Petróleo: grandes curiosidades e tendências sobre o ouro negro

LinkedIn

Queridinho da carteira de todo e qualquer investidor, o setor de petróleo é um dos que mais recebe atenção quando se trata do mercado financeiro. Mas isso não é exclusivo desse mercado. É uma preocupação de toda e qualquer nação abordar o petróleo em políticas, regulações e planos de pesquisa para garantir que suas indústrias e população tenham sempre disponíveis esse recurso que é a mais importante fonte energética do mundo atual.

Tamanha importância assim nos faz pensar mais sobre esse pretinho nada básico e que nunca sai de moda. Então, conversamos com Rodolfo Carneiro (sócio e assessor da Valor Investimentos) e Pedro Galdi (analista da Mirae Asset), e tivemos acesso a relatório de matriz energética brasileira para o futuro, da área de Energia da FGV. Todos nos deram alguns detalhes sobre o setor, a commodity e as tendências do petróleo. Acompanhe.

“Fechamento Petróleo”: o que significa isso, afinal?

Todo dia temos o chamado Fechamento Petróleo, que traz um resumo de como ficou a dinâmica da commodity no mercado internacional, incluindo aí a cotação do petróleo Brent e do WTI. Mas para que saber isso?

Bom, como dissemos, o petróleo tem o poder raro de influenciar diversas frentes relacionadas aos países. E ele não fica restrito às bombas dos postos de gasolina. Muitas indústrias precisam da commodity para suas produções, portanto o petróleo entra como um dos diversos insumos da cadeia produtiva – é o caso das indústrias de plástico, borracha, tintas, asfalto; usinas termelétricas também precisam de combustível para operar e gerar energia para atender à população e às empresas; praticamente todas as formas logísticas também dependem de combustível derivado de petróleo; você não vai muito longe sem um carro ou ônibus movido a gasolina, diesel etc.; e por aí vai. Ou seja, para todo lado que se olha tem petróleo jorrando.

Como o preço da commodity está vinculado ao do mercado internacional e o valor do combustível acaba sendo impactado por isso, fica evidente a importância do Fechamento Petróleo para saber a influência na margem de lucro e de custo das empresas que precisam do insumo, e inclusive para saber quanto você vai pagar na gasolina no seu dia a dia. Então, acompanhe sempre a cotação do petróleo Brent e do WTI na página da ADVFN.

Ou é Brent, ou é WTI? Só existem esses tipos de petróleo no mundo?

Embora só foquemos a atenção nos preços desses dois tipos de petróleo, não são os únicos que existem no mundo. E isso é fácil de entender, afinal petróleo vem do fundo da terra (onshore) ou do mar (offshore), portanto existem variáveis de textura, densidade e todas aquelas coisas técnicas que nos renderiam algumas páginas de explicação. Entretanto, como parâmetros de preço global, temos apenas o Brent e o WTI. A curiosidade aqui é que WTI é uma sigla para West Texas Intermediate, produzido a oeste dos Estados Unidos (como é o caso de regiões como Texas [já incluso no nome WTI], Louisiana e Dakota do Norte), enquanto Brent era o nome de um bloco de petróleo da famosíssima Shell. Outra coisa interessante é que o tipo WTI normalmente é onshore, enquanto o Brent é offshore.

De acordo com Rodolfo Carneiro, sócio e assessor da Valor Investimentos: “A principal diferença entre essas duas cotações universais é que o WTI é cotado nos Estados Unidos e serve como parâmetro para colocar um preço no petróleo extraído na região do Golfo do México. Ou seja, tudo o que é extraído lá leva à cotação do WTI. Já o petróleo Brent é cotado na Inglaterra e considera não apenas a extração do Golfo do México, mas também de importantes players como países do Oriente Médio, entre eles a Arábia Saudita. Os países árabes são muito dependentes do petróleo, por isso sempre pressionam a Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados (Opep+) para garantir que o preço da commodity esteja acima do valor de produção”.

Mas, em termos de preço, o petróleo dos EUA normalmente tem um valor maior do que o do Mar do Norte (o Brent), e isso porque se atribui a ele um custo maior de extração, refino e transporte. Mas vale especificar melhor essa constatação.

Existe algo chamado Grau API, que serve para medir a densidade do óleo. Quanto maior o Grau API, melhor a qualidade. O petróleo norte-americano é do tipo denso, com Grau API de 39,6, enquanto o Brent é leve, com um Grau API de 38,6. Os óleos leves (também encontrados no Pré-Sal brasileiro) são usados como insumos da indústria petroquímica, enquanto os pesados se transformam em asfalto e em óleo combustível, demandando, portanto, um processo de refino mais apurado.

Em se tratando do transporte, que é o que encarece também o WTI no comparativo com o Brent, acontece que, como esse é um petróleo de extração basicamente onshore (em terra), para levar a produção até a costa é preciso investir bastante. Diferentemente do Brent, que vem de uma extração marítima e, como já está ali mesmo, pode escoar mais facilmente mar adentro.

=> Veja a matéria especial sobre os termos mais usados no setor de Petróleo&Gás, para ficar ainda mais por dentro dos relatórios divulgados pelas empresas petrolíferas nas quais você investe. 

Qual cotação nossas empresas brasileiras acompanham: do Brent ou do WTI?

