Amazon chegou a um acordo com influenciadores de mídia social que vendiam falsificações no Instagram e no TikTok

LinkedIn

A Amazon (NASDAQ:AMZN) chegou a um acordo com dois influenciadores depois de processá-los e vários vendedores em novembro passado por supostamente vender produtos de luxo falsificados no Instagram e no TikTok, anunciou a empresa na quinta-feira (30).

A Amazon se recusou a divulgar os termos financeiros do acordo. Como parte do acordo, os influenciadores, Kelly Fitzpatrick e Sabrina Kelly-Krejci, serão impedidos de fazer marketing, anunciar, criar links, promover ou vender qualquer produto na Amazon.

Além disso, a Amazon (BOV:AMZO34) doará os recursos do acordo para instituições de caridade, incluindo uma campanha de conscientização do consumidor supervisionada pela Associação Internacional de Marcas, da qual a Amazon é membro corporativo.

As falsificações são um problema antigo no mercado de terceiros da Amazon. O mercado, lançado em 2000, é composto por milhões de vendedores terceirizados e agora responde por mais da metade das vendas gerais de comércio eletrônico da Amazon. Embora continue sendo um componente crítico dos negócios da Amazon, falsificações, produtos não seguros e até mercadorias vencidas se tornaram um problema notório e atraíram o escrutínio de legisladores e reguladores.

A Amazon intensificou seus esforços para conter as falsificações. A empresa perseguiu falsificadores no tribunal, lançou vários programas para identificar vendas de produtos falsificados e implantou a Unidade de Crimes Falsificados, formada por ex-promotores federais, investigadores e analistas de dados, para explorar o site em busca de atividades fraudulentas.

Como o caso de Fitzpatrick e Kelly-Krejci ilustrou, detectar falsificações pode ser mais desafiador quando a atividade ocorre dentro e fora da Amazon.

No processo, a Amazon alegou que os influenciadores usaram suas contas do Instagram, Facebook e TikTok, juntamente com seus sites pessoais, para promover produtos falsificados, que incluíam bolsas falsificadas, cintos e carteiras falsamente marcadas como itens de luxo de empresas como a Gucci e Dior.

Os influenciadores, então, supostamente forneceram links para listagens da Amazon, administradas por quase uma dúzia de vendedores terceirizados no esquema, que apresentavam um item genérico não infrator. Após o comprador fazer um pedido do item genérico, ele receberá em troca um produto falsificado de luxo.

Os influenciadores postariam fotos lado a lado do produto genérico e não infrator e do produto falsificado em suas histórias no Instagram.

Os sites pessoais de Fitzpatrick e Kelly-Krejci, “Budget Style Files” e “Stylee and Grace”, respectivamente, foram fechados desde então. Tanto Fitzpatrick quanto Kelly-Krejci pediram desculpas por suas ações, disse a Amazon.

“Gostaria de alertar outras pessoas envolvidas em conduta semelhante nas redes sociais que haverá sérias consequências para suas ações”, disse Fitzpatrick em um comunicado.

A Amazon ainda não deu entrada em uma ação judicial aos vendedores porque eles “enganaram ativamente a Amazon quanto às suas localizações ao registrar suas contas de vendas da Amazon”, de acordo com um processo judicial de agosto.

O processo nomeia 11 indivíduos e empresas com sede nos Estados Unidos e na China que supostamente listaram os produtos falsificados na Amazon. A Amazon agora acredita que “todos ou quase todos os vendedores réus estão localizados na China”, afirma o processo.

Deixe um comentário