Terra Santa Agro: capital social da companhia, será representado pelo montante de R$ R$ 2,19 bilhões

LinkedIn

A Terra Santa Agro teve aumento de R$ 85,5 milhões em seu capital social, para R$ 2,19 bilhões. O aumento ocorreu após o exercício de bônus de subscrição que geraram 7,1 milhões de novas ações.

O comunicado foi feito pela empresa (BOV:TESA3) na sexta-feira (18). Confira o documento na íntegra.

Verificaram, nos meses de abril de 2021 a junho de 2021, o exercício 7.164.923 Bônus de Subscrição e confirmaram a emissão de 7.164.871 Ações Ordinárias aos titulares dos Bônus de Subscrição, dentro do limite do capital autorizado.

Em razão da emissão das Ações Ordinárias, o capital social da Companhia, após a efetivação da AGE de Redução de Capital, será representado pelo montante de R$ R$ 2.192.637.589,60, representado por 28.952.014 ações ordinárias, todas nominativas e sem valor nominal. Razões do aumento e suas consequências jurídicas e econômicas.

Em 29 de abril de 2019, foi aprovado o aumento de capital no montante de R$ 50.000.000 por meio de emissão privada de 3.700.963 novas ações ordinárias, nominativas, escriturais e sem valor nominal, ao preço de emissão de R$ 13,51 por ação com objetivos principais de criar os meios para a concretização da renegociação de dívidas da Companhia, sendo condição para a efetivação dos termos negociados com seus credores relevantes, equalizar sua estrutura de capital, reduzindo significativamente sua alavancagem, e reforçar o capital de giro da Companhia.

Os Bônus de Subscrição têm como objetivos principais garantir maior atratividade para os subscritores do Aumento de Capital, mitigar a diluição imediata relacionada ao Aumento de Capital e permitir potencial a capitalização adicional da Companhia ao longo do prazo de 3 (três) anos, adequando seu fluxo de caixa ao fluxo de renegociação com seus principais credores.

Prejuízo líquido de R$ 38,2 milhões no 1T21, revertendo lucro

Terra Santa teve prejuízo líquido de R$ 38,2 milhões no primeiro trimestre de 2021, revertendo o lucro líquido de RS 11,7 milhões que registrou no mesmo período de 2020.

O lucro operacional da Terra Santa Agro caiu 16,3% no primeiro trimestre deste ano frente ao mesmo período de 2002, para R$ 102,7 milhões.

Segundo a companhia, essa diferença decorre, principalmente, da piora no resultado operacional da soja na safra 2020/21 por causa da redução da área plantada em 30,4% e queda na produtividade da cultura em 9,5% e do aumento das despesas operacionais diante do pagamento do bônus para colaboradores e diretores.

Além disso, a piora do resultado financeiro pode ser atribuída também ao aumento das despesas financeiras (juros sobre arrendamentos e juros sobre financiamentos) e pelo resultado negativo de derivativos, e da redução do IRPJ/CSLL (diferido).

Deixe um comentário