Petrobras coloca em operação maior computador da América Latina

LinkedIn

A Petrobras colocou em operação, nesta semana, o maior computador da América Latina, o Dragão. O ranking é organizado pela Top500.org para identificar o uso de equipamento de alto desempenho pelas empresas. A estatal ocupa ainda a segunda e quarta colocações desta classificação, com os supercomputadores Atlas e Fenix, que já estavam em funcionando.

Com a utilização das máquinas, a petrolífera aumentou sua capacidade de processamento a patamar equivalente a 300 mil laptops ou 12 milhões de celulares smartphones.

“Com a chegada do Dragão ao ranking, estamos na linha de frente com três, dentre os quatro maiores computadores da América Latina. Esperamos fechar 2021 com cerca de 40 petaflops Rpeak de capacidade, sem contar o uso de nuvem”, declarou o diretor de Transformação Digital e Inovação, Nicolás Simone.

O investimento na digitalização dos processos é um dos focos de todo setor de petróleo e a Petrobras (BOV:PETR3) (BOV:PETR4) também tem perseguido essa estratégia. No segmento de Exploração e Produção, a empresa utiliza as novas tecnologias para ter o máximo de sucesso exploratório e para reduzir o intervalo entre a descoberta e a produção de petróleo.

Os supercomputadores são usados também para tratar os grandes volumes de dados geocientíficos.

“A revolução digital envolvida proporciona aumento da assertividade na descoberta de novas jazidas, melhoria da produção de óleo e gás e redução de riscos operacionais, o que traz, consequentemente, aumento do retorno financeiro dos projetos”, diz a empresa, em nota.

A Petrobras pretende divulgar os resultados do 2T21 no dia 29 de julho

Lucro líquido de R$ 1,17 bilhão no 1T21, revertendo prejuízo

lucro líquido aos acionistas da Petrobras somou R$ 1,17 bilhão no primeiro trimestre, após prejuízo um ano antes. O resultado foi R$ 58,7 bilhões inferior ao quarto trimestre do ano passado, refletindo o impacto da variação cambial no resultado financeiro devido à desvalorização do real frente ao dólar e às reversões de impairment e dos gastos passados com o plano de saúde, ambos ocorridos no trimestre anterior.

receita líquida cresceu 14,2%, para R$ 86,17 bilhões, em base de comparação anual e foi 4,9% superior ao quarto trimestre, devido, principalmente, à valorização de 38% nos preços do Brent.

O lucro recorrente, que desconta dos resultados eventos que melhoraram ou pioraram o resultado da empresa e não devem se repetir em outros períodos, somou R$ 1,45 bilhão, impactado pelo efeito da depreciação do real sobre a dívida.

ebitda  – lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização – somou R$ 49,53 bilhões, após resultado negativo de R$ 29,682 bilhões no primeiro trimestre de 2020. Em termos ajustados – que excluem da conta participações em investimentos, reavaliações nos preços de ativos, resultados com desinvestimentos e realização dos resultados por venda de participação societária -, o ebitda aumentou 30,5%, para R$ 48,949 bilhões.

Informações Broadcast

Deixe um comentário