ADVFN Logo ADVFN

Não encontramos resultados para:
Verifique se escreveu corretamente ou tente ampliar sua busca.

Tendências Agora

Rankings

Parece que você não está logado.
Clique no botão abaixo para fazer login e ver seu histórico recente.

Hot Features

Registration Strip Icon for tools Aumente o nível de sua negociação com nossas ferramentas poderosas e insights em tempo real, tudo em um só lugar.

Brasil intensifica exploração de mercados internacionais de dívida com nova emissão de títulos sustentáveis

LinkedIn

O Brasil está se aventurando novamente nos mercados globais de dívida pela segunda vez este ano, alinhando-se a outras nações em desenvolvimento que buscam capital por meio da emissão de nova dívida. Desta vez, o país está oferecendo notas sustentáveis de sete anos com uma taxa inicial em torno de 6,625%.

Os recursos obtidos com a emissão serão destinados ao pagamento de dívidas públicas e ao financiamento de projetos sustentáveis, conforme a estrutura de sustentabilidade nacional. A emissão da nova dívida ocorre em meio a um período de volatilidade nos mercados brasileiros, exacerbado pelas declarações do presidente Luiz Inácio Lula da Silva sobre a ausência de planos para cortes de gastos, o que aumentou as preocupações fiscais.

Apesar dos desafios, o governo tem buscado novas formas de aumentar a receita pública, embora enfrente dificuldades no Congresso. Recentemente, os formuladores de políticas decidiram manter a taxa Selic em 10,5%, em uma tentativa de acalmar os investidores.

Aposta em volatilidade moderada nos mercados globais

O Brasil aproveita um momento de volatilidade moderada nos mercados globais, onde os investidores esperam que a desaceleração da inflação leve a cortes nas taxas de juros pelo Federal Reserve dos EUA.

Rogério Ceron, secretário do Tesouro, afirmou que o plano é emitir títulos, incluindo os ESG, pelo menos duas vezes ao ano. Até agora, os títulos em dólares do Brasil registraram uma perda de 0,7% este ano.

Em janeiro, o Brasil realizou uma oferta recorde de 4,5 bilhões de dólares em títulos, seguida por uma emissão de 2 bilhões de dólares em títulos de sustentabilidade em novembro, parte do esforço para apoiar a agenda ambiental de Lula.

Deixe um comentário