Entre temores com Covid-19 e petróleo, mercados entram em colapso nesta segunda-feira

LinkedIn

ÁSIA: As bolsas na Ásia registraram um declínio acentuado na madrugada desta segunda-feira, enquanto os preços do petróleo caíram em meio a temores de uma guerra de preços, depois que a Opep não conseguiu fechar um acordo com seus aliados nos cortes de produção, aumentando a volatilidade já provocada pelo medo em torno da disseminação do coronavírus.

O Nikkei do Japão caiu 5,07%, enquanto o Topix caiu 5,61%. A economia do Japão encolheu 7,1% entre outubro e dezembro, segundo dados do governo japonês divulgados na segunda-feira. O declínio foi maior do que a estimativa preliminar de um encolhimento anualizado de 6,3%. Também foi pior do que a previsão dos economistas de uma contração de 6,6% e a maior queda desde o segundo trimestre de 2014, segundo a Reuters.

Na China continental, as bolsas seguiram em queda, com o composto de Xangai caindo 3,01%, para cerca de 2.943,29 pontos, enquanto o composto de Shenzhen caiu 3,77%.

O índice Hang Seng de Hong Kong caiu 4,23%, enquanto o Kospi da Coreia do Sul caiu 4,19%.

Na Austrália, o S & P / ASX 200 despencou 7,33%, fechando em 5.760,60 pontos.

No geral, o índice MSCI Asia ex-Japan caiu 4,97%.

A liquidação nos mercados de petróleo ocorreu depois que a Arábia Saudita anunciou descontos massivos em seus preços de venda oficiais para abril no sábado e com o país se preparando para aumentar sua produção acima da marca de 10 milhões de barris por dia, segundo a Reuters. Isso levantou temores de uma guerra de preços total.

O corte de preços da Arábia Saudita ocorreu após colapso nas negociações em Viena na semana passada entre a Opep e seus aliados, conhecido como Opep+, durante a reunião de sexta-feira. O cartel recomendou cortes adicionais na produção na quinta-feira, mas isso foi rejeitado pela Rússia, aliada da OPEP. A reunião também foi concluída sem nenhuma diretriz sobre os cortes de produção atualmente em vigor, mas que deve expirar no final do mês. Isso efetivamente significava que as nações em breve terão livre controle sobre o quanto elas queiram produzir.

As ações das companhias de petróleo da região também tiveram perdas acentuadas. A australiana Santos caiu 27,01%, enquanto Beach Energy caiu 19,39% e Woodside Petroleum recuou 17,40%. A japonesa Japan Petroleum Exploration caiu 12,69%. As ações da PetroChina e CNOOC listadas em Hong Kong despencaram 9,63% e 17,23%, respectivamente.

As mineradoras também não tiveram um dia feliz. BHP despencou 13,6%, enquanto Fortescue Metals caiu 10% e Rio Tinto caiu 6,7% na Austrália.

O iene japonês, frequentemente visto como uma moeda de refúgio, foi negociado a 102,37 por dólar, depois de atingir níveis acima de 108 na semana passada. Os preços do ouro subiram no horário comercial asiático. O ouro à vista subiu 0,36%, para US $ 1.679,90 por onça.

EUROPA: Mercados europeus afundam na sessão desta segunda-feira, enquanto investidores globais se preparam para a disseminação do coronavírus e para o colapso dos preços do petróleo após fracasso nas negociações da OPEP.

O  colapso das negociações em Viena na semana passada gerou corte de preços da Arábia Saudita. Na quinta-feira, a Opep recomendou cortes adicionais na produção de 1,5 milhão de barris por dia a partir de abril, mas a Rússia, aliada da Opep, rejeitou a recomendação. Sem acordo quando o atual expirar no final do mês, os produtores poderão  bombear em breve, a quantidade de petróleo que quiserem.

O pan-europeu Stoxx 600 cai 6,6%, entrando no território chamado “bear market”, com ações de petróleo e gás liderando as perdas. A gigante de energia BP recuou 18%, a Royal Dutch Shell recuou 21%, enquanto Tullow despencou 37% no início do pregão. As ações da TGS-NOPEC caíram 24,8%, enquanto Aker BP e Wood Group caíram 23% cada.

O DAX 30 da Alemanha cai 6,54%, o FTSE 100 do Reino Unido cai 6,76%, o CAC 40 da França cai 7,05% e IBEX 35 da Espenha cai 6,645.

As mineradoras listadas em Londres, também sucumbem. Anglo American cai 9,4%, Antofagasta recua 7%, BHP despenca 14,2%, Rio Tinto cai 5,6%.

