A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou aumento médio de 1,28% nas tarifas da Cemig (BOV:CMIG3) (BOV:CMIG4), distribuidora que atende consumidores em Minas Gerais. Para os consumidores conectados a alta tensão, o efeito médio será de 2,14%, já para os de baixa tensão, o impacto médio será de 0,89%. Os valores passam a valer a partir da próxima sexta-feira, 28.

O relator da proposta, diretor Efrain da Cruz, ressaltou que, devido a medidas aplicadas pelo órgão regulador, como a utilização de créditos tributários de PIS/Cofins cobrados indevidamente nos últimos anos, não haverá reajustes nas contas de luz dos 7,2 milhões consumidores residenciais atendidos pela empresa.

De acordo com a área técnica, foi considerado R$ 1,573 bilhão em créditos tributários, com impacto de -9,67% no reajuste. “Será a maior devolução de um tributo cobrado indevidamente na conta de luz da história do setor elétrico”, disse o relator ao explicar que a medida foi acordada com parlamentares e com a diretoria da empresa. Ele ressaltou que, no ano passado, a empresa foi a primeira a ter os créditos usados para conter as altas nas tarifas.

Assim como em 2020, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), defendeu a utilização dos créditos para amortecer as tarifas por meio de sustentação oral na reunião.

Mais cedo, pelo Twitter, o parlamentar afirmou que tinha feito o pleito aos diretores da agência reguladora em reunião nessa segunda, 24, para evitar um reajuste de 10,56%.

“Como senador, defendendo os consumidores de energia elétrica, especialmente aquelas pessoas mais carentes, os consumidores residenciais, que vivem um momento muito singular de dificuldade em razão da pandemia, que possam se valer desses créditos”, disse Pacheco, em vídeo enviado à agência, ao defender que os recursos pertencem aos consumidores e não a empresa.

Outras ações aprovadas pela agência reguladora e Congresso Nacional nos últimos meses também contribuíram para conter as tarifas e para que os efeitos aos consumidores da Cemig não fossem maiores. A reversão de valores transferidos à distribuidora por conta da pandemia da covid-19, conhecido como conta-Covid, resultou em impacto de -8,78%. Já o adiamento de pagamentos devidos às transmissoras teve efeito de -1,75%.

VISÃO DO MERCADO 

Eleven Financial 

Apesar do baixo reajuste nas tarifas não haverá perda econômica para a empresa pois o repasse da inflação e dos custos mais elevados de compra de energia foram compensados pela devolução do crédito de tributos nas tarifas.

Lucro líquido de R$ 422 milhões no 1T21, revertendo prejuízo

Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) registrou lucro líquido de R$ 422 milhões no primeiro trimestre, revertendo o prejuízo de R$ 68,7 milhões apurado no mesmo intervalo do ano passado, impulsionada pelo aumento das receitas no primeiro trimestre de 2021 e pelo reconhecimento, em 2020, da redução ao valor recuperável de ativos mantidos para venda no valor líquido de tributos de R$ 402 milhões.

ebtida – lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização – cresceu 133,25%, para R$ 1,8 bilhão, no mesmo intervalo de comparação. A margem do indicador passou de 13,09%, no primeiro trimestre de 2020, para 25,97% este ano.

Já o Ebitda ajustado pela exclusão dos itens não recorrentes aumentou 22,92% entre janeiro e março, para R$ 1,65 bilhões, enquanto a margem do indicador subiu de 22,32% para 23,33%.

Informações Broadcast

CEMIG PN (BOV:CMIG4)
Gráfico Histórico do Ativo
De Ago 2021 até Set 2021 Click aqui para mais gráficos CEMIG PN.
CEMIG PN (BOV:CMIG4)
Gráfico Histórico do Ativo
De Set 2020 até Set 2021 Click aqui para mais gráficos CEMIG PN.