2021 é o Ano do Touro: você sabe o que isso significa?

LinkedIn

Se você já assistiu ao nosso vídeo Trends As Tendências da Bolsa de Valores em 2021, ou leu o material, já sabe que, entre as previsões de 2021, uma é certeira, já está registrada e vai acontecer: será celebrado o Ano do Touro segundo o horóscopo chinês. Mas o que isso significa?

Bem, primeiro é bom esclarecer dois pontos: assim como acontece quando uma pessoa está muito furiosa e acaba chamando outra de um nome – e algumas vezes esse nome não é o da mãe, mas o de um animal –, também quando se quer elogiar é feito o mesmo: compara-se a pessoa com um animal de porte ou com uma característica bonita, conforme o tom do elogio. O segundo ponto é que, no mercado financeiro, também usamos um zoológico para definir alguns aspectos desse universo, e, assim como o primeiro ponto, nem sempre ser chamado por esse nome é um elogio.

Então, vamos abrir as jaulas e te apresentar a esses famosos bichos silvestres – e não estamos falando da família da autora deste texto.

TOURO

Vamos começar por ele, mas recomendamos que conheça todos os outros, assim vai entender melhor cada um em sua especificidade. Embora em um primeiro momento você possa pensar em “gado”, “boiada”, “Maria vai com as outras” e coisas desse tipo quando imagina a figura desse animal, vale lembrar: não estamos falando de Boi, e sim de Touro. Aliás, essa coisa de seguir a manada se refere a outro animal que trataremos na sequência – mas, adiantamos, pode surpreender porque não tem a ver com essa coisa de gado.

O Touro, ao contrário, é determinado, persistente, implacável e muitas vezes teimoso. Alguma semelhança com seu primo ou amigo taurino? Pois é justamente isto: do signo para a vida. A ideia de força do Touro também é trazida para o mercado financeiro, como quando ele abaixa a cabeça, prepara-se ferozmente e de repente golpeia com seus chifres, de baixo para cima, o que estiver no seu caminho.

É por isso que o Touro é associado à subida do mercado (de baixo para cima, como a chifrada) e se refere aos momentos em que as ações estão valorizadas, os investidores otimistas, o mercado aquecido. Você vai ouvir muito dizerem “bull market”, por exemplo, que significa que o mercado está se comportando como um Touro. Também existe “bulllish”, que é o sentimento de otimismo dos investidores.

Se você visitar Nova Iorque, não se esqueça de contemplar o Touro de Wall Street, uma escultura de 3,5 toneladas de bronze que completou 30 anos em 2019. Um monumento bem representativo, a julgar pelo fato de que um Touro de verdade vive entre 15 e 20 anos – exceto os da Espanha, mas isso é outra história.

A Charging Bull, nome oficial da escultura, que significa algo como “Touro em Investida”, foi colocada em 1989 no distrito financeiro de Manhattam para demonstrar o poder e a força de recuperação dos norte-americanos após o crash da bolsa de valores nova-iorquina de 1987. Pelo que dizem por aí, a polícia chegou a levar a escultura embora sob o pretexto de que ninguém havia pedido permissão para colocar ela ali. Porém, ela já havia ganhado os holofotes e conquistado fãs, portanto foi inevitável não voltar para seu lugar.

Dizem também as más línguas que tocar os testículos da escultura e os chifres pode alavancar os ganhos financeiros… Mas calma, antes de correr comprar sua passagem para Nova Iorque, vamos terminar de conhecer os outros animais aqui.

URSO

Enquanto o Touro se refere à subida do mercado, o Urso equivale às quedas dele, já que o animal costuma golpear, ao contrário do seu amigo de chifres, de cima para baixo. Essa é uma alusão ao mercado pessimista (chamado bear market, nesse caso), em que tem mais gente apostando na queda das ações, na desvalorização dos ativos.

O Urso pode ser considerado o oposto do Touro, e é por isso que sempre vemos imagens de uma grande briga silvestre ocorrendo entre esses animais. Porém, assim como na vida, os opostos também se atraem. Um mercado composto pela união desses dois animais, que representam a alta e a baixa, é um mercado em equilíbrio. Portanto, o urso é o Yin do Yang do Touro, e vice-versa. Ou seja, é o oposto, mas é o complemento, e juntos temos um mercado em harmonia.

E não é raro encontrar enfeites decorativos que trazem justamente essas duas figuras juntas para deixar a sua mesa de escritório ainda mais requintada. Para quem conhece o mercado financeiro, com certeza as miniaturas vão tirar pelo menos um “Uau” dos seus colegas, mas, para quem desconhece, pode pensar que você adora vida selvagem – o que também é bem animal, concorda?

