Futuros dos EUA tentam definir uma direção nesta segunda-feira

LinkedIn

ÁSIA: As bolsas da região Ásia-Pacífico fecharam em alta na segunda-feira, com a divulgação de dados otimistas vindos da China.

Dados divulgados no final de semana pelo Bureau Nacional de Estatísticas da China mostraram que a atividade das fábricas no país expandiu em maio, com o PMI de manufatura oficial chegando a 50,6, menor do que a expansão de 50,8 registrada em abril e abaixo do nível 51,0 esperado pelos analistas, segundo a Reuters. Ainda assim, o número de maio estava acima do nível 50, que separa a expansão da contração nas leituras de PMI.

Enquanto isso, uma pesquisa privada também mostrou que a atividade industrial da China expandindo em maio. O PMI de manufatura da Caixin/Markit para maio chegou a 50,7, segundo a Reuters, maior do que a expectativa de 49,6 esperadas por analistas em uma pesquisa da Reuters.

O índice Hang Seng de Hong Kong liderou os ganhos entre os principais índices da região ao fechar em alta de 3,36% no dia. O presidente dos EUA, Donald Trump, disse na sexta-feira que vai impor sanções a alguns cidadãos chineses e ordenou ao governo americano que comece a eliminar as vantagens comerciais concedidas a Hong Kong, incluindo benefícios tarifários para exportações e ao tratado de extradição, após a aprovação de uma controversa lei de segurança nacional para a cidade por parte da China. A China criticou decisão, que chama de interferência em assuntos internos.

A China ameaçou também retaliar o Reino Unido depois que o governo britânico prometeu aos cidadãos de Hong Kong maior acesso ao território britânico e até mesmo cidadania se o governo chinês levar adiante a controversa lei de segurança nacional na região semiautônoma. Na quinta-feira, o secretário do Exterior, Dominic Raab, disse que se Pequim não voltar atrás, Londres vai mudar as condições associadas ao passaporte britânico, emitido para os residentes de Hong Kong antes de o território ter sido devolvido à China, em 1997, tornando-o mais favorável e incluindo um caminho para a cidadania.

Na China continental, as bolsas também registraram ganhos robustos no dia. O composto de Xangai subiu 2,21%, enquanto o Shenzhen Component subiu 3,31%.

No Japão, o  Nikkei fechou em alta de 0,84%, enquanto o índice Topix encerrou o pregão 0,32% mais alto.

O Kospi da Coreia do Sul subiu 1,75%. A Reuters informou na segunda-feira que as exportações do país em maio caíram 23,7% ano a ano, pior do que o esperado em uma pesquisa com uma queda média de 22,1% ano a ano.

Na Austrália, o S & P/ASX 200 subiu 1,1%, a 5.819,20 pontos, com alta entre os produtores de recursos básicos. BHP subiu 1,5%, Fortescue Metals disparou 7,7% e Rio Tinto adicionou 2,8%. A produtora de petróleo e gás Santos fechou em alta de 2,2%.

No geral, o índice MSCI Asia ex-Japan saltou 2,27%.

Os preços do petróleo caíram na tarde do pregão asiático, com os contratos futuros do Brent recuando 0,69%, para $ 37,58 por barril. Os contratos futuros de petróleo dos EUA caíram 0,99%, para US $ 35,14 por barril.

EUROPA: Em dia de feriado em vários países europeus, as bolsas que abriram operam com alta na segunda-feira, com o foco dos investidores voltados na reabertura das economias mundiais.

O FTSE 100 do Reino Unido, o CAC 40 da França, IBEX 35 da Espanha e FTSE MIB da Itália sobem 1,21%, 1,29%, 1,51% e 0,93%, respectivamente.

Entre as mineradoras listadas em Londres, Anglo American cai 0,8%, enquanto Antofagasta sobe 1,4%, BHP avança 0,2% e Rio Tinto sobe 1%. Entre as empresas de energia, as gigantes BP e Royal Dutch Shell sobem 1,6% e 1,4%, respectivamente.

Vários países, incluindo Alemanha e Suíça, estão fechados por conta do feriado do Dia da Ascensão.

