Méliuz (CASH3): prejuízo líquido de R$ 6,5 milhões no 1T22

LinkedIn

A Méliuz registrou um prejuízo líquido de R$ 6,5 milhões no primeiro trimestre de 2022, depois de um lucro de R$ 3 milhões no mesmo período do ano passado.

A receita líquida atingiu R$ 90 milhões, recorde para um primeiro trimestre, representando alta de 74% na comparação anual, mas queda trimestral de 8%.

A empresa atribui esse recuo ao maior reconhecimento da receita relativa ao período da Black Friday no próprio quarto trimestre.

ebitda – lucro antes de juro, impostos, depreciação e amortização – foi negativo em R$ 17,1 milhões no 1T22, uma melhora de 67% em relação ao 4T21. Já a margem Ebitda ajustado atingiu % nos três primeiros meses do ano, alta de 4 p.p. frente a margem registrada em 1T21.

O volume bruto negociado (GMV, na sigla em inglês) foi de R$ 1,6 bilhão entre janeiro e março deste ano, um crescimento de 66% em relação ao mesmo trimestre do ano passado.

“Esse aumento expressivo do GMV confirma a assertividade da nossa estratégia de reforçar e engajar nossa base de usuários ao longo de 2021, trazendo resultados tangíveis em volume já no começo de 2022”, escreveu a empresa no relatório de administração que acompanha o balanço.

O lucro bruto foi de R$ 6,7 milhões no primeiro trimestre de 2022, uma elevação de 31,3% na mesma etapa de 2021. A margem bruta foi de 30% no 1T22, uma redução de 5 p.p. na comparação com igual etapa de 2021.

As despesas operacionais somaram R$ 108,9 milhões no 1T22, uma redução de 28% em relação ao quarto trimestre de 2021.

A companhia encerrou o trimestre com um total de 23,6 milhões de contas abertas no Méliuz, um crescimento de 44% em relação ao mesmo período do ano anterior, quando alcançou 16,4 milhões.

No final de março de 2022, a companhia atingiu 8,6 milhões de usuários ativos.

O take rate foi de 6,3% no 1T22, um aumento de 0,5 ponto percentual em relação o mesmo período do ano anterior, quando foi registrado 5,7%, crescimento explicado principalmente pelas melhores negociações com os parceiros ao longo do trimestre, explica a empresa no relatório.

“Cada vez mais nos consolidamos para os parceiros como uma ferramenta fundamental de aumento de vendas e tráfego qualificado de clientes”.

Foram 46 milhões de visitas pelo aplicativo do Méliuz, um aumento de 44% em relação ao 1T21. Somando-se aos 19 milhões de visitas pelo site e aos 900 mil do plug-in ativo do navegador, alta de 27% em relação ao 1T21, foram 66 milhões de visitas ao ambiente Méliuz.

Os resultados da Méliuz (BOV:CASH3) referente suas operações do primeiro trimestre de 2022 foram divulgados no dia 10/05/2021.

Teleconferência

Em meio ao debate sobre rentabilidade e crescimento para o Méliuz (CASH3), em teleconferência na manhã desta terça-feira (10), os executivos da companhia afirmaram que, para os próximos trimestres, a companhia passará a focar no aumento da receita por cliente.

Israel Salmen, diretor executivo (CEO, na sigla em inglês) da companhia de cashback, afirmou que a ideia é “pescar dentro do próprio aquário”, agora que a userbase da Méliuz chegou a 23,6 milhões de contas – alta de 44% no ano e número 1,2 milhão maior do que os registrados no fim de dezembro.

A ideia principal é levar os clientes a utilizarem os outros serviços oferecidos pela companhia em sua plataforma, para além do cashback. A empresa oferece já, por exemplo, o serviço de conta digital, a disponibilização de cartões (crédito, débito e pré-pago) e também a compra e venda de criptoativos.

Com isso, o Méliuz espera ainda gastar menos com marketing e despesas comerciais – gastos que já recuaram no primeiro trimestre, destacam os executivos, saindo de 76,9% da receita líquida para 72,6%.

“Esperamos gastar menos nessas frentes, mas sem perder a eficiência”, afirmou Salmen. “Além disso, é prioridade manter o nível de caixa saudável, preservando liquidez”, aumentando a eficiência em marketing e reduzindo o número de contratações”.

Como forma de alavancar a experiência do usuário, o CEO da Méliuz destacou ainda o fim do rollout do novo aplicativo para Android – e o anúncio, em breve, da mesma coisa para o iOS.

“Chegamos ao fim do primeiro trimestre com um app seguro, fluido, fácil de usar e que, ao integrar o universo de shopping ao de serviços financeiros, efetivamente ajuda nossos usuários a realizarem seus desejos na jornada de compras”, afirmou o CEO. “Começamos um novo ciclo em que vamos começar a colher os frutos de tudo aquilo que plantamos ao longo do último ano, aumentando o engajamento dos nossos 23 milhões de usuários com a oferta de novos serviços e uma experiência fluida e inovadora.”

VISÃO DO MERCADO

Bradesco BBI

Se a Méliuz pretende aumentar sua receita por usuário, o Bradesco BBI aponta esse problema, justamente, como um dos maiores desafios da companhia.

“Acreditamos que o mercado deve considerar os resultados marginalmente negativos, uma vez que a rentabilidade ainda está para ser vista nos próximos trimestres, enquanto ainda existem vários desafios de execução a serem superados”, dizem os analistas do banco em relatório que avalia o balanço trimestral.

O outro ponto negativo que o banco destacou também foi mencionado pelos executivos da companhia na teleconferência: os maiores gastos com pessoal, resultado em mais despesas operacionais, que explica parcialmente o lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações (Ebitda, na sigla em inglês) negativo em R$ 17 milhões.

Bradesco BBI tem recomendação de compra com preço-alvo de R$ 3,90

* Com informações da ADVFN, RI das empresas, Valor, Infomoney, Estadão, Reuters

Deixe um comentário