BTG Pactual vê continuidade nos ganhos de ações brasileiras e Ibovespa em 134 mil em 2020

LinkedIn

Estrategistas do BTG Pactual estimam que as ações brasileiras continuarão sua trajetória positiva em 2020, após forte desempenho por quatro anos consecutivos, avaliando que a próxima etapa do rali esteja apenas começando e seja apoiada por uma recuperação econômica acelerada, de acordo com relatório a clientes nesta terça-feira.

Eles estimam que o Ibovespa, índice de referência do mercado acionário brasileiro, alcançará 134 mil pontos em 2020, de acordo com o cenário base que contempla crescimento sustentado de 2% do PIB e taxas de juros reais de longo prazo no patamar de 3%, entre outras variáveis. Tal meta, se confirmada, representaria valorização de quase 20% ante o atual patamar.

Em 2019, o Ibovespa já acumula alta de cerca de 27%, após ter avançado 15% em 2018, quase 27% em 2017 e ao redor de 39% em 2016.

“Neste momento, sinais de que a economia está acelerando são evidentes. Esperamos que os investimentos e o consumo das famílias sejam os principais impulsionadores do crescimento econômico em 2020, estimulado pelo aumento do emprego, expansão do crédito e outra rodada de reformas econômicas”, afirmam Carlos Sequeira e Osni Carfi.

A equipe do BTG Pactual também estima que o lucro médio das empresas brasileiras com foco no mercado doméstico deve crescer 18% em 2020. Quando incluídas as companhias exportadoras de commodities, ainda excluindo Petrobras e Vale, tal aumento é previsto em 20%.

Sequeira e Osni Carfi também ressaltam que a alocação para as ações brasileiras, tanto por investidores estrangeiros quanto locais, estão em níveis bastante reduzidos, mesmo com o recente crescimento no fluxo de investidores locais para a bolsa – com a participação desse segmento ainda abaixo da média entre 2011 e 2014 e principalmente do pico de 2007.

“Com as taxas de juros em níveis historicamente baixos, esperamos que os locais continuem a aumentar a participação de suas carteiras investidas em ações em 2020”, escreveram, destacando, contudo, que os investidores estrangeiros têm sido muito mais cautelosos, desde a eleição do presidente Jair Bolsonaro, e refletindo um modo global de ‘risk off’.

Para os estrategistas, “um crescimento econômico mais forte poderia finalmente direcionar os fluxos estrangeiros para o Brasil, mas a situação dos mercados globais será importante para definir o apetite de estrangeiros pela exposição dos mercados emergentes”. Eles acrescentaram que o aumento do fluxo para ações tem o potencial de aumentar ainda mais os ‘valuations’.

Em 2020, eles esperam uma nova rodada de reformas econômicas, destacando que neste ano o governo e o Congresso concentraram seus esforços para aprovar uma reforma da Previdência tão esperada e essencial, com economia estimada em 800 bilhões de reais nos próximos 10 anos.

Para o ano que vem, a equipe do BTG Pactual destaca que o governo e o Congresso já estão trabalhando em uma série de propostas adicionais, visando a consolidação das contas fiscais do Brasil e revisão da administração pública.

“A agenda de reformas também inclui um extremamente necessária, mas difícil de implementar, reforma tributária. Mais do que reduzir a carga tributária, a reforma tributária as propostas se concentram na simplificação do sistema tributário extremamente complexo do Brasil, aumentando a produtividade das empresas”, avaliam.

Deixe um comentário