Intel se prepara para revelar chip de mineração de Bitcoin ‘energicamente eficiente' chamado “Bonanza Mine”

LinkedIn

A gigante da tecnologia Intel (NASDAQ:INTC) está pronta para entrar no negócio de mineração de Bitcoin, começando com a revelação de um novo chip de mineração de Bitcoin “Bonanza Mine” na Conferência Internacional de Circuitos de Estado Sólido (ISCC) deste ano em fevereiro, de acordo com um relatório da Tom’s Hardware.

A Intel também é negociada na B3 através do ticker (BOV:ITLC34).

Para a conferência em si, a Intel supostamente tem uma apresentação preparada para delinear o novo chip Bonanza Mine, que é descrito como um “ASIC de mineração Bitcoin com eficiência energética de ultra baixa voltagem”.

Em dezembro, ao discutir as GPUs de jogos da empresa, o GM Raja Koduri disse à Intel Gaming: “Acho que blockchain é uma transação que é executada com muito mais eficiência do que a queima de ciclos de hardware”, acrescentando que isso é “algo em que estamos trabalhando”.

De acordo com a Tom’s Hardware, ainda não está claro se a Intel lançará o novo chip para o público, ou se – alternativamente – permanecerá embutido em um projeto de pesquisa por enquanto.

Intel e criptomoedas

Esta não é a primeira vez que a Intel entra no mundo das criptomoedas.

Em outubro, a Intel anunciou que as próximas placas gráficas da empresa não incluiriam restrições à mineração de criptomoedas em resposta aos planos da rival Nvidia (NVDA, NVDC34) de tornar suas próprias placas “menos desejáveis” para os mineradores de Ethereum.

“Não estamos projetando este produto ou desenvolvendo nenhum recurso neste momento que tenha como alvo específico os mineradores. No que diz respeito às ações que estamos tomando para evitá-los ou bloqueá-los, é um produto que estará no mercado e as pessoas poderão comprá-lo”, disse Roger Chandler, vice-presidente da Intel e gerente geral de produtos e soluções gráficas para clientes.

No verão passado, a Intel também divulgou em um arquivamento da SEC que detinha quase US$ 800,00 em ações da Coinbase (COIN, C2OI34).

Esta notícia, no entanto, representa um pivô significativo na indústria de mineração de Bitcoin para a gigante da tecnologia.

De acordo com os dados mais recentes do Cambridge Bitcoin Electricity Consumption Index, a mineração de Bitcoin é responsável por aproximadamente 137 terawatts-hora de consumo de energia por ano, o que significa que o Bitcoin consome mais energia do que a maioria dos países.

Pesquisas anteriores conduzidas pela Decrypt descobriram que isso gera equivalentes de gases de efeito estufa a mais de 60 bilhões de libras de carvão queimado, ou mais de 9 milhões de lares de consumo médio de eletricidade por ano.

Que efeito, se houver, a nova “Bonanza Mine” da Intel terá no consumo de energia do Bitcoin ainda não está claro. Um porta-voz da Intel disse ao Decrypt que a empresa “compartilhará mais detalhes no futuro”.

O porta-voz acrescentou que a empresa “fez um trabalho de design em torno de ASICs otimizados para SHA 256 por vários anos, começando com o trabalho de descoberta de caminhos feito nos laboratórios da Intel”.

As informações são do Decrypt.

Deixe um comentário