A produtora T4F (BOV:SHOW3) informou nesta quarta-feira (31) – via redes sociais – o fechamento do UnimedHall, antigo Citibank Hall e Credicard Hall, uma das principais casas de shows no Brasil.

Localizada no bairro de Santo Amaro, na Avenida das Nações Unidas, o UnimedHall foi inaugurado em setembro de 1999 e palco para alguns dos maiores artistas do Brasil e do mundo durante duas décadas.

Segundo o comunicado da empresa em suas redes sociais, foram 23 anos de existência, mais de 3.500 apresentações de diferentes gêneros e 12 milhões de pessoas que passaram pelo local.

O primeiro show realizado na casa (na época inaugurada como Credicard Hall) foi de João Gilberto em um evento somente para convidados. A apresentação ganhou repercussão na mídia após o cantor passar a maior parte do tempo reclamando da acústica, dizendo que nunca mais se apresentaria ali e sendo vaiado pelo público.

A primeira atração internacional foi o Red Hot Chili Peppers, em 8 de outubro de 1999, que tocou no local com a turnê do álbum de sucesso Californication (1999).

Depois, se apresentaram Ringo Starr, Alanis Morissette, Motörhead, BTS, Simply Red, Eddie Vedder, Backstreet Boys, Blur, Hanson, Mark Knopfler, Korn, Dio, Buddy Guy, A-ha, Judas Priest, Silverchair, Placebo, Oasis, Scorpions, Jonas Brothers, Deep Purple, Chris Cornell, Kylie Minogue, B-52’s, The Cranberries, Motley Crue, Avril Lavigne e muitos outros.

A empresa não informou maiores detalhes sobre os motivos que levaram a decisão do fechamento e apenas encerrou o comunicado dizendo que “seguiremos rumo “à construção de novos sonhos, de novos capítulos. O entretenimento ao vivo vai voltar, e nós estaremos lá”.

Covid

Os setores que mais tiveram baixas com as medidas de restrição de circulação foram os de turismo e entretenimento. Festivais e shows foram cancelados para evitar aglomerações e, assim, evitar a disseminação da covid-19.

Segundo estimativas da Associação Brasileira de Promotores de Eventos (Abrape), a paralisação no ano de 2020 causou um prejuízo de R$ 90 bilhões para o setor de eventos de cultura e entretenimento. Além disso, foram perdidos mais de 335.435 empregos formais.

Por conta disso, o Senado aprovou, no dia 30 de março, um projeto de lei que cria o Programa Emergencial de Retomada do Setor de Eventos (Perse). De acordo com a proposta, a iniciativa prevê o parcelamento de débitos de empresas do setor de eventos com o Fisco Federal.

Segundo a própria T4F, o ano de 2020 foi o mais desafiador da história da T4F. O número de eventos realizados pela empresa caiu em 100% comparado com o mesmo período de 2019. Com isso, as receitas do grupo reduziram drasticamente, alcançando os R$ 2,1 milhões no quarto trimestre do ano passado, queda de 98% em relação ao 4T19.

Além de encerrar as operações do contrato de aluguel do UnimedHall, a T4F devolveu também suas casas de shows em Belo Horizonte e no Rio de Janeiro.

VISÃO DO MERCADO

Atualmente, as ações da T4F (SHOW3) vêm registrando queda de 12,85% no acumulado de 2021, cotadas a R$ 3,46.

De acordo com Guilherme Ebaid, analista da Empiricus, é um cenário difícil para a companhia. “As casas de shows ajudavam bastante para fazer eventos menores”, diz.

Na opinião de Ebaid, com a diminuição dos custos operacionais, a companhia consegue navegar melhor na crise. “Apesar de não gerar tanta receita”, diz.

Basicamente, existem dois tipos de eventos: os grandes, que normalmente são feitos em estádio, com capacidade para 40 a 50 mil pessoas, e os eventos menores, para até 8 mil pessoas, que eram feitos nas casas como o UnimedHall. “A companhia tem uma situação de dívida sobre o patrimônio líquido, no qual ainda tem caixa para queimar, por isso, ainda não é uma situação tão desesperadora. O caixa ainda supera suas dívidas”, diz Mario Goulart, analista CNPI da O2 Research.

Vale lembrar que, além de fechar as casas de show, a companhia demitiu mais de 50% dos funcionários para diminuir os custos operacionais.

Para Henrique Esteter, analista da Guide Investimentos, com o impacto da pandemia no segmento e, consequentemente, nas ações das companhias, a atenção se volta para as expectativas de retomada. “Podemos ver sim uma performance mais sólida desse setor e uma recuperação em termos operacionais, mas tudo depende do andar da carruagem das vacinações no país”, diz.

Futuro

Para que a companhia volte a montar eventos, é preciso que a situação da pandemia esteja resolvida e controlada. Vale lembrar que, em 2020, a T4F, por conta das medidas de restrição, fez apenas 11 shows, contra 555 em 2019.

Uma das apostas para a T4F está no rejuvenescimento de seu portfólio de eventos, mirando em segmentos  como música eletrônica, mundo “geek” e os e-sports.

“Talvez a companhia consiga se reinventar com os e-sports com a questão de torneios de videogame, nos quais podem cobrar pelos ingressos. A T4F terá que passar por uma reinvenção muito forte. Na minha opinião, o mercado aposta nisso”, diz Goulart.

Além destes desafios, a companhia ainda terá que lidar com sua maior rival, a Live Nation, (L1YV34) que possui uma capitalização de mercado de mais de U$$ 18 bilhões frente os R$ 234 milhões da T4F.

“Quando voltarmos a ter shows, há possibilidade de retornar com uma competição extrema, porque todo mundo vai querer fazer show, considerando que as pessoas queiram frequentar. Com isso, a disputa entre players aumentará”, diz Ebaid.

Como a Live Nation está localizada nos EUA, Ebaid conta que a empresa tem algumas vantagens frente ao seu par nacional. Uma delas seria o acesso aos grandes artistas internacionais. “Com isso, pode fechar bons contratos, ou mesmo acordos de exclusividade, fechando as portas para a T4F, que tem que procurar outros caminhos ou outros artistas para trazer”, diz.

Por fim, a empresa americana tem uma outra vantagem na opinião de Ebaid, por estar localizada em um país no qual a crise da covid-19 está mais controlada. “Pode ter a chance de retomar seus shows e eventos antes da T4F”, conclui.

Prejuízo líquido de R$ 56,7 milhões em 2020, crescimento de 52,4%

A Time For Fun registrou prejuízo líquido de R$ 109,4 milhões em 2020, crescimento de 52,4% em relação ao ano de 2019.

A produtora de eventos T4F registrou prejuízo líquido de R$ 56,7 milhões no quarto trimestre do ano passado, o que representa alta de 838,2% ante o prejuízo de R$ 6 milhões registrado no mesmo período de 2019. No acumulado do ano o prejuízo cresceu 52,4%, para R$ 109,4 milhões.

(Fonte einvestidor, Rolling Stones)

TIME FOR FUN ON (BOV:SHOW3)
Gráfico Histórico do Ativo
De Dez 2021 até Jan 2022 Click aqui para mais gráficos TIME FOR FUN ON.
TIME FOR FUN ON (BOV:SHOW3)
Gráfico Histórico do Ativo
De Jan 2021 até Jan 2022 Click aqui para mais gráficos TIME FOR FUN ON.