A Eletrobras deve anunciar um plano de demissão voluntária até novembro. Segundo o presidente da companhia, Wilson Ferreira Junior, o foco do programa está em funcionários já aposentados ou próximos da aposentadoria. O PDV foi negociado pela antiga gestão, e a expectativa é de que possa alcançar até 2 mil pessoas, algo em torno de 20% do atual quadro de trabalhadores.

O comunicado foi feito pela companhia (BOV:ELET3) (BOV:ELET5) (BOV:ELET6) nesta quinta-feira (29).

A ideia é enxugar a companhia – privatizada em junho passado – e obter ganhos de eficiência, lógica que também pretende aplicar às participações da companhia em outras empresas. Ele disse que só interessa manter aquelas nas quais a Eletrobras é controladora.

De acordo com o executivo, a Eletrobras tem hoje pouco mais de 10 mil funcionários, após a saída da Eletronuclear do grupo após a privatização. A nova redução de quadro se soma às promovidas pelo executivo em sua primeira passagem pela companhia, entre 2016 e 2021, quando a antiga estatal passou de 26 mil para 12 mil funcionários.

Desta vez, o enxugamento também servirá para abrir espaço a empregados mais jovens que, sugeriu ele, terão papel importante em novas frentes de receita e crescimento real da empresa.

Escritório especial

Em entrevista coletiva ontem, Ferreira Junior falou sobre a criação de um “escritório de transformação” com peso de diretoria para buscar aumento de receitas, diversificação e mais eficiência. A área será comandada pela diretora de Governança, Camila Araújo, com o corpo técnico da empresa e consultorias em processo de contratação.

Um dos objetivos mais imediatos é a comercialização de energia no mercado livre para grandes consumidores, que pode começar em janeiro de 2023 a partir de volumes liberados pelo fim gradual das cotas contratadas a preços fixados.

A expectativa é de que o processo permita ganhos de receita necessários aos planos de expansão e diversificação para fontes renováveis, entre as quais citou o hidrogênio verde, encarada como futuro do setor.

Reestatização

O executivo afirmou não enxergar risco de reestatização da companhia caso o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva vença as eleições presidenciais. Ele, inclusive, minimizou declarações nesse sentido da campanha do petista.

Segundo o Ferreira Jr., considerando que o governo tem um grande desafio fiscal à frente não faria sentido gastar três vezes mais do que foi arrecadado na capitalização para poder ampliar sua participação na companhia. “Se quiser dar um cavalo de pau e estatizar, vai custar”, disse.

Eficiência

O diretor também comentou que, seja qual for o governo, o mais interessante seria ter uma empresa mais eficiente. “Corporation é o mecanismo societário mais bem-sucedido do mundo para empresas de grande porte”, afirmou. Ele também destacou que a operação foi importante para o País, uma vez que trouxe mais de R$ 30 bilhões, com boa parte desse dinheiro vindo do exterior.

A nova gestão, além do quadro mais enxuto e da introdução de robotização e digitalização, buscará oportunidades de expansão por meio de leilões de geração e transmissão de energia, que Ferreira Jr. considera mais provável, ou fusões e aquisições.

A atenção de Ferreira Jr. também está voltada para a redução das provisões de passivos judiciais, hoje na casa dos R$ 30 bilhões, por meio de acordos e redução do custo tributário via recuperação de créditos de empresas do grupo.

VISÃO DO MERCADO

Credit Suisse

O diretor-presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira Junior, mencionou em sua primeira grande coletiva de imprensa no cargo o novo programa de demissão voluntária e outras diretrizes para a empresa, o que é positivo e em linha com as expectativas, avalia o Credit Suisse.

O banco destaca que o diretor-presidente também reiterou que reverter a privatização não é uma opção, e ressaltou a migração da empresa para o Novo Mercado da B3, além da estratégia de participação em projetos.

Atualmente, a Eletrobras está listada no Nível 1 da B3 e a mudança para o Novo Mercado, o mais elevado nível de governança corporativa da bolsa, deve ocorre em prazo de oito a dez meses, reportou o Valor. Segundo Ferreira, a empresa possui um portfólio de projetos de geração eólica e solar que pode ser colocado nos próximos leilões, o que ajudaria a elevar a capacidade instalada e diversificar a oferta de energia, hoje muito centrada em hidrelétricas.

O Credit tem recomendação de compra para as ações ordinárias da Eletrobras, com preço-alvo de R$ 67, potencial de alta de 57% ante o valor negociado no momento na B3.

Informações Broadcast

ELETROBRAS PNA (BOV:ELET5)
Gráfico Histórico do Ativo
De Nov 2022 até Dez 2022 Click aqui para mais gráficos ELETROBRAS PNA.
ELETROBRAS PNA (BOV:ELET5)
Gráfico Histórico do Ativo
De Dez 2021 até Dez 2022 Click aqui para mais gráficos ELETROBRAS PNA.