Vacina contra o coronavírus de Oxford e AstraZeneca mostra resposta positiva no julgamento inicial

LinkedIn

Uma potencial vacina contra o coronavírus desenvolvida pela Universidade de Oxford, no Reino Unido, com a gigante farmacêutica AstraZeneca, produziu uma forte resposta imune em um grande ensaio humano em estágio inicial, de acordo com dados recém-publicados na segunda-feira na revista médica The Lancet.

Os pesquisadores estão chamando sua vacina experimental de ChAdOx1 nCoV-19. Ele combina material genético do coronavírus com um adenovírus modificado que é conhecido por causar infecções em chimpanzés. O estudo da fase um teve mais de 1.000 participantes.

As ações da AstraZeneca caíram cerca de 3% nas negociações da manhã.

Os pesquisadores disseram que a vacina produziu anticorpos e células T assassinas para combater a infecção. Anticorpos neutralizantes, que os cientistas acreditam ser importante para obter proteção contra o vírus, foram detectados nos participantes após 28 dias.

A vacina foi bem tolerada e não houve eventos adversos graves, de acordo com os pesquisadores. Fadiga e dor de cabeça foram os mais relatados, disseram eles. Outros efeitos colaterais comuns incluem dor no local da injeção, dor muscular, calafrios e febre.

O professor Adrian Hill, diretor do Jenner Institute da Universidade de Oxford, disse à CNBC na segunda-feira que a forte resposta imune significa que a vacina tem mais chances de fornecer proteção contra o vírus, embora nada seja garantido. Ele disse que os cientistas esperam iniciar testes em humanos nos Estados Unidos nas próximas semanas.

 “Estamos usando dose única e duas doses da vacina”, disse ele à ” Worldwide Exchange”. “Parece que ambos dão respostas imunes úteis, embora após duas doses vejamos respostas imunes mais fortes. E continuar seguindo esses indivíduos e iniciar testes em outro lugar. Esperançosamente nos EUA nas próximas semanas.”
A vacina potencial de Oxford é uma das pelo menos 100 que estão sendo desenvolvidas em todo o mundo para o Covid-19, que já infectou mais de 14 milhões de pessoas em todo o mundo e matou pelo menos 606.206, segundo dados compilados pela Universidade Johns Hopkins. Pelo menos 23 deles já estão em testes em humanos, de acordo com a Organização Mundial de Saúde.

Na semana passada, a empresa de biotecnologia Moderna divulgou dados promissores sobre seu potencial teste de vacina contra o coronavírus, dizendo que gerou uma resposta imune “robusta”. Esse estudo incluiu 45 participantes saudáveis ​​e foi administrado pelo National Institutes of Health.

A AstraZeneca está trabalhando com parceiros da indústria para fabricar e distribuir 2 bilhões de doses da vacina com Oxford, informou em  junho.

A farmacêutica está acelerando a fabricação enquanto os ensaios ainda estão em andamento para que a vacina possa ser distribuída publicamente o mais cedo possível, se funcionar, de acordo com Richard Hatchett, CEO da Coalition for Epidemic Preparedness Innovations, que está trabalhando com a AstraZeneca na produção da droga.

Embora os dados de Oxford sejam promissores, os cientistas alertam que ainda restam dúvidas sobre como o corpo humano responde quando é infectado pelo vírus. As respostas, dizem eles, podem ter implicações importantes para o desenvolvimento da vacina, incluindo a rapidez com que ela pode ser implantada ao público.

Uma questão crítica entre os cientistas é se os anticorpos produzidos em resposta ao Covid-19 oferecem proteção contra a infecção novamente.

Os cientistas esperam que os anticorpos forneçam algum grau de proteção contra o Covid-19, mas eles ainda não podem dizer isso definitivamente desde que o vírus foi descoberto há apenas seis meses. Não foi estudado em profundidade e alguns pacientes parecem ter sido reinfectados após a recuperação do Covid-19.

Fonte CNBC

Conheça o Telegram ADVFN e fique por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro. 

Comentários

  1. Hermes Dagoberto diz:

    Gostei do tema de sua divulgação, gostaria de ver se é pertinente para meu site.

    Sds.

Deixe um comentário