Segundo Pedro Galdi, analista da Mirae Asset, o Brent é o referencial para nossa gigante Petrobras (PETR3 e PETR4): “Isso porque ela exporta para vários países e o Brent é referência, pois pega Europa e Ásia… mas isso é só uma conveniência de mercado”.

Já Rodolfo Carneiro acrescenta mais uma explicação a isso: “A Opep+ é como se fosse aquele ‘clube de amigos’ fechado que determina os preços do petróleo no mundo. Dessa forma, os países árabes não poderiam ficar de fora. Por esse motivo, o petróleo Brent é considerado a cotação globalmente oficial quando tentamos precificar todos os mercados”.

Entretanto, a Petrobras não é a única que usa cotações internacionais para basear seus preços. Seguem a influência da cotação externa também empresas como Manguinhos (RPMG3), Lupatech (LUPA3), Dommo (DMMO3).

O que esperar desse setor dentro do curto, médio e longo prazo?

É fato que 2020 foi um ano desafiador para todas as empresas, e até mesmo as petrolíferas sofreram impacto. O preço oscilou semana a semana, com incertezas tanto do lado da oferta quando da demanda. “Com relação à oferta, o fracasso das negociações sobre redução da produção, na primeira semana de março de 2020, lideradas pela Arábia Saudita, e a Rússia, principal produtor não OPEP, provocou uma guerra de preços iniciada pelos árabes e grandes disputas por market share. E, pelo lado da demanda, a crise sanitária do covid-19 e a consequente desaceleração da economia global influenciaram as expectativas de consumidores e produtores”, explica o assessor da Valor Investimentos.

=> Saiba mais sobre os momentos caóticos pelos quais passaram o petróleo durante a pandemia – “Foi uma época muito assustadora. Ninguém estava andando de carro. Todo mundo estava isolado em casa, e estávamos brigando por causa de papel higiênico”. 

Porém, o assessor é otimista sobre o futuro do setor, revelando que as “perspectivas são positivas, dada a retomada da indústria global pós-pandemia. A volta da atividade global certamente impactará os preços do petróleo de maneira positiva”.

Mas e pensando bem mais para frente, como fica o setor? Sobre o longo prazo, Paulo Van Der Ven, da FGV Energia, acredita que pode haver um processo de aprendizado e dinamismo entre as fontes de energia renováveis com as não renováveis, como é o caso do petróleo. Ele cita ainda, em relatório, o caso da Equinor, companhia internacional de energia que tem extensas operações no Brasil.

Segundo ele: “Pode-se sempre agregar mais. Os maiores interesses no momento hoje estão nas fontes solar e eólica, sobretudo na eólica offshore, que entra no portfólio da Equinor podendo potencializar a experiência e conhecimentos nas operações offshore de petróleo. A companhia assumiu um compromisso na área de energias renováveis de investir até 20% de todo Capex em renováveis e essas metas serão atingidas muito antes do esperado. No Brasil, também tem muita área interessante e oportunidades para investimentos em tecnologias, que são necessários para desenvolver um portfólio de baixo carbono, tanto nas renováveis quanto em petróleo”.

De acordo com o JP Morgan, o WTI pode bater US$ 70 até maio. Como ver isso?

Pouco mais de um ano atrás, em abril de 2020, o petróleo cru dos EUA havia fechado em -US$ 37 o barril, ou seja, estavam praticamente pagando para alguém comprar. Agora, a realidade é outra. O analista da Mirae Asset, Pedro Galdi, revela que a Petrobras está tendo grande sucesso em reduzir custo de exploração com o pré-sal, portanto, quanto maior o preço no mercado internacional, maior também será a margem dela e do setor.

Já Rodolfo Carneiro acrescenta uma variável a se considerar: o lifting cost (custo de produção). “Dependendo da empresa, bate US$ 35 a U$$ 40 para ser um valor viável de comercialização. Acima disso a gente já começa a alçar voos em termos de lucros um pouco maiores. US$ 70 é um preço de fato interessante para o mercado como um todo”.

Ele avalia que especificamente para as empresas brasileiras esse valor internacional é muito bom. Afinal, muitas são exportadoras da matéria-prima (como é o caso da Petrobras e da PetroRio), então é importante chegar a um nível assim de preço, algo que não se vê ao longo dos dois últimos anos. De maneira geral, segundo o assessor, isso incentiva o setor e o mundo é impactado favoravelmente. “Com a escalada do preço do petróleo, isso deve se refletir também no valor do combustível para a gente. Mas, com a retomada da atividade econômica, é natural que tenha aumento do preço de petróleo, tanto que muitas indústrias necessitam dessa matéria-prima como um impulsor. Então, com essa escalada da atividade industrial, tende a ser um movimento coerente esse retorno do preço do petróleo”.

=> Acompanhe a cotação atual do petróleo Brent. 

=> Veja a cotação atualizada do petróleo WTI.

=> O Fechamento Petróleo da ADVFN sai todos os dias no nosso Jornal. Acesse aqui para ver as últimas atualizações e cadastre-se também no Telegram da ADVFN para receber a notícia na hora em que ela é disparada.

E aí, gostou de conhecer um pouco mais sobre o setor de petróleo? Comenta aqui embaixo sua opinião e aproveite para compartilhar este conteúdo com seus amigos. Aproveitem e ótimo$$ investimento$$!

Deixe um comentário