Conselho de Administração da Whirlpool aprovou o pagamento de dividendos intercalares, no montante bruto total de R$ 380 milhões, sendo R$ 252,1 milhões ações ordinárias (BOV:WHRL3) e R$ 127,8 milhões para ações preferenciais (BOV:WHRL4). Os valores equivalem a R$ 0,2451 e R$ 0,2696 por ação, respectivamente.

O comunicado foi feito pela empresa nesta quinta-feira (03). O valor será computado nos dividendos mínimos obrigatórios referentes a 2020.

De acordo com a companhia, cerca de R$ 27,3 milhões são oriundos da conta de reserva de lucros de exercícios anteriores e R$ 352,6 milhões ao terceiro trimestre deste ano.

O montante será pago em 17 de dezembro de 2020 para acionistas posicionados em 8 de dezembro e, a partir do dia 9 de dezembro, os papéis serão negociados sem direito aos proventos.

De janeiro a setembro, as vendas líquidas da Whirlpool somaram R$ 6,2 bilhões, uma alta de 16,6% sobre o ano anterior, com lucro líquido de R$ 443 milhões, versus lucro de R$ 1,6 bilhão um ano antes. Considerando apenas as operações continuadas (sem incluir a venda da Embraco), o lucro líquido caiu 26%.

PDV foi comunicado en julho

A Whirlpool, dona das marcas Brastemp e Consul, abriu um programa de demissão voluntária (PDV) e também fez cortes em sua estrutura, segundo informação que consta nas notas explicativas do seu balanço do terceiro trimestre.

Sindicatos de metalúrgicos de Manaus (AM) e Rio Claro (SP), onde a empresa tem fábricas, dizem que foram informados sobre a decisão em agosto, e buscaram reverter a medida. A intenção da companhia era que a redução atingisse também cargos de chefia, diz Maurício Mendonça, representante do Sindicato dos Metalúrgicos de Limeira, Rio Claro e Região. “É algo contraditório considerando que eles têm vendido muito no on-line neste ano”, diz ele.

O custo estimado e provisionado com o PDV e as demissões de pessoal alcançou R$ 44,5 milhões de julho a setembro e foi registrado na rubrica “outros passivos” do balanço. Deste total, R$ 26 milhões a empresa já havia gasto em custos de desligamento de empregados no terceiro trimestre. De janeiro a setembro deste ano, a empresa gastou com pessoal R$ 740 milhões, quase o mesmo valor de um ano antes (R$ 747 milhões).