Petrobras fecha 2T do ano com produção média comercial de 2,334 milhões de boe/d

LinkedIn

A Petrobras fechou o segundo trimestre do ano com produção média comercial de 2,334 milhões de barris diários de óleo equivalente (petróleo e gás natural), queda de 6% na comparação com um ano atrás. Em relação ao trimestre anterior, a queda foi de 5,2%, disse a companhia em seu relatório de produção.

O comunicado foi feito pela petroleira (BOV:PETR3) (BOV:PETR4) nesta quinta-feira (21).

Ao todo (incluindo a parcela que não é comercializada), a produção foi de 2,653 milhões de boe/d, queda de 5,1% ante o segundo trimestre de 2021.

A produção brasileira de petróleo foi de 2,114 milhões de barris por dia (bpd), o que representou um recuo de 5% em comparação com o mesmo período do ano anterior. A produção interna de gás natural foi de 502 milhões boe/d, queda de 4,9% na mesma comparação.

No pré-sal, foram extraídos 1,609 milhão de bpd no segundo trimestre de 2022, queda de 0,7% ante o segundo trimestre de 2021.

Em seu relatório trimestral, a Petrobras informou ainda que a produção de derivados subiu 1,7% ante igual período do ano passado, para 1,771 milhão de bpd. O total de vendas de derivados caiu 2,4% na comparação interanual. Já o fator de utilização da capacidade das refinarias ficou em 89% no segundo trimestre do ano.

VISÃO DO MERCADO

Ativa Investimentos

Já a Ativa Investimentos considerou sólido o resultado de vendas e produção reportado, e afirmou que ‘os números dão mostras sobre a capacidade de monetização que deverá registrar no 2T22.’

Apesar da queda na produção, houve aumento do aumento de volumes de vendas e a alta taxa de utilização do parque devem facilitar a diluição de custos, diminuindo o peso da execução de uma política de paridade de importação espaçada durante o trimestre, consideram os analistas da Ativa.

Ainda que os prognósticos apontem para resultados mais fracos em Gás & Energia, nossa impressão é que o relatório de vendas e produção, novamente, abre caminho para a empresa divulgar bons números no próximo dia 28/07″, considera a Ativa.

Os especialistas lembram que, na ocasião, os investidores devem ficar atentos se a companhia anunciará nova distribuição de proventos e qual será a mensagem inicial trazida na primeira apresentação de resultados de Caio Paes de Andrade.

Ativa mantém recomendação de compra com preço-alvo a R$ 41,00…

Citi

Apesar de a produção total da Petrobras de óleo e gás ter recuado 5,1% no segundo trimestre em relação ao primeiro, para 2,653 milhões de barris diários de óleo equivalente (boe/d), o número veio em linha com as estimativas do Citi. A produção comercial registrou perda trimestral de 5,2% e anual de 6%, totalizando 2,334 milhões boe/d.

Os analistas Gabriel Barra, Andrés Cardona e Joaquim Alves Atie destacam que a produção da estatal foi impactada negativamente pelo início do acordo de partilha de produção da Atapu e Sépia, maior número de paradas para manutenção, mas que isso foi parcialmente compensado pelo início da produção na FPSO (Unidade Flutuante de Produção, Armazenamento e Descarga) Guanabara (campo de Mero), e os contínuos ramp-ups dos campos FPSOs Carioca e P-68, nos campos de Berbigão e Sururu.

Ao mesmo tempo, o Citi ressalta que a FPSO Anna Nery saiu do estaleiro na China e está vindo para o Brasil, que faz parte do Projeto de Revitalização de Marlim e Voador (Bacia de Campos), com capacidade para produzir 70 mil bpd.

Além disso, houve a saída da FPSO Almirante Barroso do estaleiro na China com destino ao Brasil, com capacidade para produzir 150 mil barris de petróleo por dia (bpd), reforçando o compromisso da empresa em aumentar sua produção de petróleo, seguindo seu plano estratégico entre 2022 e 2026.

Entre outros destaques do relatório de produção e vendas da Petrobras, o banco pontua que a estatal atingiu uma taxa de utilização de 89% no segundo trimestre, o que representa um aumento trimestral de 2 pontos porcentuais (p.p.) e anual de 14 pontos porcentuais.

O indicador é resultado do aumento das vendas de diesel e GLP, em função dos efeitos da sazonalidade do consumo, parcialmente compensado por menores vendas de gasolina, devido à maior oferta de etanol, e menores vendas de óleo combustível, pois não houve entregas para geração termoelétrica no período.

No ramo de Gás e Energia, a geração de eletricidade diminuiu 68% no trimestre, atingindo média de 562 MW, devido à melhoria das condições hidrológicas, afetando positivamente os níveis dos reservatórios hidrelétricos. Além disso, os analistas ressaltam que houve redução trimestral de 15,2% no volume de vendas de gás natural para termoelétricas.

“Por fim, a entrega de gás doméstico foi impactada principalmente por paradas nas plataformas de produção ocorridas entre maio e junho, enquanto a redução das importações de gás boliviano decorreu de intervenções realizadas na Bolívia e uma redução unilateral nas entregas de gás natural pela YPFB a partir de maio”, aponta o banco.

Citi mantém recomendação de compra para o ADR da Vale, com preço-alvo de US$ 17,40 e potencial de alta de 51,7% ante o fechamento desta quinta-feira, 21.

Itaú BBA 

Os analistas do BBA esperam uma reação neutra à queda na produção de petróleo que já foi divulgada pela ANP. Esperamos uma reação levemente positiva do mercado à alta taxa de utilização das refinarias no trimestre (chegando a 97% ao final de junho), que , combinado com fortes margens de refino, provavelmente impulsionará os resultados de Downstream, diz análise.

A Petrobras publicou ontem seu relatório de produção e vendas do segundo trimestre de 2022. A produção média de óleo, LGN e gás natural foi de 2,65 MMboed (milhões de barris de óleo equivalente por dia), 5,1 por cento abaixo do 1T22 e do 2T21. No consolidado do primeiro semestre, a produção teve queda de 2% em relação a igual período de 2021.

Itaú BBA mantém recomendação de compra com preço-alvo de R$ 43,00…

Informações Broadcast

Deixe um comentário