Bom dia ADVFN - Novas negociações entre Ucrânia e Rússia, dados do Caged e mais

LinkedIn

Esse é o Bom dia, Investidor!  29 de março de 2022, com tudo o que você precisa saber antes da Bolsa abrir!

📣  Confira as principais manchetes dos jornais de hoje 📰

Bolsas mundiais:  Os futuros americanos e bolsas da Europa operam em alta, antes de mais uma rodada de negociações de paz entre ucranianos e russos na Turquia.

Na Ásia, as bolsas fecharam em sua maioria em alta. As bolsas chinesas fecham em queda devido ao lockdown na cidade de Xangai em razão do aumento dos casos de covid. O índice Xangai perdeu -0,33% e o Shenzhen caiu -0,57%. Nos demais mercados asiáticos, o dia foi positivo com os investidores aguardando as negociações entre as delegações russa e ucraniana que serão retomadas hoje. O Nikkei valorizou-se em Tóquio e encerrou o dia com alta de +1,10% enquanto o Hang Seng avançou +1,12% em Hong Kong. Em Seul, o Kospi subiu +0,42% e, em Taiwan, o Taiex teve alta de +0,16%.

Na Europa, os mercados operam em alta à medida que os investidores estão no aguardo da retomada das negociações entre as delegações russa e ucraniana. A boa expectativa para um cessar fogo vem após o presidente Zelensky declarar que Kiev estava considerando adotar o status neutro em um eventual acordo com Moscou.

Nos Estados Unidos, os índices futuros operam no terreno positivo no momento. As bolsas em Wall Street engataram a terceira alta consecutiva na segunda-feira onde o petróleo caiu, com as preocupações de que as restrições de mobilidade da China contra o ressurgimento do Covid possam impactar a demanda pela commoditie. Os rendimentos dos títulos do governo americano também subiram, com as apostas em um aperto monetário mais agressivo nos EUA prejudicando as negociações dos títulos com vencimentos mais curtos. As inversões ao longo da curva do Tesouro, onde algumas taxas de curto prazo excedem os rendimentos de prazos mais longos, apontam para preocupações sobre uma desaceleração econômica iminente à medida que o Federal Reserve aumente as taxas de juros para conter a alta inflação. Na agenda econômica, os mercados estão aguardando a divulgação dos dados de confiança do consumidor e preços de imóveis nos EUA.

==> Acompanhe os mercados mundiais pela ADVFN (aqui)

Os futuros internacionais de petróleo WTI estão sendo negociados a US$ 106,67 com alta de 0,67%. O Brent opera em alta de 1,15%, negociado a US$ 110,69.

Bitcoin (COIN:BTCUSD) é negociado a US$ 47.583,97 (+1,19%). O ouro  é negociado a US$ 1.914,25 por onça-troy (-1,32%).

⇒ Bitcoin – Acompanhe o Mundo Cripto na ADVFN

Minério de ferro: O minério de ferro é negociado na bolsa de Dalian teve alta de 0,52%, a 867,50 iuanes, o equivalente a US$ 136,14.

Coronavírus

Pesquisada Universidade de Cambridge concluíram que 7 em cada 10 doentes com COVID-19 desenvolveram problemas de concentração e memória nos meses após infeção por SARS-CoV-2. A pesquisa, publicada na revista “Frontiers in Aging Neuroscience”, incluiu 181 doentes com Covid-19 que realizaram tarefas como lembrar de palavras e pares de imagens para avaliar as suas capacidades de tomada de decisão e memória. Os resultados do estudo mostraram um padrão de problemas de memória contínuos nos doentes que tinham sofrido infeção pelo vírus SARS-CoV-2, responsável pela Covid-19. Segundo o estudo, 78% dos doentes relataram dificuldades de concentração, 69% relataram nevoeiro cerebral, 68% relataram esquecimento e 60% relataram problemas em recordar palavras. A pesquisa mostrou que os doentes que relataram fadiga e sintomas neurológicos, como tonturas e dores de cabeça, durante as fases iniciais da doença, tinham mais probabilidades de ter problemas cognitivos mais tarde.

O mundo registra 482.397.962 casos de coronavírus e 6.128.039 mortes, confirmadas pela Universidade Johns Hopkins.

O Brasil registrou, nas últimas 24 horas, 77 mortes e 9.923 casos de Covid-19, segundo dados divulgados pelo Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), na segunda-feira (28). Hoje, a média móvel de óbitos, que está em queda, marca 236 — há uma semana o índice estava 293. Já a média móvel de casos está 30.107. Ao todo, o país registrou 658.956 mortes e 29.852.341 casos de Covid-19 desde o início da pandemia, em março de 2020.

