LabCorp (LH, L1CA34) superou estimativas de lucro e receita do 3T21

LinkedIn

As ações da Laboratory Corporation of America Holdings (NYSE:LH) subiram 1,7% na quinta-feira, fechando em US$ 285,23, após os resultados da empresa no terceiro trimestre excederem as expectativas dos analistas.

Comumente conhecida como Labcorp, a empresa sediada na Carolina do Norte oferece laboratórios clínicos e serviços completos de desenvolvimento de medicamentos. Opera uma das maiores redes de laboratórios clínicos do mundo e possui 36 laboratórios primários nos Estados Unidos.

A LabCorp também é negociada na B3 através do ticker (BOV:L1CA34).

O lucro ajustado por ação (EPS) durante o trimestre ficou em US$ 6,82, menor do que o lucro de US$ 8,41 por ação relatado no terceiro trimestre de 2020, mas acima da estimativa de Street de US$ 4,74 por ação.

A receita aumentou 4,3% ano a ano para US$ 4,06 bilhões e excedeu a estimativa de consenso de US$ 3,64 bilhões.

Enquanto a receita do segmento de Diagnósticos diminuiu 3,2%, para US$ 2,62 bilhões, a receita do segmento de Desenvolvimento de Medicamentos aumentou 17,5%, para US$ 1,46 bilhão.

O presidente e CEO da Labcorp, Adam Schechter, disse:

“Nosso negócio de base continuou a ter um bom desempenho e cresceu 14,6%. Como resultado de nosso desempenho no terceiro trimestre e melhores perspectivas para o saldo do ano, estamos elevando nossa orientação financeira para o ano inteiro”.

A empresa agora espera que o lucro por ação ajustado fique entre US$ 26 e US$ 28, em comparação com o intervalo de orientação anunciado anteriormente de US$ 21,50 a US$ 25.

Após a divulgação dos resultados do terceiro trimestre, o analista do JP Morgan, Tycho Peterson, manteve uma classificação Buy para as ações e aumentou o preço-alvo de US$ 325 para US$ 355 (potencial de alta de 24,5%).

No geral, a ação tem uma classificação de consenso Strong Buy com base em 7 Buy unânimes. O preço-alvo médio da Laboratory Corporation of America Holdings de US$ 345,57 implica um potencial de alta de 21,2%.

As ações ganharam quase 43% no ano.

Fontes: CNBC, FX empire, FX Street, Reuters, The Street, TipRanks

Isenção de responsabilidade: A ADVFN não faz recomendações de ativos. A matéria tem cunho jornalístico.

Deixe um comentário