A Embraer divulgou informações técnicas para auxiliar clientes que queiram adaptar seus jatos executivos para o transporte de vacinas contra a covid-19. Com a pandemia, operadoras consideram a possibilidade de usar aeronaves da empresa para esse fim.
O comunicado foi feito pela companhia (BOV:EMBR3) nesta quinta-feira (08).
Mais de 1.400 jatos da fabricante estão em operação em mais de 70 países. A Embraer realizou testes e simulações para definir adequadamente as característica e requisitos de carga em relação às especificações técnicas para o transporte das vacinas, considerando as diferenças entre cada aeronave.
Os documentos contêm orientações para os modelos Phenom 100 e Phenom 100EV, Phenom 300 e Phenom 300E, Legacy 450 e Legacy 500, Praetor 500 e Praetor 600, Legacy 600, Legacy 650 e Legacy 650E, e Lineage 1000 e Lineage 1000E.
A Embraer pretende divulgar os resultados do 1T21 no dia 29 de abril.

Prejuízo de R$ 2,3 bilhões em 2020 com impacto da pandemia no setor aéreo

No consolidado do ano, o prejuízo mostra o impacto da covid-19 no setor aéreo. A Embraer registrou uma perda de R$ 2,3 bilhões, ante uma de R$ 862,7 milhões em 2019.

⇒ Confira a agenda completa da divulgação dos resultados do 4T20 e referente ao ano de 2020. Confira a cobertura completa de todos os balanços referente ao ano de 2020 das empresas negociadas na B3.

Em 2020, o Ebtida foi de R$ 437,6 milhões, caindo na comparação com os os R$ 725,6 milhões de 2019.

A dívida líquida da Embraer fecha 2020 em R$ 8,8 bilhões, crescendo consideravelmente na comparação com os R$ 2,4 bilhões do fim de 2019, mas caindo na base trimestral. Sua alavancagem, medida pela relação da dívida líquida com o Ebitda (DL/Ebitda) se encontra em 130,5 vezes, ante 31,7 vezes no final de 2019.