M. Dias Branco, líder nos mercados de biscoitos e massas do Brasil, reportou um lucro líquido de R$ 233,5 milhões no segundo trimestre, 64% acima do registrado no mesmo período de 2021.

A empresa atribui o crescimento do lucro a expansão do Ebitda no período.

A receita líquida somou R$ 2,497 bilhões no segundo trimestre deste ano, crescimento de 26,2% na comparação com igual etapa de 2021, fruto do crescimento do preço médio de 36,0%.

Ebitda – lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização – alcançou R$ 357,1 milhões entre abril e junho, aumento de 113,6% sobre o mesmo trimestre de 2021. Já a margem Ebitda foi de 14,3% no período, crescimento de 5,8 pontos percentuais ante o 2T21.

“Com portfólio mais rico, capturando muita margem e reduzindo embalagem, eu ganhei 5,8 pontos de margem Ebitda”, afirma Theodozio.

Em biscoitos, a receita bruta com produtos/sabores lançados nos últimos 24 meses atingiu R$ 72,0 milhões no 2T22, aumento de 4,4% vs. 2T21 e 19,5% vs. 1T22, totalizando 114 lançamentos (116 no 2T21 e 118 no 1T22).

Os custos dos produtos vendidos representaram 70,9% da receita líquida, redução de 7,0 p.p. na comparação com o 2T21. Além do aumento do preço médio, já explicado neste documento, a melhora dos custos foi resultado da gestão de compras, estoques e hedge dos principais insumos, como evidenciado nos gráficos abaixo, em que demonstramos que os custos para a M. Dias Branco foram inferiores aos valores praticados no mercado.

O lucro bruto atingiu a cifra de R$ 856,3 milhões no segundo trimestre de 2022, um aumento de 55,7% na comparação com igual etapa de 2021. A margem bruta foi de 34,3% no 2T22, alta de 6,5 p.p. frente a margem do 2T21.

O resultado financeiro líquido foi negativo em R$ 27 milhões no segundo trimestre de 2022, uma elevação de 429,4% sobre as perdas financeiras da mesma etapa de 2021.

“O resultado negativo é fruto de menores atualizações de créditos extemporâneos; aumento de despesas financeiras, fruto do aumento do CDI e IPCA; e aumento dos custos atrelados ao hedge”, explica a companhia.

As despesas operacionais foram de R$ 573,5 milhões no 2T22, alta de 26% em relação ao mesmo período de 2021.

As despesas com vendas e administrativas apresentaram redução (% Receita Líquida), fruto da manutenção dos ganhos de produtividade e eficiência capturados nos últimos dois anos e do aumento do preço médio.

Os investimentos totalizaram R$ 64,8 milhões no 2T22 (+25,6% vs. 2T21). Destaque para investimentos em sistemas, com a modernização do ERP. Durante o primeiro semestre de 2022, foram investidos R$ 4,0 milhões em pesquisa e desenvolvimento de novos produtos.

Em 30 de junho de 2022, a dívida líquida da companhia era de R$ 1,171 bilhão, um crescimento de 224,1% na comparação com a mesma etapa de 2021.

O indicador de alavancagem financeira, medido pela dívida líquida/Ebitda ajustado, ficou em 1,3 vez em junho/22, alta de 0,8 vezes em relação ao mesmo período de 2021.

Os resultados da M.Dias Branco (BOV:MDIA3) referentes às suas operações do segundo trimestre de 2022 foram divulgados no dia 15/08/2022. Confira o Press release na íntegra!

* Com informações da ADVFN, RI das empresas, Valor, Infomoney, Estadão

M.DIAS BRANCO ON (BOV:MDIA3)
Gráfico Histórico do Ativo
De Nov 2022 até Dez 2022 Click aqui para mais gráficos M.DIAS BRANCO ON.
M.DIAS BRANCO ON (BOV:MDIA3)
Gráfico Histórico do Ativo
De Dez 2021 até Dez 2022 Click aqui para mais gráficos M.DIAS BRANCO ON.