Cardano lança contratos inteligentes após hard fork bem-sucedido mas cai 10%

LinkedIn

No dia 12 de agosto, a Cardano (COIN:ADAUSDtuitou que a atualização foi concluída com sucesso no “epoch 290”, facilitando a criação e execução de contratos inteligentes na blockchain pública pela primeira vez.

Apesar de comemorar o marco, a Cardano observa que ainda são “os primeiros dias do projeto”, afirmando que agora é quando “a missão realmente começa” em um post publicado no mesmo dia:

A Cardano anunciou a conclusão de seu hard fork Alonzo, inaugurando sua tão esperada funcionalidade de contrato inteligente.

“É aqui que a missão realmente começa, quando nós – toda a comunidade – começamos a cumprir a visão pela qual todos trabalhamos há tanto tempo. Construir um sistema descentralizado que expande a identidade econômica e as oportunidades a todos, em todos os lugares.”

O hard fork Alonzo permite que contratos inteligentes sejam escritos para Cardano usando scripts Plutus, que a equipe descreve como “uma linguagem voltada para desenvolvimento de contratos inteligentes e plataformas de execuções usando a linguagem de programação funcional Haskell”.

No entanto, a equipe encorajou sua comunidade a manter expectativas sensatas para Alonzo, afirmando:

“Há grandes expectativas em relação a essa atualização. Algumas não razoáveis. Os observadores de Cardano podem estar esperando um sofisticado ecossistema de DApps prontos para o consumidor, disponível imediatamente após a atualização. As expectativas precisam ser gerenciadas aqui. ”

A Cardano é uma blockchain pública criado pelo co-fundador da Ethereum, Charles Hoskinson, e desenvolvido por sua empresa de pesquisa IOHK.

Enquanto a Cardano prometia rivalizar com o domínio da Ethereum na hospedagem de aplicativos financeiros descentralizados (DeFi) e Web3, o projeto recebeu críticas por não entregar a funcionalidade de contrato inteligente até agora, apesar do lançamento em setembro de 2017.

Dominic Williams, fundador da plataforma rival Internet Computer, criticou a Cardano pelo tempo que levou para o protocolo lançar contratos inteligentes, afirmando: “Me surpreende que esta rede esteja no mercado há 2 anos e só agora está agregando suporte para contratos inteligentes – e as pessoas estão felizes com esse progresso. ”

A Cardano também sofreu críticas no início de setembro, depois que o primeiro DApp a ser lançado em sua rede de teste encontrou problemas relacionados a falhas no processamento de transações simultâneas.

Franco e incisivo, Anthony Sassano da Ethereum, tuitou: “Sério, depois de 6 anos de pesquisa ‘revisada por pares’ e uma capitalização de mercado de mais de US$ 90 bilhões e o primeiro dapp em Cardano não consegue nem mesmo processar transações simultâneas (também conhecido como precisamente o que você precisa para as DeFi).”

A Cardano, desde então, procurou responder às críticas, afirmando que os DApps construídos no protocolo “não se limitam a uma transação por bloco”.

Apesar de seus detratores, o hype para as atualizações da Candano recentemente levou seu token nativo ADA a altas recordes, com ADA subindo 192% de uma baixa local de $ 1,06 no final de julho para $ 3,10 em 3 de setembro de acordo com a CoinGecko. ADA também aumentou mais de 1.600% desde o início de 2021.

No entanto, a ADA desde então caiu e passou a semana passada oscilando entre cerca de US$ 2,30 e US$ 2,80, sugerindo que muitos especuladores podem ter comprado o boato e vendido a notícia.

ADA cai 10% depois de lançamento de contratos inteligentes na Cardano

O preço do Cardano (ADA) caiu em 13 de setembro em linha com as outras grandes criptomoedas, apesar da conclusão da atualização do hard fork “Alonzo”.

O par ADA / USD caiu 10,67% para atingir sua baixa de US$ 2,3, em parte devido ao sentimento de realização de lucros entre os comerciantes após a alta de 1.200% do preço do par neste ano. Além disso, a liquidação intradiária também surgiu no período de um declínio geral do mercado de criptografia, com os principais tokens Bitcoin (BTC) e Ether (ETH) caindo 4% e 6,97%, respectivamente.

Por Samuel Haig e Yashu Gola

Deixe um comentário