O coronavírus também continua dominando o sentimento dos mercados. Mais de 106.000 pessoas já foram infectadas pelo vírus e mais de 3.600 morreram em todo o mundo, de acordo com os últimos dados da Organização Mundial da Saúde. Os casos nos EUA já superaram 500 e pelo menos 21 mortes foram relatadas.

o número de casos confirmados na Alemanha aumentou mais de 100 no fim de semana e agora chega a quase 800. O governo do Reino Unido está realizando uma reunião de emergência nesta segunda-feira para discutir outras medidas para impedir a propagação do vírus.

A Itália registrou mais de 7.000 casos. O país praticamente isolou a região norte, contendo cerca de um quarto de sua população no domingo, em um esforço para retardar a propagação do surto de coronavírus. Todas as ações do índice italiano, exceto o grupo farmacêutico Recordati, não abriram no início do pregão de segunda-feira e o índice blue chip italiano chegou a cair mais de 10% nos primeiros negócios. O FTSE MIB italiano despenca 9,83%.

EUA: Os índices futuros de ações dos EUA recuam na manhã desta segunda-feira, com o medo de uma guerra global de preços do petróleo combinada com o temor crescente das consequências econômicas do coronavírus.

As negociações dos futuros do S&P 500 foram brevemente interrompidas no final do domingo, quando o chamado “circuit braker” foi acionado após uma queda de 5%. O S&P 500 caiu 8% este ano depois de sofrer a pior semana desde a crise financeira no final de fevereiro. O índice de referência já caiu mais de 12% em relação ao seu pico recente.

As quedas acentuadas no mercado futuro sinalizam mais turbulência depois de uma semana volátil que viu o S&P 500 subir ou descer mais de 2,5% por quatro dias seguidos.

Em meio a essa turbulência, os investidores continuaram a buscar ativos mais seguros à medida que aumentam os temores de que o coronavírus interrompa as cadeias de suprimentos globais e leve a economia a uma recessão. Os investidores estão preocupados com o surto de coronavírus que fez com que os principais índices de ações caíssem para o território de correção. Até domingo, os casos globais da infecção aumentaram para mais de 109.000, com pelo menos 3.801 mortes em todo o mundo. A situação também está piorando nos EUA, com os estados de Nova York, Califórnia e Oregon declarando estado de emergência. Várias escolas fecharam na Califórnia e eventos foram cancelados, enquanto um navio de cruzeiro atingido pelo coronavírus se preparava para atracar em Oakland na segunda-feira, com as autoridades preparando planos para transportar os 3.500 passageiros para bases militares em todo o país para testes e quarentenas.

O rendimento da nota de referência do Tesouro dos EUA de 10 anos caiu abaixo de 0,5%, caindo para um novo recorde de 0,3469%. O rendimento dos títulos do tesouro de 30 anos também atingiu um nível recorde de baixa, ultrapassando o limite de 1% pela primeira vez na história.

Enquanto isso, o rastreador do CME FedWatch indicou que os traders esperam que o Federal Reserve reduza as taxas de juros em três quartos de ponto percentual na próxima reunião de março. As chances de um corte de 75 pontos base haviam superado 80% na noite de domingo, em comparação com a chance de 65% indicada na sexta-feira.

Em relação ao petróleo, analistas do Goldman Sachs no domingo disseram que uma guerra de preços pode empurrar os preços do petróleo para US $ 20 o barril, especialmente porque a desaceleração econômica causada pelo surto de coronavírus diminuiu a demanda global. Esses níveis de preços “começarão a criar estresse financeiro agudo e queda na produção de xisto, bem como de outros produtos de alto custo como areia betuminosa no Canada”, alertou Goldman.

BOVESPA: A Bovespa passará a ter novo horário de negociação a partir desta segunda-feira. OÍndice Bovespa abrirá às 10h e finalizará o pregão regular às 17h00. Com isso, o after market volta entre às 17h30 e 18h00.

A mudança ocorre porque os EUA entrarão no horário de verão a partir deste final de semana. Em relação ao horário de Brasília, as bolsas americanas passam a abrir às 10h30 e fecham às 17h00 (horário de Brasilia).

ÍNDICES FUTUROS – 8h00:
Dow: -4,87%
SP500: -4,98%
NASDAQ: -4,84%

OBSERVAÇÃO: Este  material é um trabalho voluntário, resultado da compilação de dados divulgados em diversos sites da internet que são aqui resumidos de maneira didática para facilitar e agilizar a compreensão do leitor. O texto da sessão asiática está no tempo passado e a europeia no presente devido ao horário em que este relatório é redigido. Atentem-se para o horário de disponibilização dos dados.

Deixe um comentário