MOSS e OnePercent lançam no Brasil a primeira plataforma de NFTs sustentáveis do mundo

LinkedIn

A equipe da MOSS, empresa responsável pela criptomoeda MCO2, lastreada em créditos de carbono, anunciou nesta segunda, 12, uma parceria com a OnePercent, uma startup de blockchain e tokenização, para o lançamento da primeira plataforma mundial de NFTs sustentáveis.

Segundo matéria do Cointelegraph, a plataforma será chamada de Rarum, e permitirá a cunhagem, compra e venda de NFTs ‘verdes’  neutros em carbono.

“Mais do que proporcionar às empresas acesso ao mercado de colecionáveis, queremos que o impacto desses ativos seja zerado na ponta”, afirma Fausto Vanin, um dos fundadores da One Percent.

Ainda segundo o comunicado, será feita a tokenização e criptografia de ativos reais raros, como fotos de onças pintadas caçando à noite, que fazem parte da parceria entre a MOSS e o Projeto Onçafari, voltado à preservação da espécie no Brasil.

“Além de tornar mais acessíveis ativos únicos, que anteriormente eram leiloados de maneira física, os NFTs garantem a autenticidade das obras digitais”, afirma Vanin. “Enxergamos nesse mercado, que ganha cada vez mais relevância mundo afora, uma grande oportunidade de levantar recursos para a conservação da fauna e flora brasileiras, que são riquíssimas e precisam ser preservadas para as próximas gerações”, completa.

MOSS e NFT

As marcas poderão criar suas lojas na plataforma da Rarum, que será um grande marketplace de NFTs. Além dos colecionáveis do Onçafari, também estarão disponíveis registros exclusivos de esportes com a assinatura de Cacá Bueno, pentacampeão da Stock Car Brasil.

“Em uma ponta facilitamos o acesso das empresas, fazendo toda a gestão do ciclo de vida do ativo, operação da loja online e venda para o público final, passando pelas estratégias comercial e de marketing; enquanto na outra, conectamos apaixonados às suas paixões com facilidade e segurança. Por meio das mais modernas tecnologias de pagamento, como PIX, os consumidores poderão adquirir itens exclusivos e já neutralizados”, finaliza.

Cada NFT mintado terá sua pegada de carbono compensada pelo token da MOSS o MCO2 que também é usado por grandes empresas para compensar sua pegada de carbono.

Recentemente, o iFood anunciou que tem um plano de sustentabilidade chamado de Regenera que pretende eliminar completamente as emissões de carbono da companhia até 2025.

O plano é zerar todas as emissões dos gases do efeito estufa, tendo como primeiro passo a expertise da empresa de tecnologia Moss.Earth, que criou um inventário sobre as emissões de todas as entregas realizadas pelo iFood em 2020.

Ao todo, foram emitidas 128 mil toneladas de CO2 — a neutralização delas, segundo o iFood, será feita por meio de “investimento em projetos de preservação ambiental e reflorestamento” e também pela compra do Tokens da Moss.

O mesmo processo foi feito pela Hering que anunciou a negativação da pegada de carbono do seu produto principal, a camiseta World, que está completando 30 anos. Para a neutralização, a empresa anunciou a compra da MCO2.

O acordo envolve a compra anual de 40 mil créditos de carbono, o que equivale à preservação de uma área equivalente a 23 mil campos de futebol do tamanho do estádio do Maracanã. Juntas, as iniciativas da Cia. Hering e da marca Hering somam, em 2021, 9,8 milhões de árvores conservadas na floresta.

Os recursos serão investidos no projeto Fazenda Fortaleza Ituxi, que ocupa uma área de 150 mil hectares na Amazônia, na região de maior pressão de desmatamento: o município de Lábrea.

A Fazenda Fortaleza Ituxi emprega 150 moradores em atividades como manejo sustentável da floresta e gera mais de mil empregos indiretos em atividades de extrativismo como produção de castanha, açaí, óleo de copaíba e babaçu.

Por Cassio Gusson

Deixe um comentário