Brasil

Levantamento divulgado ontem (28) pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) sinaliza que a retomada do mercado de trabalho está se consolidando no Brasil, com expansão da população ocupada e com efeitos sobre a redução do desemprego. No documento, elaborado com base nos dados da Pesquisa Nacional de Amostras de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), os pesquisadores do Ipea observaram que, em janeiro deste ano, o contingente de ocupados no país chegou 94,1 milhões de trabalhadores, atingindo patamar semelhante ao do período pré-pandemia, quando alcançava 94,5 milhões em janeiro de 2020. Em relação ao mesmo mês do ano passado, a população ocupada aumentou 8,1%, tornando-se o principal fator responsável pela queda de 3,3 pontos percentuais da taxa de desocupação, que caiu de 14,7% em janeiro de 2021 para 11,4% em janeiro deste ano. Já na série livre de sazonalidade, a taxa de desocupação de 11,2%, em janeiro, alcançou o menor patamar registrado desde abril de 2016, indicou o Ipea.

As chuvas que caíram nos últimos meses no país já mudaram o cenário hídrico brasileiro. Como consequência, os reservatórios do Sudeste/Centro-Oeste atingiram o maior nível desde junho de 2013. Atualmente, o nível de armazenamento está em 62,78%. Em junho daquele ano era de 63,8%. Os reservatórios deste subsistema são responsáveis por 70% da geração hídrica do país.A nível de comparação, no segundo semestre de 2021, os reservatórios das Usinas Hidrelétricas do Sudeste e do Centro-Oeste operavam com apenas 22,7% de sua capacidade de armazenamento. E não é só no Sudeste e Centro-Oeste que a situação hídrica está favorável. Os reservatórios do Nordeste estão com níveis de armazenamento em 93,09% e os do Norte com 97,86%.

O ex-presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE) explica que se a hidrologia se mantiver positiva, com a redução do uso das termelétricas, que encarecem os custos de geração e produção, há boas possibilidades de o governo federal rever a bandeira tarifária de escassez hídrica. Atualmente, o valor da tarifa cobrada na conta de luz é de R$ 14,20 a cada 100 kWh (quilowatts /hora). Apesar dos cenários positivos, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) manteve a taxa extra, em anúncio feito na última sexta-feira (25). A previsão é de que a atual bandeira tarifária fique em vigor até o final de abril, apesar de especialistas já enxergarem um cenário favorável para a redução da conta de luz paga pelos consumidores.

Poderes

O Ministério de Minas e Energia apresentou na segunda-feira (28) indicação de executivos para compor o Conselho de Administração da Petrobras, tendo Adriano Pires para a presidência-executiva da empresa, no lugar do general da reserva Joaquim Silva e Luna, que ficou de fora da lista.

O presidente Jair Bolsonaro recebeu alta do Hospital das Forças Armadas (HFA), na manhã desta terça (29), após ser internado na noite de segunda-feira com dores abdominais.

O ministro da Educação, Milton Ribeiro, anunciou sua exoneração da pasta na segunda-feira (28).

Os servidores do Banco Central decidiram entrar em greve em assembleia realizada na segunda-feira (28) e aprovam greve por tempo indeterminado a partir de 1º de abril. A categoria quer um reajuste de 26,3%, além da reestruturação da carreira de analista. Eles se juntam aos servidores do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social), que entraram em greve na quarta-feira (23). Na sexta-feira (25), funcionários do Tesouro Nacional pararam suas atividades também por reajuste salarial.

Economia

Confira o Calendário de Balanços 4T21

O mercado deu seguimento à piora do cenário para a inflação no Brasil com a 11ª elevação seguida na projeção para o resultado do IPCA neste ano, aproximando-se de 7%, de acordo com pesquisa Focus divulgada pelo Banco Central n segunda-feira (28). Segundo a mediana das projeções dos analistas consultados no Focus, o IPCA deve registrar alta em 2022 de 6,86%, contra avanço de 6,59% previsto na semana anterior. Para 2023 a conta subiu em 0,05 ponto percentual, a 3,80%. Essas leituras se dão em meio ao aumento das projeções também para a inflação dos preços administrados, a 6,03% e 4,52%, respectivamente, neste ano e no próximo. O levantamento anterior apontava avanços de 5,80% e 4,51% para os preços desse grupo. O centro da meta oficial para a inflação em 2022 é de 3,5% e para 2023 é de 3,25%, sempre com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou menos. Depois de o Banco Central elevar a Selic a 11,75% neste mês, em um dos mais fortes apertos monetários do mundo, o presidente do BC, Roberto Campos Neto, afirmou que o pico da inflação brasileira deve ocorrer em abril, tocando 11% no acumulado em 12 meses. Ele também reforçou ser provável que a autoridade monetária esteja perto de encerrar seu ciclo de aperto monetário com uma taxa Selic de 12,75% em maio. Mas explicou que essa decisão pode ser repensada, com um ajuste adicional em junho, se a crise provocada pelo conflito na Ucrânia se agravar ou se houver alguma mudança brusca e não prevista no mercado.

A arrecadação do governo federal teve alta real de 5,27% em fevereiro sobre igual mês do ano passado, atingindo patamar recorde de 148,664 bilhões de reais, divulgou a Receita Federal na segunda-feira (28). O resultado de fevereiro, puxado por ganhos do governo com royalties de petróleo em meio à alta nos preços do barril, foi o maior para o mês da série histórica da Receita corrigida pela inflação, iniciada em 1995. Se considerada apenas a receita administrada pela Receita Federal, que engloba a coleta de impostos de competência da União, a arrecadação teve uma alta real de 3,45% no mês. Em contrapartida, as receitas administradas por outros órgãos, que são sensibilizadas sobretudo pelos royalties decorrentes da produção de petróleo, deram um salto de 79,77% acima da inflação.

