Bom dia, Investidor! 09 de maio de 2019

LinkedIn

Esse é o Bom dia, Investidor! Com tudo o que você precisa saber antes da Bolsa abrir!

Para saber o que aconteceu ontem, após o fechamento dos mercados, confira o Momento do Investidor.

Destaques corporativos

GPA (PCAR4): O controlador do grupo varejista GPA, Casino Guichard-Perrachon, confirmou hoje que estuda várias opções estratégicas para uma combinação de seus ativos latino-americanos, mas que isso até agora não justifica uma comunicação ao mercado.

Telefônica (VIVT4): A Telefônica registrou um lucro líquido de R$ 1,387 bilhão no primeiro trimestre deste ano, um desempenho 26,3% superior ao do mesmo intervalo do ano passado. O Ebitda somou R$ 3,903 bilhões, alta de 2,9%, com uma margem se expandindo 0,4 ponto porcentual, para 35,6%.

Azul (AZUL4): Azul registrou um lucro líquido de R$ 137,7 milhões no primeiro trimestre deste ano, representando uma queda de 20,1% na comparação anual. O Ebitda somou R$ 724,2 milhões, alta de 8,1%.

Vale (VALE3): A Vale vai divulgar hoje após o fechamento do mercado os seus resultados do primeiro trimestre, quando deverá reportar os impactos da tragédia de Brumadinho. Ontem à noite antes da divulgação, a mineradora atualizou ontem suas projeções para produção de níquel e cobre para 2019, juntamente com o relatório de produção divulgado pela manhã.

Hapvida (HAPV3): A Hapvida teve lucro liquido de R$ 209 milhões no primeiro trimestre, queda de 2,4%. O Ebitda somou R$ 277,4 milhões, queda de 1,9%. A receita líquida atingiu R$ 1,257 bilhão, incremento de 15,3%.

JSL (JSLG3): A JSL apresentou um lucro consolidado de R$ 60,8 milhões, representando uma alta de 142% na comparação anual. O Ebitda subiu 34%, para R$ 474,6 milhões, enquanto a receita avançou 14%, para R$ 2,2 bilhões.

MRV (MRVE3): A MRV registrou lucro líquido de R$ 189 milhões no primeiro trimestre de 2019, cifra 18,2% maior em comparação com o mesmo intervalo de 2018. A companhia segue se beneficiando da ampliação dos lançamentos e das vendas, com consequente ampliação da receita e diluição das despesas.

BTG (BPAC11): O BTG Pactual terminou o período entre janeiro e março com lucro líquido de R$ 675 milhões, cifra 12,5% superior a apresentada no mesmo período do ano passado. A empresa informa que, em base ajustada, o lucro somou R$ 721 milhões, alta de 9,2%.

Aliansce (ALSC3): A Aliansce Shopping Center terminou o primeiro trimestre de 2019 com lucro líquido consolidado contábil de R$ 30,115 milhões, alta de 333,2%. A empresa informou ainda um lucro líquido gerencial, de R$ 27,788 milhões, alta de 334,4%.

CSN (CSNA3): A CSN registrou um lucro líquido de R$ 86,763 milhões no primeiro trimestre deste ano, um desempenho 94% inferior ao reportado no mesmo período do ano passado, que somou R$ 1,486 bilhão.

Valid (VLID3): A Valid encerrou o primeiro trimestre do ano com lucro líquido de R$ 13,7 milhões, queda de 30,5% ante igual período do ano passado. Sem o efeito do IFRS 16, o lucro atingiu R$ 14,5 milhões, retração de 26,4%. O Ebitda, com IFRS 16, avançou 1,5% no trimestre, para R$ 66,5 milhões, e sem o IFRS 16, recuou 6,7% para R$ 61,1 milhões.

Banco do Brasil (BBAS3): O Banco do Brasil fechou o primeiro trimestre com um lucro líquido ajustado de R$ 4,25 bilhões, uma alta de 40,3% sobre o mesmo período do ano passado. O resultado também ficou acima da maior projeção dos analistas consultados pela Bloomberg, que era de lucro de R$ 3,88 bilhões.

