Hoje é dia de Taxa Selic! E tudo indica que o Copom manterá a taxa básica de juros em 14,25% ao ano

LinkedIn

A última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) em 2015 será finalizada no início da noite desta quarta-feira, 24 de Novembro. A expectativa das instituições financeiras consultadas pelo BC é de que a Taxa Selic seja mantida nos atuais 14,25% ao ano. Após um ciclo de sete elevações consecutivas na taxa básica de juros da economia brasileira, iniciadas em julho de 2014, o Copom manteve a Taxa Selic em 14,25%, nas duas últimas reuniões, realizadas em setembro e outubro.

A percepção de que a taxa de juros será mantida nesta quarta-feira tem por base a mudança do foco da política monetária, de tentar atingir a meta central de inflação de 4,5% somente em 2017 (e não mais no fim do próximo ano), e também indicações do próprio Banco Central.

No mês passado, o BC anunciou o abandono do objetivo de levar a inflação ao centro da meta (4,5%) em 2016. Na ata da reunião do Copom de outubro, o BC disse que “as indefinições e alterações significativas na meta fiscal mudam as expectativas para a inflação e criam uma percepção negativa sobre o ambiente econômico“. Para o BC, a inflação só vai atingir a meta em 2017.

No início deste mês, o diretor de Política Monetária do BC, Altamir Lopes, avaliou que “a manutenção da taxa de juros no atual patamar por um período prolongado de tempo cumpre o papel de atender aos objetivos do regime de metas de inflação“. Altamir lopes ainda acrescentou que: “se for necessário, o BC tem medidas e pode adotá-las, independentemente do nível de atividade que se apresente. A nossa missão, o nosso mandato, é cumprir a meta de inflação“, acrescentou.

Pelo sistema de metas de inflação vigente na economia brasileira, o BC tem de calibrar a taxa básica de juros para atingir objetivos pré-determinados. Para 2015 e 2016, a meta central de inflação é de 4,5%, mas o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que serve de referência, pode oscilar entre 2,5% e 6,5% sem que a meta seja formalmente descumprida.

Quando o Copom aumenta a Taxa Selic, o objetivo é conter a demanda aquecida, que causa reflexos nos preços, já que os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Já quando o Copom reduz os juros básicos, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo. Ao manter a Taxa Selic no mesmo patamar, a sinalização é de que as elevações anteriores foram suficientes para provocar os efeitos esperados na economia. O BC tem reiterado que os efeitos de alta da taxa básica se acumulam e levam tempo para aparecer.

A projeção do mercado financeiro indica taxa de inflação, medida pelo IPCA, em 10,33% para 2015, acima, portanto, do teto estabelecido. Para 2016, o mercado financeiro também espera inflação superior ao teto da meta, com estimativa em 6,64%.

A possível decisão do Copom, de manter novamente os juros estáveis, acontece em meio à uma forte queda do nível de atividade, confirmada por meio de dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), de que o país está em meio à uma recessão técnica – e à alta do desemprego – fatores que, teoricamente, atuam para conter a alta dos preços.

Ainda assim, a inflação ainda segue pressionada pelas tarifas públicas e pela disparada do dólar – que supera de 40% em 2015. Dólar mais alto gera aumento no preço dos produtos e insumos importados e isso tende a ser repassado, em alguma medida, para os preços internos. Ao mesmo tempo, os aumentos da gasolina e do diesel anunciados neste ano também tem pressionado a inflação.

Para completar o quadro, a queda na previsão de superávit primário, a economia feita para pagar juros da dívida pública também torna mais difícil a tarefa do Banco Central de tentar conter a inflação. Com uma queda do superávit primário, sobram mais recursos na economia – que teoricamente impactam a inflação.

Em julho, o governo reduziu a meta fiscal deste ano, de 1,2% do Produto Interno Bruto (PIB), para apenas 0,15% do PIB, ou R$ 8,7 bilhões. Recentemente, o governo admitiu que o déficit deste ano deve ser der R$ 52,8 bilhões, sem contar as “pedaladas fiscais” e uma eventual frustração do leilão das hidrelétricas. Admitiu, porém, que o rombo pode superar R$ 110 bilhões em 2015.

Para o ano de 2016, o governo anunciou, em meados de setembro, um pacote para tentar atingir a meta de superávit primário de R$ 43,8 bilhões para todo o setor público, o equivalente a 0,7% do PIB, contemplando o retorno da CPMF.

Comentários

  1. JORGE ALMADA diz:

    Jogos de interesses, governo aumenta taxa de juros selic aumenta a dívida pública e transfere recursos aos Banqueiros que em contrapartida contribuem com as campanhas eleitorais doando fortunas no caso André Esteves, ex. campanha de Dilma, Jogos de cartas marcadas.

Deixe um comentário para JORGE ALMADA