SARDINHA

Lá no Touro falamos sobre boiada, manada, “Maria vai com as outras”… e não tem nada a ver com gado, e sim com… sardinha. Para você ver que nem sempre as coisas são como parecem ser. Nem tudo o que reluz é ouro e nem tudo o que segue a boiada é boi. O ditado que mais se adéqua a essa ideia de ser um “Maria vai com as outras” é outro: caiu na rede é peixe.

Isso porque as Sardinhas do mercado financeiro são os acionistas minoritários, mas que possuem um perfil de investimento que você já deve conhecer bem de outros tempos: investe porque algum primo ou amigo falou que é bom investir ali, porque acha que a notícia tal vai fazer o ativo valorizar (só que não) e porque tocou o testículo do Touro de Wall Street e acredita que isso vai salvar todo e qualquer investimento que ele fizer. É peixe pequeno, devorado por outro animal que vamos conhecer agora.

TUBARÃO

Ao contrário das Sardinhas, que têm cérebro de peixe, o Tubarão é o dono do pedaço. No mercado, representa os grandes players. São investidores detentores de grandes volumes de ativos nas empresas e que, por isso mesmo, podem movimentar o preço das ações e agitar o mar quando bem entenderem.

Grandes Tubarões são, por exemplo, os investidores institucionais, sejam eles brasileiros ou estrangeiros, que podem ditar a direção do mercado. Os peixes menores, ou ainda as Sardinhas, são encurralados ou devorados por esses tubarões.

Quer saber qual a sensação disso? Produção, por favor, aumenta o som da música típica do Tubarão (não, não é a do Baby Shark, é a do filme Tubarão)… é essa a sensação de um investidor Sardinha diante desse animal todo poderoso do nosso mercado financeiro.

ABUTRE

Ou Urubu, como queira. Mas não, esses animais não são iguais, não é tudo mesma coisa. Aulinha de biologia “rapidex”: os Urubus são aves que existem apenas no continente americano e há pelo menos cinco espécies desse animal. Já o Abutre é parente das águias e dos gaviões e prevalece nas regiões da África, Europa e Ásia. São cerca de 16 espécies de abutres existentes.

Tudo isso para você perceber que nem todos os nomes e ícones ligados ao mercado financeiro têm origem na terra do Tio Sam.

Como sabemos, o Abutre é um animal que se alimenta da carcaça de outros bichos e fica à espreita de animais machucados e já mais pra lá do que pra cá. No mercado financeiro, ele se refere àqueles investidores ou fundos de investimento que compram ativos de empresas também mais pra lá do que pra cá, que estão quase no buraco quanto a problemas financeiros. É o caso, por exemplo, das companhias em recuperação judicial e daquelas que devem até as calças.

A intenção dos Abutres é ganhar se essas companhias conseguirem reaver um pouco mais do que umas boas bermudas. Isto é, se esboçarem uma possível recuperação.

Masoquismo ou parece aquele seu amigo canceriano, que de tão sentimental acaba sempre levando o que ninguém quer no supermercado, na loja, no rolê? Comenta aqui embaixo se você quer saber quem é o seu signo no mercado financeiro!

PORCO

Ok, vamos admitir, esse não é bem um animal representativo do nosso universo, mas ele com certeza é um dos mais lembrados quando falamos em dinheiro e finanças. Afinal, quem nunca teve um porquinho para guardar as economias?

Os pais mais desconfiados ainda entregavam um de porcelana para os seus filhos, sob o pretexto de que, no fim do ano, quebrariam a barrigada do bicho para comprar presente – que nada, queriam mesmo era evitar que o dinheiro colocado tão logo fosse retirado do porco, afinal qualquer movimentação brusca poderia quebrar ou pelo menos lascar o cofrinho.

Assim como ser chamado de “porco” não é um elogio, hoje em dia ter um porquinho ao lado da cama não é sinônimo de poupança gorda.

Opa, desculpa, acabamos de dizer um palavrão para seus ouvidos, “poupança”, aquela em que o dinheiro fica guardado no banco e não pururuca nada e coisa nenhuma. Pois é, mas ainda muita gente associa esse animal, em vez de qualquer outro que apresentamos, quando o assunto é dinheiro.

Diferente de quem pensa assim, você pode viver de bacon a vida aproveitando o universo financeiro sob outra perspectiva e tendo muito mais história para contar, como todas essas que te apresentamos. Aproveita e compartilha isso tudo com seus amigos!

Comentários

  1. Antonio Carlos Nogueira diz:

    Muito boa a explicação dos animais com reflexo da situação do mercado financeiro.
    Acho que vou me tornar um abutre. O risco maior com perspectiva de ganhos robusto.

    • renatasilvestre diz:

      Gratos pelas palavras, Antonio! Realmente a analogia desses animais nada mais é do que baseada nos perfis de investimentos. O importante é investir consciente!

Deixe um comentário para renatasilvestre