Planet Labs, empresa de imagens de satélites, listará na Bolsa de Valores de Nova York

LinkedIn

O especialista em imagens de satélite e dados Planet Labs está se preparando para ir a público, anunciando na quarta-feira (7) que irá se fundir com um SPAC para listar na Bolsa de Valores de Nova York.

A Planet Labs está se combinando com a empresa de aquisição de propósito específico dMY Technology Group IV (NYSE:DMYQ). O negócio dá à empresa espacial uma avaliação patrimonial de US$ 2,8 bilhões e deve ser fechado no quarto trimestre, resultando na listagem do Planet na NYSE sob o ticker PL.

As ações da DYMQ subiram 2% nas negociações de pré-mercado em relação ao fechamento anterior de US$ 9,81.

O negócio deve arrecadar US$ 434 milhões no total para a Planet, incluindo uma rodada PIPE de US$ 200 milhões – ou investimento privado em ações públicas – liderada pela BlackRock e acompanhada por Google, Koch e TIME Ventures. Anteriormente, a Planet levantou mais de US$ 380 milhões em capital de investidores, incluindo Google, DFJ, Lux Capital, DCVC, Founders Fund, Space Capital e muito mais.

A Planet se junta a  uma tendência de empresas espaciais que abrem o capital por meio de acordos SPAC, com a Virgin Galactic sendo a primeira da geração recente em 2019. O construtor de foguetes  Astra e a banda larga via satélite AST & Science começaram a negociar com as empresas Rocket Lab,  Spire Global, BlackSky, Redwire, Satellogic e Momentus e devem ser lançados nos próximos meses.

Uma empresa de assinatura de dados

A Planet lançou 462 satélites até o momento, e sua frota orbital atual possui 21 satélites que podem capturar imagens em uma resolução de 50 centímetros e cerca de 120 que podem capturar imagens em uma resolução de quase três metros. Resolução é uma forma de medir os detalhes que um satélite pode capturar, portanto, uma resolução menor significa uma visão de maior qualidade do que está no solo.

O cofundador e CEO Will Marshall observou que seus satélites de resolução de alta qualidade criam uma “varredura de toda a massa terrestre da Terra uma vez por dia”.

As imagens da empresa alimentam um índice de dados que, segundo a Planet, torna a Terra “pesquisável” para seus mais de 600 clientes. Os contratos de clientes da Planet são definidos como assinaturas, com 90% desses contratos anuais recorrentes. A receita existente é amplamente dividida entre quatro setores: Civil com 24%, agricultura com 23%, defesa e inteligência com 22% e mapeamento com 17%.

Planet

“Analytics são fundamentais para as maiores tendências de trilhões de dólares que acontecem na economia global com a transformação digital de vários setores”, disse Marshall. “’Você não pode gerenciar o que você não pode medir”.

Ele fez uma analogia com a Planet como uma empresa de dados, em vez de uma empresa de satélite, da mesma forma que o Google é um mecanismo de busca e empresa de publicidade, em vez de uma empresa de servidores.

Mais de US$ 100 milhões no ano passado

A Planet gerou US$ 113 milhões em receitas no ano passado – já que o ano fiscal de 2021 da empresa terminou em 31 de janeiro. Embora Marshall diga que a Planet “não precisa” de tanto dinheiro quanto está levantando por meio deste SPAC, a empresa vai usá-lo para aumentar suas vendas, marketing e linhas de software.

A empresa pretende ser lucrativa com base no EBITDA ajustado até o início de 2025 e aumentar sua receita para quase US$ 700 milhões no início de 2026.

“Agora estamos prontos para sair para o mundo, e o mundo realmente precisa de nós”, disse Marshall. “Quando olhamos ao redor do mundo, praticamente todas as empresas em todos os setores precisam medir as metas ESG [ambientais, sociais e de governança], todos os governos em todos os países precisam medir suas emissões e assim por diante”.

“Precisamos ser uma empresa global e estamos chegando lá”, acrescentou Marshall.

Deixe um comentário