Oi: justiça decreta fim do processo de recuperação judicial da companhia

LinkedIn

A 7ª Vara Empresarial do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro decretou, o fim do processo de recuperação judicial da operadora de telefonia Oi.

Segundo o Juiz Fernando Viana, a companhia cumpriu com todas as obrigações assumidas no processo. A publicação da decisão, que deverá ser comunicada à Anatel e ao Ministério Público, deverá ser em 20 dias.

“Chega ao fim o mais impactante e relevante processo de recuperação judicial do judiciário brasileiro, e um dos casos mais complexos do mundo jurídico contemporâneo”, afirmou o juiz na decisão.

Pelo lado da Oi (BOV:OIBR3) (BOV:OIBR4), atuaram no processo de recuperação os escritórios Basílio Advogados, Barbosa Müssnich Aragão (BMA) e Rosman, Penalva, Souza Leão, Franco, Vale Advogados.

Criada para ser uma “supertele” nacional, a Oi entrou em recuperação judicial em 2016 após acumular R$ 65 bilhões em dívidas com 55 mil credores. De lá para cá, a tele conseguiu aprovar um plano de recuperação, que mais tarde foi modificado, incluindo mais vendas de ativos, descontos nos pagamentos a credores e prorrogação de prazos.

Esse processo tinha o fim previsto para outubro de 2021, mas recebeu aval dos credores para se estender até maio de 2022 por causa de sua complexidade. Na ocasião, entretanto, o juízo fixou a data de março, que agora acabou também não sendo cumprida.

O processo de recuperação judicial deveria ter sido encerrado no primeiro trimestre deste ano, mas acabou sendo postergado por questionamentos de bancos credores e das rivais Claro, Vivo e TIM por ajustes após a venda da operação da Oi Móvel. Os questionamentos foram negados pela justiça.

Mais recentemente, a Justiça homologou a realização de leilão de um novo grupo de torres da operação fixa, por R$ 1,697 bilhão, à Highline. A venda da Oi TV (base e equipamentos do DTH) foi autorizada por meio de venda direta à Sky, que fez proposta de R$ 786 milhões. Essa venda, contudo, não foi concluída.

A empresa executou um extenso programa de acordo com credores (PAC), para mediação de dívidas de até R$ 50 mil. Segundo o juiz, 85% dos credores se encaixavam nessa categoria. Um segundo programa foi concluído com 7.907 acordos e R$ 61,475 milhões mediados. Isso possibilitou a extinção de “milhares de ações judiciais”. Houve um terceiro programa, para os mais de 68 mil incidentes processuais, dos quais pelo menos 20.790 resultaram em acordos.

“Com o encerramento da recuperação judicial, e composição de seu bilionário endividamento, a gigante de telecom nacional ingressa hoje em sua nova fase, focada em modernos serviços digitais, com perspectiva de ser importante gerador de caixa e de empregos, de relevante atuação social – situação diametralmente oposta quando do ingresso da recuperação, quando a dívida acumulou o vertiginoso patamar de 65 bilhões de reais”, escreveu Viana na decisão.

No que tange às habilitações e impugnações pendentes de julgamento, segundo declarou o juiz, o encerramento da recuperação judicial não denota trazer qualquer prejuízo ao credor que ainda não teve seu processo julgado, na medida em que terão os procedimentos normal tramitação perante este Juízo, independentemente da presente decisão.

“O que não é admissível, sob pena de eternização do processo, é que a recuperação judicial prossiga até que sejam decididas todas as impugnações e habilitações de crédito, cujo volume de distribuição na presente recuperação ultrapassou a casa dos 64.000 procedimentos”, finalizou.

Histórico e desafios à frente

O surgimento da Oi é um dos desdobramentos da política de privatização da Telebrás, em 1998, seguida pela aglutinação das empresas privadas que passaram a deter a concessão da telefonia fixa nos anos seguintes. O movimento foi turbinado por verbas do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) como incentivo à criação de uma supertele nacional.

Essa política, entretanto, se revelou desastrosa após a série de aquisições que levaram passivos bilionários para dentro da Oi, como ocorrido na incorporação da Brasil Telecom e da Portugal Telecom. A tele também sofreu com a perda de receitas pelo uso cada vez menor da telefonia fixa e pela necessidade de investir na formação de redes móveis – que acabaram vendidas este ano para suas rivais TIM, Vivo e Claro, por R$ 16,5 bilhões. Posteriormente, as companhias pediram parte do dinheiro que pagaram de volta à Oi.

Um dos maiores desafios da Oi pela frente é a discussão judicial com a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) para revisão das obrigações de manutenção da telefonia fixa. A empresa também está negociando com credores o rearranjo no pagamento de compromissos relativos a uma dívida bruta remanescente da ordem de R$ 22 bilhões.

O juiz Fernando Viana lembrou que as soluções de mercado para sanar a Oi se estendem além do período da supervisão judicial. “Não é objetivo do processo de recuperação conferir se o devedor irá cumprir todas as obrigações contraídas no plano ou se conseguirá escapar da crise que o acomete”, pondera. “O conceito desta ação é o de viabilizar a negociação transparente e equilibrada entre a devedora e seus credores, objetivo que de forma exitosa fora alcançado neste processo.”

Viana atestou que a Oi cumpriu até aqui todas as obrigações previstas no seu plano de recuperação judicial – o que também foi atestado pelo Ministério Público e pelo administrador judicial do processo, o escritório Wald Advogados.

VISÃO DO MERCADO

BTG Pactual

O BTG Pactual avaliou que o término da recuperação judicial da pode atrair alguns investidores que não vinham considerando a ação por conta de restrições relacionadas ao processo.

“Sair da recuperação judicial é um marco importante para a Oi, mas não necessariamente bom para as operações da empresa e seu fluxo de caixa”, destacou o BTG em relatório assinado por Carlos Sequeira e equipe.

Os analistas lembram que a Oi não estará mais protegida contra a necessidade de fazer depósitos judiciais para processos em andamento e outras demandas que possam surgir de credores.

“Dito isso, as garantias dessas ações não precisam necessariamente ser depositadas em dinheiro, pois a empresa pode colocar alguns de seus imóveis como garantia processual para não prejudicar seu fluxo de caixa”.

O BTG estima uma saída de caixa de R$ 1,7 bilhão em três anos para pagar os depósitos judiciais. “Talvez mais preocupante, os títulos de 2025 da empresa, no valor de US$ 1,6 bilhão, terão que ser refinanciados em condições desafiadoras”.

BTG Pactual tem recomendação neutra com preço-alvo de R$ 0,25.

Informações Estadão Conteúdo

Deixe um comentário

Seu Histórico Recente
BOV
VALE5
Vale PNA
BOV
IBOV
iBovespa
BOV
PETR4
Petrobras
BOV
IGBR3
IGB SA
FX
USDBRL
Dólar EUA ..
Ações já vistas aparecerão nesta caixa, facilitando a volta para cotações pesquisadas anteriormente.

Registre-se agora para criar sua própria lista de ações customizada.

Faça o login em ADVFN
Registrar agora

Ao acessar os serviços da ADVFN você estará de acordo com os Termos e Condições

Support: (11) 4950 5808 | suporte@advfn.com.br

V: D: 20230608 19:41:51