Copasa (CSMG3): lucro líquido de R$ 237 milhões no 2T21, alta de 62%

LinkedIn

A Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa) registrou lucro líquido de R$ 237 milhões no segundo trimestre deste ano, alta de 62% em relação ao mesmo período de 2020.

A receita líquida avançou 15% no comparativo trimestral, para R$ 1,45 bilhão. O segmento de água, esgoto e resíduos sólidos, cresceu 9,9% e somou R$ 1,3 bilhão no período.

O Ebitda – lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização – subiu 30,1% no segundo trimestre, na comparação com o mesmo período do no passado, quando totaliza R$ 492,37 milhões.

Entre abril e junho de 2021, a dívida líquida da companhia encerrou em R$ 2,61 bilhões, pouco mais de 8% em relação ao mesmo intervalo de 2020. Já o índice de alavancagem, medido pela relação Dívida Líquida/Ebitda dos últimos 12 meses ficou, em junho, no mesmo valor registrado em 2020: 1,3x.

Ao final do trimestre, a companhia possuía 640 concessões de água e 310 concessões a prestação dos serviços de esgotamento sanitário. Já a receita líquida de água, esgoto e resíduos sólidos totalizou R$ 1,30 bilhão no período, 9,9% superior ao volume do segundo trimestre de 2020.

Os resultados da Copasa (BOV:CSMG3) referentes suas operações do segundo trimestre de 2021 foram divulgados no dia 03/08/2021. Confira o Press Release completo!

VISÃO DO MERCADO

Eleven Financial

Em linhas gerais o resultado foi bom, mas dentro do esperado. O maior problema em relação às perspectivas da Copasa se refere à segunda revisão tarifária, que resultará num reajuste tarifário negativo de 1,52%. Recentemente, o órgão regulados deliberou que a Copasa terá que devolver R$ 246 milhões aos moradores de BH, uma vez que foram cobrados valores de maneira indevida por serviços de coleta e tratamento de esgoto para cerca de 69 mil clientes no município. Sendo assim, permanecemos com a nossa recomendação neutra para as ações da empresa.

Eleven tem recomendação neutra com preço-alvo de R$ 20,00…

Genial Investimentos 

Copasa reportou lucro razoavelmente em linha com o consenso. A receita cresceu 9,2% em um trimestre alavancado por aumento do consumo e crescimento orgânico das residências atendidas pela empresa. Como grande destaque nos custos operacionais, vemos as linha de provisões, maior responsável pela performance do EBITDA da empresa no trimestre.

Vemos todas as empresas de saneamento sob nossa cobertura negociando a níveis interessantes, muito possivelmente devido à questão relacionada a crise hídrica e seus possíveis impactos no negócio. CSMG3 negocia 3,6x EV/Ebtida 22e e TIR implícita de 9,9% em termos reais – não achamos um case caro, mas temos preferência por outros nomes no setor.

Como grandes destaques do trimestre, vemos a receita crescendo c. 9% – propelida pelos maiores volumes distribuídos e evolução no número de conexões. O Ebtida cresceu 30% a/a em um trimestre marcado pela alteração no método de contabilidade do provisionamento dos devedores duvidosos por parte da empresa – retornaram ao que era antes da alteração anterior à 2020, momento da pandemia.

Outro destaque positivo é o endividamento da empresa, que fechou em R$ 2,6 bilhões (1.3x Dív. Líquida/EBITDA 12M) – níveis muito confortáveis, o que deve levar a empresa a seguir com sua política de distribuição extraordinária de dividendos.

Goldman Sachs 

De acordo com o Goldman Sachs, a Copasa registrou resultados operacionais em linha com o esperado no segundo trimestre, enquanto o lucro superou as estimativas.

O lucro ficou acima das projeções do Goldman Sachs, em razão da reversão de provisões para itens não-recorrentes e da melhora do resultado financeiro da companhia.

Já lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) ajustado ficou 1% abaixo das estimativas do Goldman Sachs e 9% aquém do consenso do mercado.

As despesas com inadimplência, de R$ 61 milhões, ficaram em linha com o esperado. As despesas com PMS (pessoal, material e serviços de terceiros) superaram em 5% as projeções do Goldman Sachs, devido ao crescimento de gastos com pessoal e com serviços de terceiros.

“Temos uma visão neutra sobre o setor de saneamento e vemos melhores perfis de risco-recompensa em outros nomes da cobertura do setor de energia”, afirmam os analistas Pedro Manfredini e Flavia Sounis.

Goldman Sachs tem recomendação neutra, com preço-alvo de R$ 14,50…

XP Investimentos

A XP afirmou ter uma avaliação negativa dos resultados dado que vieram abaixo das estimativas da casa e do consenso de mercado. “Além disso, continuamos a enxergar um cenário complexo para a concretização de uma eventual privatização da companhia nos ambientes estadual e municipal. Assim sendo, continuamos a acreditar que há poucos motivos para se investir nas ações da Copasa.

XP mantém recomendação de venda, com preço-alvo de R$ 15,00…

* Com informações da ADVFN, RI das empresas, Valor, Infomoney, Estadão, Reuters

Deixe um comentário