A Agência Nacional de Mineração (ANM) decidiu manter a barragem Xingu, da Vale (BOV:VALE3), localizada na mina Alegria, em Mariana (MG), em nível de 2 de emergência, a mesma situação da estrutura desde o ano passado. Técnicos da ANM fiscalizaram a barragem após pedido da Promotoria de Justiça de Defesa do Meio Ambiente de Mariana, para verificar se existe risco de rompimento.

“Fizemos vistoria em campo e uma reunião interna com a empresa, que apresentou toda a documentação da barragem. Verificamos que o status da barragem hoje não teve modificação em relação ao ano passado. Estivemos aqui em setembro do ano passado. Portanto, não há mudança nos parâmetros da barragem”, disse Claudinei Cruz, chefe da divisão da segurança de barragem de mineração da ANM Minas Gerais.

Barragens são classificadas no nível 2 quando uma anomalia detectada é classificada como “não controlada” ou “não extinta”, necessitando de novas inspeções. O risco de “ruptura iminente ou que está ocorrendo” é indicado na classificação de nível 3, o que não é o caso da barragem Xingu, conforme o resultado da fiscalização desta terça-feira.

Na semana passada, a Superintendência Regional do Trabalho de Minas Gerais confirmou que auditores-fiscais interditaram as atividades da mineradora nas proximidades da barragem. Foram interditadas atividades executadas por trabalhadores na própria barragem e na chamada mancha de inundação (área que pode ser atingida em caso de ruptura).

Em comunicado, a Vale explicou, na semana passada, que a barragem está desativada e não recebe rejeitos de mineração desde 1998, mas alguns trabalhadores ainda atuam no local. Com a interdição, a mineradora paralisou a circulação de trens da Estrada de Ferro Vitória a Minas próximo à barragem. A medida impede o escoamento de até 33 mil toneladas por dia de finos de minério produzido pela Usina Timbopeba.

Em paralelo, a Vale informou na semana passada que buscaria retomar a produção afetada, destacando ainda que a barragem Xingu tem sido monitorada diariamente e já teve moradores próximos removidos de sua chamada Zona de Autossalvamento (ZAS).

Vale supera estimativa e registra lucro de US$ 5,546 bilhões no primeiro trimestre de 2021, alta de 2.220%

mineradora Vale registrou lucro líquido de US$ 5,546 bilhões, 2.220% em relação aos US$ 239 milhões do mesmo período de 2020. No trimestre anterior, a mineradora havia registrado ganhos de US$ 739 milhões.

Em reais, o lucro somou R$ 30,564 bilhões no primeiro, ante R$ 984 milhões no mesmo período de 2020.

Segundo a empresa, o lucro ficou acima principalmente devido a (a) despesas de Brumadinho, (b) encargos de impairment nos ativos dos negócios de Níquel e Carvão, ambos no 4T20, e (c) maior resultado financeiro, apesar do impacto da desvalorização cambial do Real em 9,6% na marcação a mercado de nossas posições de derivativos. Esses efeitos foram parcialmente compensados pelo menor EBITDA ajustado proforma.

Informações Broadcast

VALE ON (BOV:VALE3)
Gráfico Histórico do Ativo
De Jun 2021 até Jul 2021 Click aqui para mais gráficos VALE ON.
VALE ON (BOV:VALE3)
Gráfico Histórico do Ativo
De Jul 2020 até Jul 2021 Click aqui para mais gráficos VALE ON.