Confira os Indicadores Econômicos desta quinta-feira (01/10/2020)

LinkedIn

BRASIL

IPC-S de 30 de setembro de 2020 subiu 0,82%, ficando 0,12 ponto percentual (p.p) acima da taxa registrada na última divulgação. Com este resultado, o indicador acumula alta de 2,42% no ano e 3,62% nos últimos 12 meses.

O Índice de Confiança Empresarial (ICE) da Fundação Getulio Vargas (FGV IBRE) subiu 3,0 pontos em setembro, para 97,5 pontos, ficando 1,5 ponto acima do nível de fevereiro deste ano, último mês antes de a economia ser fortemente abalada pela crise de saúde.

O Índice de Situação Atual Empresarial (ISA-E) subiu 4,4 pontos, para 93,0 pontos, nível também superior ao de fevereiro (92,5 pts). O Índice de Expectativas (IE-E) subiu 4,9 pontos, para 101,0 pontos, recuperando 97% das perdas de março-abril e atingindo a zona de neutralidade, em torno de 100 pontos.

Apenas a confiança da Indústria subiu mais fortemente em setembro, passando a ser o primeiro setor a recuperar as perdas de março e abril. Comércio e Construção caminham logo atrás, no sentido na neutralidade. O Setor de Serviços registra uma recuperação mais lenta, principalmente em função da percepção desfavorável das empresas com relação à situação atual, cujo índice representativo (ISA-S) ficou praticamente estável no mês e abaixo dos 80 pontos.

O crescimento da atividade manufatureira brasileira chegou a um novo recorde em setembro, em meio à forte expansão das encomendas, da produção e das vendas de exportação, de acordo com a pesquisa Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) divulgada nesta quinta-feira.

O IHS Markit informou que o PMI de indústria do Brasil chegou a 64,9 em setembro, nível mais alto desde o início da série histórica, em fevereiro de 2006. Em agosto, o PMI havia marcado 64,7.

Com um recorde de 13,8%, no trimestre até julho, o desemprego deve demorar ao menos até 2022 para voltar ao patamar de antes da pandemia da covid-19, pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua. Apesar de o País ter aberto 249 mil vagas formais em agosto, segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), especialistas estimam que, entre formais e informais, a desocupação seguirá piorando até 2021.

A Pnad Contínua de julho, divulgada ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostra o tamanho da deterioração: em apenas um trimestre, 7,214 milhões de brasileiros perderam o emprego. Em um ano, o total de postos extintos supera os 11,5 milhões. A taxa de desemprego, de 13,8% no trimestre encerrado em julho, ou 13,1 milhões de pessoas, foi a pior desde que a pesquisa foi iniciada, em 2012. No trimestre até julho do ano passado, a taxa era de 11,8%.

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) reviu a previsão de queda do Produto Interno Bruto (PIB) de 6% para 5% em 2020. Segundo o instituto, a inflação deste ano deverá ser de 2,3%, abaixo da meta estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional (4%). Essas projeções estão descritas em dois estudos publicados hoje, sobre crescimento econômico e sobre o comportamento dos preços.

O Brasil teve superávit comercial de 6,2 bilhões de dólares em setembro, maior para o mês da série histórica iniciada em 1989, divulgou o Ministério da Economia nesta quinta-feira.

O dado, contudo, veio abaixo da projeção de um superávit de 7,1 bilhões de dólares, segundo pesquisa Reuters com analistas.

Enquanto as exportações somaram 18,5 bilhões de dólares no mês, as importações alcançaram 12,3 bilhões de dólares.

Na divulgação, o ministério também reviu suas perspectivas para o resultado do ano, passando a prever saldo comercial superavitário em 55 bilhões de dólares, sobre 55,4 bilhões de dólares projetados em julho.

Agora, a perspectiva é de exportações de 210,7 bilhões de dólares em 2020 (202,5 bilhões de dólares anteriormente), e importações de 155,7 bilhões de dólares (147,1 bilhões de dólares antes).

ESTADOS UNIDOS

Nos Estados Unidos, os empregadores anunciaram mais 118.804 cortes de empregos em setembro, com bares, restaurantes, hotéis e parques de diversões liderando o grupo em meio à demanda lenta, vários meses depois que a pandemia de COVID-19 atingiu o país.

