Corretoras indicam as 10 melhores “small caps” para fevereiro

Google+ LinkedIn

Depois de subir 4,3% em janeiro, o Índice de Small Caps, que reúne empresas de menor valor de mercado negociadas na B3, caiu exatos 4,3% em fevereiro até dia 9, zerando o ganho no ano, que agora está modestamente negativo em 0,2%.

Bom para quem quer entrar no mercado com preços mais razoáveis, já que as ações sugeridas estão em queda neste mês em relação a 31 de janeiro. Como comparação, a alta do Índice Bovespa foi de 11,1% em janeiro e a queda de fevereiro, de 4,7%, resultando em um ganho ainda de 5,9% em 2018.

O melhor desempenho do Ibovespa em relação ao Small Caps é reflexo do perfil da alta recente, provocada pela forte entrada de investimentos estrangeiros, que se reverteu agora em fevereiro com a piora do cenário externo. Os estrangeiros têm preferência por papéis mais líquidos, caso dos que formam a carteira do Ibovespa. Por isso, os papéis small caps costumam subir em um segundo momento, depois que os mais líquidos já ajustaram seus preços.

Indicações mostram fé no crédito e no consumo

As indicações de cinco corretoras mostram 10 papéis mais citados, com um perfil de investimento bem diversificado, voltado para o aumento do consumo e do crédito, e com uma empresa de serviços, a mineira de saneamento Copasa (CMG3S), como proteção. Educação (Ser Educacional) (SEER3), bancos (ABC Brasil) (ABCB4), turismo (CVC) (CVCB3), construção residencial (Eztec e Tenda), shopping centers (Iguatemi) (IGTA3), aluguel de carros (Movida) (MOVI3) e indústria automobilística (Iochpe e Metal Leve) indicam a aposta dos analistas em uma retomada dos financiamentos beneficiada pelo juro mais baixo da história do país e pela recuperação do emprego e da renda com inflação mais baixa. Bens de maior valor, como carros, viagens e imóveis podem ter maior impulso com o crédito mais barato e o risco menor de inadimplência.

Analistas seguem acreditando no potencial do mercado de capitais brasileiro. Para o Bradesco, os desafios de longo prazo ainda são ajustar as contas públicas e reduzir o déficit fiscal e o resultado da eleição presidencial. Já no curto prazo, o aquecimento da economia ainda segue gradual, mas o banco acredita que o país entrará em um ciclo de crescimento, com a economia se expandindo por alguns anos, desemprego em recuperação e juros baixos. O cenário externo é um dos riscos, mas a visão é que as principais economias devem continuar mostrando expansão também, com melhora no emprego nos EUA e na Europa e juros subindo devagar. O banco trocou a ação da Camil (CAML3) pela da Tenda (TEND3) na carteira de fevereiro.

Confira as ações de empresas menores mais indicadas para fevereiro, de acordo com as corretoras:

As pequenas notáveis
Empresa Código Indicações
Copasa CSMG3 3
Ser Educacional SEER3 3
ABC Brasil PN ABCB4 2
CVC CVCB3 2
Eztec EZTC3 2
Iguatemi ON IGTA3 2
Mahle Metal Leve LEVE3 2
Movida MOVI3 2
Iochpe Maxion MYPK3 2
Tenda TEND3 2

 

A Copasa (CMG3S) entrou na carteira de small caps do Santander este mês, no lugar de Hering (HGTX3). A empresa é vista pelo banco como uma boa oportunidade por seu potencial de expansão no segmento de esgotos onde já atua com distribuição de água.

A Copasa é vista como atraente por seu fluxo de caixa crescente e por seu desconto em relação a outras similares, como a Sabesp (SBSP3). O Bradesco calcula um desconto de 18%.  Já o Santander estima um desconto de 20%, o que a tornaria a opção mais “barata” no universo de companhias de energia e saneamento, com um preço equivalente a 8,5 vezes seu lucro. O risco está nas eleições para o governo de Minas em 2018, segundo os dois bancos.

Ser Educacional (SEER3) deve se beneficiar do novo ciclo do mercado de ensino superior. A empresa, segundo o Bradesco, se destaca por seu plano de expansão mais agressivo e potencial de crescimento de alunos. O banco espera um crescimento de 10% ao ano no número de alunos de 2016 a 2021.

