A Helbor (BOV:HBOR3) registrou valor geral de vendas (VGV) de R$ 215,7 milhões no terceiro trimestre deste ano, o que representa queda de 53,1% na comparação anual. Os lançamentos somaram R$ 137,2 milhões no período, queda de 48,2%. Já as vendas contratadas avançaram 36,2% em relação ao terceiro trimestre de 2019, para R$ 465,9 milhões.

A participação da Helbor nas vendas somou R$ 308,8 milhões. As vendas de lançamentos totalizaram R$ 119,7 milhões, sendo R$ 76,2 milhões parte Helbor. Os distratos somaram R$ 33,7 milhões no período, queda de 68,2%.

Helbor (HBOR3) lançou no fim de setembro o seu segundo empreendimento do ano. Localizado em São Paulo, o Helbor Supreme Pinheiros comporta studios, apartamentos e apartamentos garden.

Segundo a construtora, o lançamento “dá continuidade à retomada dos projetos que já estavam prontos e que estrategicamente não haviam sido lançados no início do ano”.

Com 70% das unidades vendidas, o empreendimento tem um VGV (Valor Geral de Vendas) total de R$ 77 milhões. A entrega do projeto está prevista para 2023.

O primeiro projeto lançado em 2020 foi o Helbor Window Moema, também localizado em São Paulo. Seu VGV é de R$ 138 milhões.

Helbor (HBOR3) 2T20: Prejuízo líquido de R$ 20,3 milhões

No 2T20, o resultado líquido do controlador da Helbor ficou negativo em R$ 20,3 milhões, com margem líquida negativa de 11%. Essa queda é reflexo dos efeitos da pandemia que afetaram as vendas no período. Já no acumulado do ano, o resultado líquido totalizou o valor negativo de R$14,9 milhões uma melhora de 74% se comparado ao mesmo período do ano anterior. A Helbor não fez lançamentos no 2T20.

A construtora pretende divulgar os resultados do 3T20 no dia 13 de novembro.