As demissões relatadas pela empresa global de recolocação Challenger, Gray & Christmas aumentaram 2,6% em relação a agosto e impulsionaram o total de cortes de empregos neste ano até agora para um recorde de 2,082 milhões. O recorde anual anterior foi de 1,957 milhão em 2001. Os cortes de empregos totalizaram 497.215 no terceiro trimestre, queda de 59,8% em relação ao segundo trimestre.

As empresas anunciaram 929.860 intenções de contratação no mês passado, elevando o total este ano para 2,673 milhões.

Nos Estados Unidos, a renda pessoal diminuiu US $ 543,5 bilhões (2,7%) em agosto, de acordo com estimativas divulgadas hoje pelo Departamento de Análises Econômicas.

A renda pessoal descartável (DPI) diminuiu US$ 570,9 bilhões (3,2%) e as despesas de consumo pessoal (PCE) aumentaram US$ 141,1 bilhões (1,0%).

O DPI real diminuiu 3,5% em agosto e o PCE real aumentou 0,7%. O índice de preços PCE aumentou 0,3%. Excluindo alimentos e energia, o índice de preços PCE aumentou 0,3%.

Os primeiros pedidos de seguro-desemprego totalizaram 837.000 na semana passada, disse o Departamento do Trabalho na quinta-feira, enquanto o mercado de trabalho continua sua lenta recuperação da pandemia do coronavírus.

Economistas consultados pela Dow Jones esperavam 850.000, o total semanal representou uma queda de 36.000 em relação aos 870.000 revisados ​​em alta da semana anterior, de acordo com números ajustados sazonalmente.

No entanto, a tendência geral permanece teimosamente alta, com a média móvel de quatro semanas dos primeiros sinistros caindo apenas 11.750 para 867.250. Antes da pandemia, as reclamações semanais eram de cerca de 200.000.

Aqueles que recebem benefícios sob o programa de Assistência ao Desemprego Pandêmico subiram para 650.120. O programa oferece pagamentos para aqueles que normalmente não têm direito a benefícios, como freelancers e contratados independentes.

O total de todos os que receberam benefícios de vários programas governamentais aumentou em quase meio milhão, para 25,53 milhões na semana encerrada em 12 de setembro.

 O número de reclamações chega um dia antes do relatório de folha de pagamento não-agrícola, observado de perto. O Departamento do Trabalho deve relatar um ganho de empregos de 800.000 em setembro, o que representaria uma desaceleração em relação aos 1,37% de agosto, de acordo com a Dow Jones.

A taxa de desemprego deverá cair dois décimos de ponto percentual, para 8,2%.

A atividade de negócios no setor manufatureiro dos EUA cresceu em setembro, com o Índice Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) da IHS Markit subindo de 53,1 em agosto para 53,2 no mês passado, um pouco abaixo do consenso do mercado (53,5). Leituras acima de 50 indicam expansão do setor, enquanto abaixo de 50 apontam contração.

O PMI de Serviços caiu para 54,6 em setembro, vindo de 55,0 em agosto, abaixo da previsão dos especialistas, quer era de 54,7. Finalmente, o PMI Composto caiu de 54,6 em agosto para 54,4 em setembro.

A atividade econômica no setor manufatureiro continuou em território expansionista em setembro, disse o Instituto ISM. O Índice Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) de setembro caiu de 56,0 em agosto para 55,4 em setembro.

Apesar do recuo de setembro, o índice está no território de expansão pelo quinto mês consecutivo, após uma contração em abril, que encerrou um período de 131 meses seguidos de crescimento.

O Índice de Novos Pedidos registrou 60,2, uma queda de 7,4 pontos em relação à leitura de agosto de 67,6. O Índice de Produção atingiu 61,0, uma redução de 2,3 pontos em comparação com a leitura de agosto (63,3). O índice de pedidos em atraso ficou em 55,2, 0,6 ponto a mais em comparação com a leitura anterior de 54,6. O Índice de Emprego registrou 49,6, um aumento de 3,2 pontos. O Índice de Entregas do Fornecedor chegou a 59,0, uma alta de 0,8 ponto percentual em relação ao número de agosto.

O Índice de Novos Pedidos registrou 60,2%, uma queda de 7,4 p.p em relação à leitura de agosto de 67,6%.

O Índice de Produção registrou 61%, queda de 2,3 p.p em comparação com a leitura de agosto de 63,3%.

