estão no presente devido ao horário em que este relatório é redigido. Atentem-se para o horário de disponibilização dos dados. O texto não é indicação de compra ou venda de ativos.

Deixe um comentário