Agenda de resultados Wall Street: 4 empresas avaliadas em mais de US$ 1 trilhão divulgam seus resultados

LinkedIn

As quatro maiores empresas americanas, que já foram avaliadas em mais de US $ 1 trilhão sem ajustar a inflação, divulgam seus resultados do primeiro trimestre nesta semana. As gigantes Apple, Google, Amazon e Microsoft  também devem relatar como estão enfrentando a pandemia da COVID-19.

É a semana mais movimentada de resultados (“earnings“), que ganhou muito mais importância do que o habitual, devido ao impacto do coronavírus que se espalhou pelo mundo, com as gigantes da tecnologia mostrando se ainda conseguem se destacar.

Amaozon, Apple e Microsoft continuaram avaliadas em mais de US$ 1,2 trilhão no final do pregão de sexta-feira, enquanto o Alphabet (Google) caiu abaixo de US $ 900 bilhões com as incertezas dos números de anúncios durante a pandemia.

No total, 149 empresas que compõe o índice S&P 500 devem divulgar seus resultados do 1T20 nesta semana – mais de um terço apenas na quinta-feira -, assim como 12 empresas do índice Dow Jones Industrial Average. Outros destaques da semanas são Facebook, Gilead Sciences, Tesla e Boeing.

Como esperado, a pandemia do coronavírus tem sido terrível para os lucros das empresas, com mais sofrimento pela frente. As 122 do S&P 500 que já divulgaram seus números no primeiro trimestre viram os ganhos caírem 22,7% no total.

A carnificina do primeiro trimestre provavelmente é uma pequena prévia do que está por vir, já que muitas empresas apontaram fortes períodos de janeiro e fevereiro antes que as coisas mudassem drasticamente em março. Os analistas estão estimando um declínio de lucro ainda mais acentuado de 32% no segundo trimestre, quando as empresas sentirão três meses completos de impacto no coronavírus.

Confira os destaques da semana

Gigantes da Tecnologia

A Alphabet (Google) inicia os resultados da Big Tech na terça-feira à tarde, após o Snapchat divulgar uma contração dramática nos gastos com anúncios, à medida que o surto de COVID-19 piorava. Os negócios da Alphabet são muito mais amplos que os da Snap, portanto, o resultado do 1T20 fornecerá uma visão mais clara do cenário de marketing. O Facebook oferece outra leitura na quarta-feira à tarde, enquanto o Twitter segue na manhã seguinte.

Os problemas de publicidade da Alphabet provavelmente serão equilibrados pelo forte crescimento da nuvem, devido à crescente demanda por serviços digitais, e a Alphabet divulgando os resultados do Google Cloud agora. A Microsoft também deve ver um benefício na nuvem em seus negócios do Azure, mas seus negócios herdados do Windows e de TI local são mais vulneráveis ​​a uma crise econômica.

A Amazon também vai mostrar o seu cenário na nuvem, embora o ganho possa ser maior com o desempenho do seu braço de comércio eletrônico com a corrida de pedidos on-line. Empresas que se beneficiaram com a população em casa como Target, Netflix e Citrix Systems relataram fortes resultados, mas não foram recompensados ​​pelos investidores e, portanto, a perspectiva da Amazon será o foco principal na quinta-feira à tarde.

A Apple está apostando no crescimento dos serviços. Os investidores podem estar dispostos a perdoar a Apple por um trimestre fraco de março, na quinta-feira, mas estarão muito focados nas expectativas de recuperação da gigante de smartphones.

Esperança contra o coronavírus

O relatório de Gilead na tarde de quinta-feira provavelmente será ofuscado por qualquer coisa que a empresa diga sobre o remdesivir, que é objeto de testes com o COVID-19.

A ação obteve uma valorização de aproximadamente 20% nos últimos três meses, na esperança de que o remdesivir, um medicamento antiviral, pudesse ser eficaz contra o novo surto de coronavírus, embora dados vazados no início da semana tenham sugerido resultados mistos. O foco será na capacidade de fabricação da Gilead se o medicamento for aprovado para o uso do COVID-19.

Tesla 

O surto de COVID-19 não diminuiu o entusiasmo pelas ações da Tesla, que valorizaram cerca de 25% nos últimos três meses, em parte devido às expectativas de que a crise será pior para os pares. Há esperança de que a Tesla possa obter uma grande vantagem a longo prazo, já que as montadoras tradicionais enfrentam escolhas difíceis sobre suas prioridades.

Mas isso não significa que Tesla não sentirá uma crise do surto. Embora seus números de entrega no primeiro trimestre tenham excedido as expectativas de muitos analistas, a empresa teve que fechar temporariamente as fábricas em março. Ele detalhará o impacto comercial desses fechamentos na quarta-feira à tarde.

Setor de energia

O setor de energia deve ser o maior responsável para a queda do S&P 500 no primeiro trimestre, com analistas estimando uma queda de 68%. Saberemos mais sobre o impacto dos preços de petróleo nas finanças do setor na sexta-feira de manhã com as gigantes do setor Exxon Mobil e Chevron.

Os números do primeiro trimestre “serão essencialmente sem sentido”, escreveu John Freeman, analista de Raymond James, uma vez que a crise do COVID-19 só começou a impactar os resultados em março. No entanto, ele procurará comentários da empresa sobre gastos de capital, flexibilidade no balanço patrimonial e a possibilidade de desligamentos.

Aviação

Quando os investidores achavam que as coisas não poderiam piorar para a Boeing, devido às prolongadas lutas do 737-Max, a empresa foi atingida por um súbito colapso nas viagens aéreas. Jonathan Raviv, analista do Citi, se concentrará nos comentários da empresa sobre liquidez, taxa de produção e capital de giro na quarta-feira de manhã, enquanto a empresa enfrenta grandes questões sobre seu futuro.

 

Deixe um comentário