Petrorio: ANP aprova Plano de Desenvolvimento do campo de Frade, operado pela companhia, mas nega a troca de nome do campo

LinkedIn

A diretoria colegiada da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) aprovou a revisão do Plano de Desenvolvimento (PD) do campo de Frade, operado pela PetroRio (BOV:PRIO3), assim como o pedido da empresa para voltar a praticar injeção de água em poços do campo para aumentar sua produtividade.

Contudo, a troca de nome do campo, também solicitada pela petroleira, que detém 100% do ativo, foi negada.

O campo de Frade fica na bacia de Campos e foi responsável por dois incidentes com vazamento de óleo, em 2012 e 2016, pela super pressurização dos reservatórios. Na época, Frade pertencia à Chevron, que vendeu sua participação de 51,7% à PetroRio em 2019, que já tinha comprado em 2018 a parte da Japan Petroleum (18,3%), quando entrou no ativo.

Após os incidentes, as injeções de água nos poços foi suspensa, mas poderão ser retomadas agora pelos novos donos.

Quanto à mudança de nome, a relatora do processo, diretora Simone Araújo, afirmou que o nome é escolhido pelo operador quando da declaração de comercialidade. Ela lembrou que quando uma área é declarada comercial, a empresa deve escolher prefencialmente os nomes utilizando nomes de aves brasileiras, quando se tratar de descobertas em terra, e nomes ligados à fauna marinha, quando se tratar de descobertas no mar.

Em seu voto, o diretor substituto, Rafael Moura, ressaltou que a mudança de nome “traria transtornos à administração pública e até na publicidade dos dados de produção desses campos”, avaliou.

Em setembro, porém, obedecendo uma ordem judicial, a ANP permitiu a troca de nome do campo de Lula para Tupi.

O argumento da ação é de que o nome favorecia o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Prejuízo de R$ 39,76 milhões no primeiro trimestre, revertendo lucro

PetroRio teve prejuízo líquido atribuível aos controladores de R$ 39,8 milhões no primeiro trimestre de 2021, ante lucro líquido de R$ 46,2 milhões no mesmo período de 2020.O resultado foi impactado negativamente pelo efeito contábil (não-caixa) da variação cambial e da depreciação e amortização dos novos ativos.

Ebitda – juros, impostos, depreciação e amortização – somou R$ 407,7 milhões no período, o que corresponde a um salto de 176% na comparação com o primeiro trimestre de 2020, com margem de 62%.

receita líquida da companhia somou R$ 655,3 milhões entre janeiro e março, alta de 194,0% em relação ao mesmo intervalo do ano anterior.

Informações Broadcast

Deixe um comentário