Índice

Criar Discussão

Atualizar

Usuários Filtrados

Usuários Banidos

Meus Alertas

Meu Perfil

Busca

Regras

Petrossauro: Estatal Em Decadência (PETR4)

Vil Metal
  • Dono
  • 1419
  • 16/12/2007

Lucratividade da Petrobras cai 50% desde 2003

6/8/2009
Folha de S. Paulo

Maior empresa da América Latina e terceira empresa mais lucrativa em 2008 entre todas as petrolíferas das Américas, a Petrobras deu cada vez menos menos retorno para seus investidores nos últimos cinco anos, sob o impacto do câmbio e da política de não repassar as grandes variações no preço do petróleo aos combustíveis. Levantamento feito pela consultoria Economática a pedido da Folha mostra que, em 2003, a Petrobras era a empresa do setor mais rentável das Américas para seus investidores, com índice de 45,96% (um ano antes, era 20,6%). Em 2008, caiu para a sexta posição, com índice de retorno de 22,86%. No período analisado, a receita da Petrobras cresceu 177%, de US$ 33,1 bilhões para US$ 92 bilhões. O lucro, porém, avançou de forma menos intensa, de US$ 6,1 bilhões, para US$ 14,1 bilhões.

O indicador de rentabilidade observado, conhecido por investidores e especialistas em finanças como ROE (retorno sobre patrimônio em inglês), é a relação entre o lucro proporcionado por uma empresa em um ano e seu patrimônio líquido médio no período.

É um dos indicadores mais importantes para os investidores porque dá uma medida de quanto o capital investido está trazendo em lucro para quem aplicou na empresa.

Entre 2003 e 2008, a rentabilidade da Exxon saltou de 26,15% para 38,53%, tornando-se líder em rentabilidade no mundo. A Murphy Oil passou a ser a segunda (não aparecia no ranking das dez mais rentáveis em 2003), com 30,7%. Chevron (com evolução de 21,3% para 29,2% na rentabilidade entre 2003 e 2008), Sunoco (de 21,1% para 28,9%) e Occidental Petrol (fora do ranking em 2003; 27,4% ano passado) figuraram, respectivamente, como terceira, quarta e quinta empresas em rentabilidade das Américas. "Apesar da alta no preço do petróleo nos últimos cinco anos, que favoreceu o aumento da receita de todas as empresas de petróleo, a rentabilidade da Petrobras não acompanhou. É reflexo de uma questão gerencial, que é sua política de preços", diz Marco Antônio Saravalle, da corretora Coinvalores.

"O lucro sozinho é um dado absoluto e não diz muito. O ROE é a real medida de quanto valor a empresa cria para seus investidores", diz o professor de finanças do Ibmec-RJ Nelson de Souza. "Ser controlada e gerida pelo governo interfere em sua capacidade de gerar valor. No mínimo porque as exigências feitas a uma empresa privada são maiores."

A Petrobras vende no mercado externo a maior parte do petróleo que produz porque seu parque de refino não é adaptado para o óleo pesado que predomina na Bacia de Campos. E compra óleo leve, de fora, para refinar no país. O óleo leve é mais caro.

A Petrobras mantém uma política, determinada pelo governo, seu controlador, de não repassar aos combustíveis as variações do preço do petróleo.

Entre 2003 e 2008, o número de funcionários na empresa e em suas subsidiárias cresceu 52%, de 48 mil para 74 mil pessoas. No período, os investimentos avançaram 383%, de US$ 6 bilhões para US$ 29 bilhões.

PAC - Os investimentos da empresa representam a base do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), maior programa de obras do governo Lula. Do caixa da Petrobras sairão quase 30% dos recursos previstos inicialmente nos projetos do programa entre 2007 e 2010.

Entre 2005 e meados de 2008, período em que a cotação do barril de petróleo explodiu, a empresa absorveu em seu caixa o custo de não reajustar o preço da gasolina. Essa política de preços, se prejudicou o resultado da Petrobras, ajudou no combate à inflação.

No segundo semestre de 2008 e início de 2009, a situação foi oposta: a empresa não reduziu o preço da gasolina, apesar da queda do petróleo. "Isso ajudou a recompor parte das perdas, mas não o suficiente para recuperar as perdas passadas", afirma Lucas Brendler, analista do Banco Geração Futuro. Segundo Brendler, outro fator negativo foi a questão cambial. "Como empresa exportadora, a Petrobras sofreu o impacto da alta do câmbio nos últimos anos, o que afetou sua capacidade de gerar receita".

O analista lembra, ainda, que nos últimos seis anos a Petrobras foi obrigada a investir em ativos no exterior, como resposta ao crescimento da concorrência no mercado brasileiro, depois do fim do monopólio. Esses ativos também trouxeram impacto negativo ao balanço da empresa, com a queda do dólar.

 



  • 06 Ago 2009, 14:15
  • Tweet
Ativos Discutidos
IBOV 84,220 0.4%
PETR4 25.92 0.9%
PETR3 28.94 1.0%
Seu Histórico Recente
BOV
VALE5
Vale PNA
BOV
IBOV
iBovespa
BOV
PETR4
Petrobras
BOV
IGBR3
IGB SA
FX
USDBRL
Dólar EUA ..
Ações já vistas aparecerão nesta caixa, facilitando a volta para cotações pesquisadas anteriormente.

Registre-se agora para criar sua própria lista de ações customizada.

Ao acessar os serviços da ADVFN você estará de acordo com os Termos e Condições

P:40 V: D:20181020 14:32:27