Foi a primeira oportunidade para os investidores da Europa reagirem à entrevista coletiva de sexta-feira do presidente Donald Trump sobre a China, na qual ele não tomou novas medidas para punir a segunda maior economia do mundo por causa de sua nova lei de segurança nacional para Hong Kong.

O índice PMI do IHS Markit para a zona do euro subiu para 39,4 em maio, ante 33,4 em abril, bem abaixo da marca de 50, indicando deterioração das condições. O IHS Markit disse que foi um mês particularmente difícil. Na Alemanha, o PMI de fabricação foi de 36,6 e a leitura chegou a 45,4 na Itália. O PMI de manufatura do Markit/CIPS do Reino Unido subiu de 32,6 em abril para 40,7 em maio.

“A melhoria no PMI da zona do euro reflete em parte a volta das empresas que reiniciam as atividades à medida que os bloqueios contra o vírus são revertidos. O novo levantamento das restrições do COVID-19 nos próximos meses deve proporcionar um novo impulso às fabricas”, disse Chris Williamson, economista-chefe de negócios do IHS Markit.

EUA: Os futuros de ações dos EUA apontaram para uma ligeira queda no início das negociações de junho em Wall Street após ganhos mensais consecutivos, em meio a violentos protestos que repercutiram em todo o país.

Uma série de protestos eclodiu entre grandes cidades do país, como Los Angeles e Nova York depois que George Floyd, um negro, morreu na segunda-feira passada após um confronto com a polícia em Minneapolis, no qual um policial, Derek Chauvin, foi registrado em um vídeo com o joelho no pescoço de Floyd, até que o homem algemado perdeu a consciência e morreu.

Um relatório de que a China suspendeu algumas importações agrícolas dos EUA também pesa sobre os futuros de ações dos EUA para o território negativo. A Bloomberg News informou que a China disse às empresas estatais que interrompessem as compras de produtos americanos, incluindo soja, já que os pedidos de produtos suínos também foram cancelados, informou o relatório.

O S&P 500 e o Dow ganharam pelo menos 3% na semana passada, enquanto o Nasdaq Composite avançou 1,8% em maio. Esses ganhos foram impulsionados pelo aumento das apostas dos “traders” de que a economia global será reaberta com sucesso depois que o coronavírus forçou a interrupção da maioria das atividades econômicas.

Os ganhos da semana passada levaram os principais índices americanos a seus primeiros avanços mensais consecutivos desde o final de 2019. O Dow e o S&P 500 subiram 4,3% e 4,5%, respectivamente, em maio, enquanto o Nasdaq Composite avançou 6,8%.

O S&P 500 subiu 38% em relação à mínima estabelecida em 23 de março.

Segundo analistas, o principal risco para as ações é uma segunda onda da doença. “Se os temores de um novo surto aumentarem, os ativos de risco sofrerão” e que mesmo que uma vacina não esteja disponível neste ano, um maior número de testes deve permitir uma abordagem economicamente aceitável das estratégias de contenção”.

Mais de 6 milhões de casos de coronavírus foram confirmados globalmente, incluindo mais de 1,7 milhão nos EUA, segundo a Universidade Johns Hopkins. No entanto, a Novavax disse que, na semana passada, foram iniciados os ensaios clínicos de Fase 1 para a sua vacina contra o coronavírus, enquanto a Moderna disse em 18 de maio teste de sua vacina em estágio inicial havia produzido resultados positivos.

Na agenda econômica, espera-se o PMI de manufatura oficial às 10,45 e o da ISM às 11h00. Os gastos de construção sairá às 11h00.

ÍNDICES FUTUROS – 7h55:

Dow: +0,04%

SP500: -0,02%

NASDAQ: -0,28%

OBSERVAÇÃO: Este  material é um trabalho voluntário, resultado da compilação de dados divulgados em diversos sites da internet que são aqui resumidos de maneira didática para facilitar e agilizar a compreensão do leitor. O texto da sessão asiática está no tempo passado e a europeia no presente devido ao horário em que este relatório é redigido. Atentem-se para o horário de disponibilização dos dados.

Deixe um comentário