O índice de pedidos em atraso registrou 55,2%, 0,6 p.p a mais em comparação com a leitura de agosto de 54,6%.

O Índice de Emprego registrou 49,6%, um aumento de 3,2 p.p em relação à leitura de agosto de 46,4%.

O Índice de Entregas do Fornecedor registrou 59%, um aumento de 0,8 p.p em relação ao número de agosto de 58,2%.

O Índice de Inventários registrou 47,1%, 2,7 p.p acima da leitura de agosto de 44,4%.

O Índice de Preços registrou 62,8%, 3,3 p.p em comparação com a leitura de agosto de 59,5%.

O Novo Índice de Pedidos de Exportação registrou 54,3%, um aumento de 1 p.p em relação à leitura de agosto de 53,3%.

O Índice de Importações registrou 54%, uma queda de 1,6 p.p da leitura de agosto de 55,6%.

Um relatório divulgado na quinta-feira pelo Departamento de Comércio mostrou que os gastos do consumidor aumentaram 1,0% em agosto, depois de aumentar 1,5% em julho.

Os economistas previam os gastos do consumidor, que respondem por mais de dois terços da atividade econômica dos EUA, avançando 0,8% em agosto.

 A renda pessoal caiu 2,7% em agosto, refletindo a redução dos benefícios do seguro-desemprego. Um subsídio de desemprego de $ 600 terminou em julho e foi substituído por um suplemento de $ 300. A receita cresceu 0,5% em julho.

A economia está a caminho de um crescimento recorde no terceiro trimestre, após uma queda histórica no período de abril a junho. As estimativas de crescimento do PIB no terceiro trimestre estão chegando a uma taxa anualizada de 32%. A economia se contraiu a um ritmo de 31,4% no segundo trimestre, a queda mais profunda desde que o governo começou a manter registros em 1947. As estimativas de crescimento para o quarto trimestre foram reduzidas para cerca de 2,5%, de um ritmo acima de 10%.

Os compradores de casas que esperam que uma desaceleração sazonal no mercado imobiliário reduza os preços em alta podem esquecer isso.

Mais compradores entraram na briga em setembro, estimulados por taxas de hipotecas recorde e uma cultura de ficar em casa induzida por uma pandemia, levando as vendas a um ritmo ainda mais rápido.

 Na primeira leitura da demanda de setembro, as casas foram vendidas 12 dias mais rápido do que há um ano, de acordo com o realtor.com. As residências geralmente vendem 25% mais rápido em setembro do que no início do ano, mas este ano venderam 39% mais rápido.

Demorou apenas 54 dias para vender uma casa durante o mês. Esse é o menor tempo desde que a realtor.com começou a rastrear essa métrica em 2016. Naquela época, demorava 78 dias.

EUROPA

O índice IHS Markit Eurozone de Manufatura – PMI sinalizou uma aceleração no crescimento da economia de manufatureira em setembro. Depois de considerar os fatores sazonais, o índice registrou 53,7, inalterado na leitura da estimativa anterior e acima dos 51,7 no mês anterior. Além disso, setembro marcou o crescimento mais forte em mais de dois anos e melhores condições operacionais já foram sinalizadas por três meses consecutivos.

Todos os três grupos de mercado registraram uma melhora mensal nas condições operacionais durante o mês de setembro. Ganhos sólidos foram observados nas categorias de bens de consumo e intermediários, mas ambas ficaram para trás em bens de investimentos, onde o crescimento foi mais forte em mais de dois anos.

Países classificados pelo PMI de manufatura: setembro

Alemanha 56,4 (flash: 56,6) 26 meses de alta;

Itália 53,2 com maior alta em 27 meses;

Holanda 52,5 com alta em sete meses;

Áustria 51,7 com dois meses de alta;

França 51.2 (flash: 50.9) com dois meses de alta;

Espanha 50,8, máxima de dois meses;

Grécia 50,0, máxima de sete meses; e

Irlanda 50,0, mínima de quatro meses.

Na Alemanha, a recuperação da indústria da zona do euro ganhou força no mês passado, uma vez que as fábricas da região viram aumento da demanda após o relaxamento de algumas restrições contra o coronavírus, mostrou a pesquisa Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês).

O PMI final da indústria apurado pelo IHS Markit avançou a 53,7 em setembro, de 51,7 em agosto, em linha com a preliminar e no nível mais alto desde agosto de 2018. Leitura acima de 50 indica crescimento.