CVC (CVCB3) é vista como uma empresa com produtos de alto valor que deve se beneficiar da recuperação do crédito em 2018. O Bradesco vê viagens como um produto particularmente desejável para as classes médias, e pode ser tornar uma prioridade com a queda do desemprego.

Iguatemi(IGTA3 se beneficia da retomada do consumo, do crédito e da renda. O Santander estima um crescimento médio de 22% para a geração e caixa das principais empresas de shoppings neste ano. O Iguatemi aparece como uma das melhores opções para  retomada da economia, diz o banco espanhol, beneficiando-se da queda da Selic para 6,75% e o fato de seus contratos com os lojistas preverem reajustes pela inflação.

No caso de Iochpe-Maxion, uma das maiores fabricante de rodas para carros do mundo, além de chassis, o Santander (SANB4) destaca que 80% da receita da empresa vem do exterior, o que a torna uma opção também de diversificação para uma piora do cenário brasileiro. Além disso, a expectativa é de que a retomada do combalido mercado brasileiro de veículos impulsione as vendas da empresa. Seu preço também está 5% abaixo de sua média história, considerando o indicador Valor de Firma (valor de mercado da empresa mais sua dívida) em relação a sua geração de caixa medida pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Lajida ou Ebitda). Essa relação mostraria quanto tempo a geração de caixa levaria para pagar todo o valor da empresa, mais sua dívida.

No caso do ABC Brasil (ABCB4), segundo o Bradesco (BBDC4), o banco segue com um retorno sobre o patrimônio de 14% a 15% e deve ter melhorias de custo de risco, de R$ 50 milhões para R$ 40 milhões por trimestre. O banco possui ainda uma excelente posição de capital, com 17,1% sobre os ativos ponderados pelo risco, o que permitirá uma expansão do crédito neste ano. Os riscos são o aumento das operações das empresas lançando papéis no mercado em lugar de tomar empréstimos, mas o que pode elevar os ganhos com a prestação de serviços do banco de investimentos, e as provisões ainda elevadas.

Confira as carteiras de cada corretora para as small caps em fevereiro.

As small caps para fevereiro
Corretora Empresa Ação
Coinvalores ABC Brasil PN ABCB4
Grendene ON GRND3
Ser Educacional SEER3
Eztec EZTC3
CVC CVCB3
Metal Leve LEVE3
Movida MOVI3
São Carlos SCAR3
Light LIGT3
CSU CARD3
Magliano Duratex DTEX3
Eztec EZTC3
Iguatemi IGTA3
Iochpe Maxion MYPK3
Movida MOVI3
Paranapanema PMAM3
Marcopolo POMO4
Positivo POSI3
São Martinho SMTO3
Via Varejo VIVAR11
Bradesco ABC Brasil PN ABCB4
CVC CVCB3
Copasa CSMG3
Tenda ON TEND3
Ser Educacional SEER3
Itaú Unibanco Alupar ON ALUP3
Camil ON CAML3
Copasa CSMG3
Even EVEN3
Metal. Gerdau PN GOAU4
Randon RAPT4
Ser Educacional SEER3
Tenda TEND3
Wiz ON WIZS3
Valid ON VLID3
Santander Cyrela ON CYRE3
Copasa ON CSMG3
Energisa Unit ENGI11
Estácio ON ESTC3
Iguatemi ON IGTA3
Iochpe Maxion MYPK3
IMC MEAL3
Mahle Metal Leve LEVE3
Rumo Log ON RAIL3

 

 

A Arena do Pavini é um espaço voltado para fornecer informação de valor e promover o aprendizado e a discussão dos principais temas relacionados à vida do investidor. O blog de notícias é pilotado por Angelo Pavini, renomado jornalista econômico, com mais de 20 anos de experiência na cobertura do mercado financeiro e de assuntos ligados a finanças pessoais.

Deixe um comentário

Esta área do website ADVFN.com é destinada para comentários e anáises individuais independentes. Estes blogs são administrados por autores independentes através de uma plataforma de alimentação comum, não representando as opiniões da ADVFN. A ADVFN não monitora, aprova, altera ou exerce controle editorial sobre estes artigos, não aceitando, portanto, ser responsabilizada por tais informações. As informações disponibilizadas no website ADVFN.com destina-se para sua informação em geral mas não, necessariamente, para suas necessidades particulares. As informações não constituem qualquer forma de recomendação ou aconselhamento por parte da ADVFN.COM.