Engie (EGIE3): A Engie Brasil encerrou o primeiro trimestre de 2019 com lucro líquido de R$ 565,5 milhões, alta de 15,6%. O Ebitda somou R$ 1,212 bilhão, aumento de 15,9%. A receita operacional líquida cresceu 25,1%, para R$ 2,338 bilhões.

Totvs (TOTS3): A Totvs registrou um lucro líquido ajustado de R$ 45,1 milhões no primeiro trimestre deste ano, alta de 26,9% em comparação ao mesmo período do ano passado. O Ebitda ajustado atingiu R$ 104,5 milhões de janeiro a março, expansão de 7,9%.

SLC (SLCE3): A SLC Agrícola registrou lucro líquido consolidado de R$ 111,381 milhões, queda de 34,2% na comparação anual. O Ebitda atingiu R$ 206,238 milhões, retração de 27%. A receita líquida foi de R$ 618,833 milhões, avanço de 46,2%.

Braskem (BRKM5): A Braskem informou ontem que tomou conhecimento hoje do relatório apresentado pelo Serviço Geológico do Brasil (CPRM) sobre o fenômeno geológico ocorrido em Maceió (AL). O Ministério Público Estadual (MPE) e a Defensoria Pública de Alagoas acusam as operações da empresa de estarem entre os potenciais motivos para o aparecimento de rachaduras e crateras em residências em Maceió.

Cielo (CIEL3): Em meio à guerra das maquininhas de cartão, o presidente da Cielo, Paulo Caffarelli, disse ao Estadão que, sob ataque, empresa não vai virar uma nova Kodak. Segundo ele, a empresa caminha para ser “menos maquininha e mais tecnologia”.

SulAmérica (SULA11): A SulAmérica registrou um lucro líquido de R$ 223,3 milhões no primeiro trimestre deste ano, cifra 57,2% superior a registrada no mesmo intervalo do ano passado.

Banco Inter (BIDI4): O Banco Inter registrou lucro líquido de R$ 12,1 milhões no primeiro trimestre de 2019, alta de 15,7%. O retorno sobre patrimônio líquido ficou em 5,1% no trimestre, queda de 5,7 pontos na comparação anual. Os ativos totais somaram R$ 5,947 bilhões ao final de março, avanço de 56,5% em um ano.

Recomendação de ativos

Marcopolo (POMO4): O Bradesco BBI cortou o preço-alvo para as ações da Marcopolo de R$ 5 para R$ 4,50 após a empresa publicar o balanço do primeiro trimestre de 2019,

Itaú BBA: O Itaú BBA elegeu as ações da Petrobras (PETR4) para compor a sua carteira recomendada Top 5, mostra um relatório enviado a clientes nesta quarta-feira (8). Os papéis da Unidas (LCAM3) deixam o portfólio.

Notícias

Copom: Pela nona vez seguida, o Banco Central (BC) não alterou os juros básicos da economia. Por unanimidade, o Comitê de Política Monetária (Copom) manteve a taxa Selic em 6,5% ao ano. A decisão era esperada pelos analistas financeiros.

Commodities

Petróleo Brent: O barril do petróleo Brent, com data de vencimento em abril deste ano e negociado no mercado de futuros em Londres, abriu a sessão desta quinta-feira, 09, em queda. A commodity iniciou o dia cotada a US$ 69,92, variando 0,63% quando comparado ao fechamento da sessão anterior.

Minério de ferro: A sessão desta quinta-feira na bolsa de mercadorias da cidade de Dalian, na China, foi marcada pela estabilidade do preço dos contratos futuros do minério de ferro. O ativo teve valorização de 0,08% a 644,50 iuanes por tonelada.

Câmbio

Dólar: O dólar opera em alta nesta quinta-feira (9). Às 9h10, a moeda norte-americana subia 0,7%, vendida a R$ 3,9600.

No dia anterior, a moeda caiu 0,93%, vendida a R$ 3,933.

Agenda Econômica

CapturadeTela2019-05-08às16.46.38

Deixe um comentário