O subíndice de produção foi a 57,1 de 55,6, acima da preliminar de 56,8 e o patamar mais elevado desde fevereiro de 2018.

“A recuperação da indústria da zona do euro ganhou mais força em setembro”, disse Chris Williamson, economista-chefe do IHS Markit.

Uma apreciação duradoura da taxa de câmbio nominal efetiva do euro pode prejudicar a recuperação econômica da zona do euro e tornar a tarefa de impulsionar a inflação mais difícil para o Banco Central Europeu, disse a Comissão Europeia em um artigo.

O documento foi preparado no dia 16 de setembro pelo braço executivo da UE para discussões dos ministros das Finanças da zona do euro realizadas na segunda-feira. A Comissão afirmou que o euro se valorizou em cerca de 7,5% em termos efetivos nominais entre fevereiro e agosto de 2020.

“Um novo fortalecimento substancial do euro implicaria em riscos negativos significativos para o crescimento da área do euro e da inflação, num contexto de uma recuperação frágil. Dependendo das causas da apreciação, uma apreciação duradoura de 5% do euro em termos efetivos nominais poderia estar associada a uma redução do crescimento do PIB de -1,1% a -0,9% após um ano e uma redução da inflação de -0,8 a -0,5%”, disse o artigo.

Os preços ao produtor na zona do euro avançaram em agosto na comparação mensal como o esperado, mas ainda apresentaram recuo na base anual, enquanto o desemprego subiu como previsto pelo quinto mês seguido por causa da pandemia de coronavírus.

A agência de estatísticas da União Europeia, Eurostat, informou nesta quinta-feira que os preços ao produtor nos 19 países que usam o euro avançaram 0,1% em agosto sobre o mês anterior, mas recuaram 2,5% na comparação com o mesmo período do ano anterior.

Economistas esperavam alta mensal de 0,1% e queda de 2,7% na comparação anual.

Na Europa, em agosto de 2020, a taxa de desemprego dessazonalizada da Zona do Euro continuou subindo, isso em cinco meses consecutivos, atingindo 8,1%. A mesma tendência se aplica à taxa de desemprego da União Europeia, que atingiu 7,4% em agosto de 2020. Estes números são publicados pelo Eurostat, o serviço de estatística da União Europeia.

O Eurostat estima que 15,603 milhões de homens e mulheres na UE, dos quais 13,188 milhões na ZE, estavam desempregados em agosto de 2020. Em comparação com julho de 2020, o número de pessoas desempregadas aumentou 238 mil na UE e 251 mil na ZE.

ÁSIA

No Japão, os dados de setembro indicaram que o setor manufatureiro deu mais um passo para mais perto da estabilização, depois da queda no volume de novos pedidos desde janeiro. Ao mesmo tempo, esperanças de recuperação em longo prazo nos volumes de produção se fortalecem, com crescimento das expectativas para o próximo ano atingindo o valor mais alto desde maio de 2018.

Em 47,7 em setembro, ante 47,3 em agosto, o índice Jibun do Banco do Japão para o setor de Manufatura subiu pelo quarto mês consecutivo, depois do ponto mais baixo visto em maio (38,4). A leitura mais recente foi a mais alta desde fevereiro, embora ainda abaixo do valor neutro de 50,0.

Na Austrália, as estimativas preliminares para setembro indicam que o índice  de commodities aumentou 1,5% (numa base média mensal) em termos de DES, depois de um aumento de 0,2% em agosto (revisado). Os subíndices não rurais, rurais e metais básicos aumentaram no mês. Em termos de dólares australianos, o índice aumentou 1,1% em setembro.

No ano passado, o índice diminuiu 5,8% em termos de DES, liderado por preços mais baixos de GNL e carvão. O índice diminuiu 8,5% em termos de dólares australianos.

Consistente com os lançamentos anteriores, as estimativas preliminares para os preços de exportação de minério de ferro, carvão metalúrgico, carvão térmico e GNL estão sendo usadas para os meses mais recentes, com base em informações de mercado. Usando os preços à vista para as commodities a granel, o índice aumentou 1,9% em setembro em termos de DES, sendo 0,6%o maior em relação ao ano passado. Os dados são do Governo da Austrália.

Deixe um comentário