O número de usinas do centro-sul com início de moagem antecipada da nova safra de cana-de-açúcar em março será pequeno comparado com o total registrado no mesmo mês de 2021, uma vez que o setor tem estoques de açúcar e etanol, e aguardará o desenvolvimento dos canaviais para obter melhores produtividades, afirmou à Reuters o diretor técnico da Unica. Após problemas climáticos em 2021, não houve tempo do desenvolvimento de muitas lavouras que poderiam ser colhidas antecipadamente em março, algo que acontece em alguns anos permitindo uma maior moagem antes mesmo do início oficial da safra em 1º de abril. “Não tem cana pronta para iniciar a safra, provavelmente as empresas estão vendo que a produtividade está baixa, e é muito melhor esperar alguns dias para iniciar a safra do que antecipar a safra com baixa produtividade e com grandes prejuízos”, afirmou Antonio de Padua Rodrigues, responsável por assuntos operacionais na União da Indústria de Cana-de-açúcar (Unica). Mais cedo, ele havia afirmado em nota que “poucas unidades devem iniciar a moagem do ciclo 2022/2023 no mês de março, quando comparado à safra 2021/2022”.

Agenda Econômica

– Brasil: Balanços de Aliansce Sonae, Boa Safra Sementes, Bradespar, Cemig, Copasa, Grupo SBF, Méliuz, Qualicorp e Rede D’Or, após o fechamento do mercado
– FGV: Confiança da indústria em março (8h)
– EUA: Presidente do Fed de NY, John Williams, discursa em série de cultura do Fed de NY (10h)
– Ministério do Trabalho: Divulgação dos dados do Caged de fevereiro (10h30)
– Ministro Onyx Lorenzoni comentará números do Caged em coletiva (11h)
– EUA/Conference Board: índice de confiança do consumidor em março (11h)
– EUA: Relatório Jolts de Emprego de fevereiro (11h)
– EUA: Presidente do Fed da Filadélfia, Patrick Harker, participa de evento no Penn Club de NY (11h30)
– Otavio Damaso participa do IV Fórum de Gestão Pública, em Curitiba (14h30)
– EUA/API: estoques de petróleo da semana até 25/03 (17h30)
– Chile: BC divulga decisão de política monetária (18h)
– EUA: Presidente do Fed de Boston, Raphael Bostic, discursa em evento da Universidade do Sul da Califórnia (22h30)
Ibovespa e dólar no último pregão:

Ibovespa:  

Referência do mercado brasileiro, o ibovespa fechou em baixa de 0,29%, a 118.737 pontos, quebrando uma sequência de oito altas seguidas. Analistas avaliam que o mercado está ensaiando correção após os ganhos da semana passada – o índice já fechou estável na última sessão. Uma queda mais acentuada nos preços do petróleo também impactou negativamente a Bolsa. O barril de petróleo Brent fechou em baixa de 9,15%, a US$ 103,48. As petroleiras brasileiras acompanharam o movimento da commodity: a Petrobras (PETR3, PETR4) recuou 2,63% e 2,17%, enquanto a PetroRio (PRIO3) perdeu 0,79%.

💲 Carteira Mensal💲

Maiores altas do Ibovespa

MRFG3: +4,02% a R$ 20,98
BEEF3: +3,66% a R$ 12,17
ABEV3: +2,93% a R$ 14,74
ASAI4: +2,53% a R$ 16,24
BRFS3: +2,29% a R$ 17,39

Maiores baixas do Ibovespa

LWSA3: -4,57% a R$ 9,60
CPLE3: -3,31% a R$ 7,31
BPAN4: -3,30% a R$ 10,26
EZTC3: -2,85% a R$ 19,40
PETR3: -2,63% a R$ 34,04

Na Toro, traders podem usar a plataforma Profit Pro grátis

Dólar    

O dólar fechou em alta de 0,56%, cotado a R$ 4,7740. A moeda norte-americana, que chegou a subir mais de 1,3%, perdeu força ao longo da sessão, mas refletiu a queda no preço das commodities e as incertezas sobre a retomada econômica chinesa.

Juros

O DI para janeiro de 2023 tinha taxa de 12,730% de 12,755% % no ajuste anterior; o DI para janeiro de 2024 projetava taxa de 12,025%, de 12,080%, o DI para janeiro de 2025 ia a 11,410%, de 11,460% antes.

Ifix   

O índice fechou a sessão em queda de 0,01%, a mínima foi de 2.748 pontos, e a máxima foi de 2.752 pontos. No acumulado para março, o IFIX está positivo em 0,26% ao passo que, no ano, cai 2,25%. A movimentação financeira foi de R$ 219,69 milhões.

Fonte: CNN, CNBC, Infomoney, TC, G1, Agência Brasil e BDM, correio braziliense, estadão, isto é dinheiro.

Deixe um comentário