Já faz quase um ano desde que o Brasil registrou o primeiro caso de coronavírus. Lá fora, ao contrário, a epidemia já havia se instaurado e tomado conta. O cenário depois disso nós já conhecemos, ou pior, vivenciamos: pelo menos na Bolsa, o alerta da doença já deixou os investidores mais ansiosos, observando como reagiam as Stock Exchange e empresas internacionais para saber o grau de um possível impacto por aqui também.

O panorama era o pior possível: lockdowns, quarentena, desemprego, busca por pacotes de estímulos econômicos para amenizar os reflexos da pandemia e quebra, muita quebra de empresa e derretimento de valor de mercado das companhias. Não tardou chegar tudo isso por aqui. O ano mais desafiante dos últimos tempos devastou companhias, mas uma delas, e que apesar de tudo ainda é extremamente exposta ao cenário internacional, mostrou uma performance diferenciada.

Ela alcançou em 2020 a marca dos R$ 100 bilhões em valor de mercado – mais precisamente R$ 101,2 bilhões. Com isso, a empresa entra para um seleto e rico grupo, onde figuram as valiosas Vale (BOV:VALE3), Petrobras (BOV:PETR3) e (BOV:PETR4), Itaú Unibanco (BOV:ITUB3) e (BOV:ITUB4), Ambev (BOV:ABEV3), Bradesco (BOV:BBDC3) e (BOV:BBDC4), Weg (BOV:WEGE3), Magazine Luiza (BOV:MGLU3), Santander (BOV:SANB3) e (BOV:SANB4), Rede D´Or (BOV:RDOR3), B3 (BOV:B3SA3), BTG Pactual (BOV:BPAC3) e (BOV:BPAC5). Para completar o grupo, você sabe de quem estamos falando?

Aí vão algumas dicas. É uma empresa que faz mais parte do seu dia a dia do que você imagina, desde fabricando itens de higiene para seu filho pequeno, aquele grandinho que já estuda, passando pela embalagem de vários produtos que você recebe via compras e-commerce, até mesmo quando você recebe aquele chamado da natureza para usar o banheiro e precisa de um item essencial. Ela está lá, ao seu lado.

Também é uma companhia que vende demais para a China, mais de 50% de sua produção é exportada para o país, além de diversos outros. Portanto, é muito impactada por tudo o que acontece lá fora, pelos preços internacionais praticados, mas também recebe reflexo direto do cenário doméstico. No resultado do balanço do quarto trimestre, ela teve alta de mais de 400% no seu lucro líquido, porém, no acumulado dos 12 meses, amargou prejuízo de R$ 10,7 bilhões.

Estamos falando da… Suzano (BOV:SUZB3). Segundo pesquisa da Economatica, a empresa de celulose e papel se tornou a 12º a compor o ranking das companhias com valor de mercado acima de R$ 100 bilhões. Veja como fica a tabela:

CapturarNão bastasse entrar para esse valioso grupo, a Suzano também teve a ação mais valorizada neste comecinho de 2021. Conforme levantamento da Ecnonomatica, até 19 de fevereiro de 2021 o papel SUZB3 havia subido 28,1%. No acumulado dos últimos 12 meses, entretanto, perde apenas para a Vale (VALE3), que teve alta de 92,87% nas ações, enquanto SUZB3 subiu 86,78% no período. Já na contramão dos bons ventos está ITUB4, que caiu mais de 15%.

Para isso ficar mais fácil visualmente, e podermos conferir ainda o volume financeiro médio diário transacionado com as ações das 12 empresas desse ranking, a Economatica preparou uma tabela esclarecedora, acompanhe:

CapturarRede D’Or não possui volume médio negociado em 2020 porque realizou IPO no fim de 2020, em dezembro. Já para 2021, julgando apenas esses menos de dois meses de negociações na Bolsa, Vale é a companhia com maior volume diário, superando os R$ 3 bilhões. Vêm na sequência, é claro, a Petrobras, e bancos.

Para essas empresas, pode até ser normal estar dentro de um grupo que esbanja números grandiosos, porém, para a Suzano, foi sua estreia atingindo a marca dos R$ 100 bilhões em valor de mercado. Agora, cabe a ela se manter no grupo ou acabar saindo, como já aconteceu com diversas outras que também compuseram o ranking, mas perderam valor de mercado no decorrer do tempo. Duas delas são o Banco do Brasil (BOV:BBAS3) e a Itaúsa (BOV:ITSA3) e (BOV:ITSA4), como mostra o quadro a seguir da Economatica, que revela quantos meses, desde 2004, as empresas marcaram os R$ 100 bilhões – clique sobre a imagem para vê-la no tamanho adequado.

Capturar

Gostou de conhecer esses dados e já sabia que a nova empresa dos 100 bilhões era a Suzano? Comenta aqui embaixo e aproveite para compartilhar o conteúdo com seus amigos, vai que eles ainda não saibam disso nem das outras informações relevantes que este artigo apresenta. Aproveitem e ótimo$$ investimento$$!