Dúvidas mais frequentes de quem está começando a investir em ações

LinkedIn

Quando o assunto é dinheiro, ter cautela é essencial. Seja para fazer um controle financeiro bem feito ou começar a aplicar em investimentos mais rentáveis, tomar uma decisão bem embasada é essencial.

E, para isso acontecer da melhor maneira possível, é importante tirar todas as dúvidas que surjam. Nesse sentido, é normal que os investidores novatos fiquem indecisos sobre algumas questões. Por isso mesmo, ter acesso à informação de qualidade para aprender de fato como começar a investir é fundamental.

Quando alguém decide se tornar um investidor na Bolsa de Valores, algumas dúvidas acabam sendo mais recorrentes. O receio é natural, uma vez que o tema central é dinheiro e ninguém quer ter prejuízos. No entanto, o medo não pode ser maior que a vontade de encontrar boas oportunidades de valorizar o capital.

Para entender e ajudar a sanar dúvidas sobre o investimento em ações, veja a seguir os principais questionamentos de investidores iniciantes:

1) Qual é o valor mínimo para começar a investir em ações?

Essa é provavelmente a pergunta mais recorrente entre os investidores iniciantes e com toda razão. Para começar a investir, é preciso ter uma quantia voltada apenas para este fim. Contudo, para aplicar dinheiro na Bolsa de Valores, não há um valor mínimo exigido oficialmente.

A maioria das pessoas acredita que quando o assunto é a compra e venda de ações, é preciso ter uma conta com vários dígitos no banco. Hoje em dia, a realidade não é mais assim. Com ajuda da internet, o investimento em ações está se tornando mais popular e mais acessível.

Para ajudar os novatos a definir um ponto de partida, a orientação de diversos especialistas do Mercado Financeiro é começar com, pelo menos, R$ 5.000. É possível investir um valor menor, mas as chances de ter bons retornos também vai ser mais baixa já que é preciso considerar os custos relativos à realização do investimento.

2) Quais as principais taxas que um investidor precisa pagar?

Este é outro tópico que está sempre em discussão entre aqueles que estão iniciando no mundo dos investimentos. É de extrema importância que o investidor saiba de antemão quais taxas e tributos estão atrelados ao investimento que escolheu.

No que se refere ao Mercado de Ações, existem custos inerentes às negociações. Veja quatro deles:

  • Corretagem: uma das taxas mais conhecidas, é cobrada pelo banco ou corretora que o investidor tem conta. Ela incide quando se faz a compra e venda de ações.
  • Custódia: esta é uma taxa cobrada para que as ações que você possui em carteira fiquem “guardadas”. Em alguns casos, bancos e corretoras oferecem isenção desta taxa aos investidores.
  • Emolumentos de Bolsa: cobrada pela Bovespa, é uma porcentagem que incide sobre o valor negociado em ações.
  • Imposto de Renda: um tributo bem conhecido que incide sobre os lucros realizados no investimento em ações. As operações convencionais têm alíquota de 15% e o Day Trade tem tributação de 20%. No momento da declaração, pode haver dedução dos eventuais prejuízos.

 

3) Quais são os riscos de investir?

Outra preocupação dos iniciantes no universo dos investimentos é quanto aos riscos. De fato, é preciso saber exatamente os termos de uma aplicação antes de realizá-la. Os investidores experientes já sabem: o pior risco é a falta de conhecimento. Quando se está ciente de todos os fatos, é mais fácil evitar falhas e reagir a tempo caso haja uma mudança brusca no mercado.

Quando se fala em Bolsa de Valores, o medo da perda é ainda maior. De fato, há esse risco, mas existem diversas ferramentas que podem (e devem) ser usadas para amenizar essa possibilidade.

No que se refere aos riscos na Bolsa, é preciso estar atento a dois tipos principais:

  • Desvalorização: refere-se ao cenário em que uma ação perde valor e, por isso, pode causar prejuízos ao investidor.
  • Liquidez: este risco está ligado ao fato de o investidor não conseguir encontrar compradores dispostos a adquirir a ação que ele pretende vender.

 

4) De que forma é possível definir quais as melhores ações para investir em um certo momento?

 

Mais uma dúvida bastante recorrente: como identificar os momentos mais interessantes para comprar ou vender determinada ação. Isso porque, em um mercado tão dinâmico, saber a hora certa de investir é fundamental para conquistar resultados positivos.

Ao contrário do que muitas pessoas ainda acreditam, ser um investidor de sucesso na Bolsa de Valores não depende apenas de sorte. Para tomar qualquer decisão de investimento, é preciso estar embasado em uma série de dados concretos. No caso da aplicação em ações, é preciso considerar diferentes fatores que podem influenciar o preço de um ativo.

Veja dois tipos de análise que podem ajudar os investidores a tomar uma boa decisão:

  • Análise Técnica: muito utilizada por investidores mais arrojados, que gostam de investir no curto prazo e em Day Trade. Esta análise é baseada em probabilidade e estatística com o objetivo de identificar o cenário mais provável de ocorrer com uma ação em determinado momento.
  • Análise Fundamentalista: mais usada por investidores que preferem aplicar no longo prazo. Informações sobre a empresa vinculada à ação que se quer investir, como governança, transparência e potencial de crescimento dentro da área de atuação, são alguns dos parâmetros usados para delimitar se aquele ativo tem boas perspectivas de valorização.

 

Estas são apenas algumas das diversas perguntas feitas por quem está começando a explorar o mundo dos investimentos. Os investidores que têm dúvidas ou se sentem inseguros para tomar uma decisão de investimento, devem buscar informações qualificadas para resolver a questão. Em muitos casos, é interessante solicitar auxílio de um profissional experiente para ajudar a dar os primeiros passos.

Deixe um comentário

Esta área do website ADVFN.com é destinada para comentários e anáises individuais independentes. Estes blogs são administrados por autores independentes através de uma plataforma de alimentação comum, não representando as opiniões da ADVFN. A ADVFN não monitora, aprova, altera ou exerce controle editorial sobre estes artigos, não aceitando, portanto, ser responsabilizada por tais informações. As informações disponibilizadas no website ADVFN.com destina-se para sua informação em geral mas não, necessariamente, para suas necessidades particulares. As informações não constituem qualquer forma de recomendação ou aconselhamento por parte da ADVFN.COM.