Moro condena Bendine, ex-presidente do BB e da Petrobras, a 11 anos de prisão

LinkedIn

O juiz federal Sérgio Moro condenou hoje (7) o ex-presidente do Banco do Brasil (BBAS3) e da Petrobras (PETR3) (PETR4) Aldemir Bendine a 11 anos de prisão pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro em um dos processos da Operação Lava Jato. Na sentença, Moro afirmou que Bendine solicitou e recebeu propina do Grupo Odebrecht durante o período em que esteve no cargo, a partir de fevereiro de 2015, em substituição a ex-presidente Graça Foster.

“O condenado assumiu o cargo de presidente da Petrobras em meio a um escândalo de corrupção e com a expectativa de que solucionasse os problemas existentes. O último comportamento que dele se esperava era de corromper-se, colocando em risco mais uma vez a reputação da empresa”, afirmou Moro.

Bendine está preso no Complexo Médico-Penal (CMP) de Pinhais, na região metropolitana de Curitiba, desde julho do ano passado, quando foi preso preventivamente a partir das investigações da Lava Jato. Ele presidiu o Banco do Brasil de abril de 2009 a fevereiro de 2015 e a Petrobras até maio de 2016.

Em delação feita pelo empresário Marcelo Odebrecht, Bendine foi citado como um dos beneficiários de pagamento de vantagens indevidas. Em depoimento prestado juiz Moro, Marcelo Odebrecht, um dos delatores das investigações da Lava Jato, disse que autorizou repasse de R$ 3 milhões a Bendine.

Após o depoimento, a defesa de Bendine considerou o depoimento como ilação e disse que Marcelo reconheceu não ter recebido diretamente cobrança de vantagens.

 

Comentários

  1. Jacó Martin diz:

    Esse elemento surrupiou bilhões da Petrobras. Em razão disso, é condenado a apenas 11 anos de prisão. Claro, ele não possui nenhum bem em seu nome, levando a gente concluir que NÃO vai devolver nenhum centavo e que a condenação está sendo uma premiação bilionária pela safadeza feita contra a Petrobras e, por conseguinte, contra os acionistas dessa empresa. E DIZEM QUE O CRIME NÃO COMPENSA.

Deixe um comentário para Jacó Martin