A Duratex (BOV:DTEX3) completou 70 anos no último dia 31 de março com uma história de grandes conquistas pautadas na constante evolução de seus processos de gestão, em uma cultura organizacional robusta, no crescimento por meio de investimentos em novos negócios e constante aprimoramento industrial, com foco no desenvolvimento sustentável do negócio. A companhia atua por meio de suas marcas Deca, Hydra, Ceusa, Durafloor, Duratex e Portinari e chega aos 70 anos com mais de 13 mil colaboradores, distribuídos por suas unidades no Brasil e na Colômbia.

Reconhecida por sua solidez financeira, a Duratex encerrou o ano de 2020 com receita líquida de R$ 5.879,6 milhões, 17,3% acima do mesmo período de 2019, resultado mais significativo na história da companhia. Mesmo diante de um cenário bastante desafiador em meio à pandemia do novo coronavírus, o desempenho positivo obtido pela companhia é fruto de uma grande agenda interna, que ganhou mais força ao longo dos últimos 5 anos, e do contínuo aquecimento da demanda e da rápida adequação às externalidades ao longo de 2020. O ganho de market share em todas as divisões de negócio, bem como os reajustes de preços e melhorias operacionais, impulsionaram as margens da companhia.

Ao longo de sua história, o compromisso com a responsabilidade ética e a promoção do desenvolvimento sustentável também permitiram à Duratex, por 13 anos consecutivos, integrar a carteira do ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial) na BM&FBovespa, importante ferramenta de análise da performance das empresas listadas na B3 sob o aspecto da sustentabilidade corporativa, baseada nos pilares de eficiência econômica, equilíbrio ambiental, justiça social e governança. Além de fazer parte de um seleto grupo denominado Novo Mercado, composto por empresas com o mais elevado padrão de governança corporativa do Brasil.

“Nossa trajetória é marcada por uma forte veia empreendedora, o que nos fez trilhar um caminho de crescimento sustentável ancorado no propósito de desenvolver soluções para melhor viver. Aqui na Duratex, acreditamos que os bons resultados são fruto de um trabalho coletivo e nossa principal força são os nossos colaboradores. Essa sinergia e valorização das pessoas, aliadas à solidez financeira alcançada graças a uma estratégia com foco no longo prazo, nos dão inúmeros motivos para celebrar o marco dos 70 anos da companhia”, afirma Antonio Joaquim de Oliveira, presidente da Duratex.

A história da companhia começa em 1951 já como empresa de capital aberto e como uma das primeiras indústrias de materiais base criadas no país. Os empresários Eudoro Villela e Nivaldo Coimbra de Ulhoa Cintra, com auxílio do banqueiro Alfredo Egydio de Souza Aranha, enxergam a possibilidade de manufaturar, em território nacional, chapas de fibra de madeira, produtos até então importados da Suécia. Em pouco tempo, a Duratex já atendia ao mercado nacional e iniciava sua atuação estrangeira, exportando o primeiro lote de chapas de fibra de madeira para os Estados Unidos. Os anos seguintes foram de expansão, ampliação de capacidade produtiva e diversificação dos negócios, estratégia que norteia a caminhada da empresa até os dias atuais.

Desde 2013, Antonio Joaquim de Oliveira responde como CEO da Duratex. O executivo é um dos principais responsáveis por liderar um novo ciclo de planejamento, ambicionando crescimento e transformação, com metas e estratégia de atuação estabelecidas até 2025.

O plano estratégico é constituído por três eixos principais: Negócios Atuais, Novos Negócios e Inovação & Transformação Digital. No primeiro, a intenção da companhia consiste em consolidar seus resultados, com a meta de, até 2022, elevar a receita líquida em R$1bi.

Quanto aos Novos Negócios, a companhia definiu como objetivo o desenho de um plano de crescimento inorgânico. O processo é pautado pela expansão da atuação da Duratex para novos segmentos sempre respeitando a aderência ao propósito da companhia de oferecer soluções para melhor viver. Para estimular a inovação e a transformação digital, a empresa prevê a execução do plano de ação definido ainda em 2020. A estratégia tem foco na experiência dos clientes, contando com projetos que tragam flexibilidade, agilidade e simplificação, levando a uma maior fidelização.

Como parte também da estratégia de inovação e transformação digital, a companhia aposta na aproximação do ecossistema empreendedor, trazendo startups que tenham sinergia para participar do processo de transformação. Por fim, a Duratex também tem foco na modernização de suas plantas, empenhando mais competitividade, segurança e flexibilidade à operação industrial. Um exemplo é a fábrica de revestimentos cerâmicos de Urussanga-SC, a primeira fábrica integralmente inserida no conceito 4.0 do país.

“Esse espírito de crescimento contínuo, de ética e de valorização profissional fazem com que a Duratex seja uma grande referência no Brasil e no mundo por todo legado que está deixando e que ainda está em construção. Tenho certeza de que essa continuará sendo uma história de muito sucesso”, finaliza Antonio Joaquim.

A Duratex pretende divulgar os resultados do 1T21 no dia 29 de abril.

Lucro líquido de R$ 453,9 milhões em 2020, registrando recordes no 4T20

Duratex, dona de marcas como Deca, Hidra, Durafloor, entre outros, apresentou lucro líquido de R$ 453,9 milhões no ano de 2020, aumento de 11,9% na comparação com 2019. No 4T20, a empresa divulgou lucro líquido recorde de R$ 301,6 milhões, registrando recordes também de receita líquida, geração de caixa operacional e Ebtida.

A receita líquida consolidada em 2020 teve expansão de 17,3%, para R$ 5,88 bilhões. A margem bruta aumentou de 25,8% para 31,5%. O Ebtida caiu 4,9%, para R$ 1,29 bilhão. A Duratex informou Ebitda ajustado e recorrente de R$ 1,29 bilhão, com alta de 41,7%.

A Duratex encerrou 2020 com alavancagem de 1,15 vez, medida por dívida líquida sobre Ebtida dos últimos 12 meses. Segundo Antonio Joaquim de Oliveira, presidente da Duratex, o patamar ideal seria de 2,5 vezes a 3 vezes.