Mercados mundiais recuam com aumento de Covid e preocupações com a recuperação global

LinkedIn

ÁSIA: Os mercados acionários asiáticos fecharam majoritariamente em baixa nesta quinta-feira depois que o Federal Reserve apontou uma possível redução do estímulo econômico dos EUA, enquanto aumenta as preocupações regionais devido a um aumento de infecções.

No Japão, o Nikkei fechou em queda de 0,88% em 28.118,03 pontos, enquanto o índice Topix caiu 0,9% para terminar o dia de negociação em 1.920,32 pontos, depois que especialistas recomendaram a declaração de estado de emergência em Tóquio de segunda-feira a 22 de agosto. As possíveis medidas incluem o fechamento de bares e restaurantes que servem álcool e um pedido ao público para ficar em casa. Autoridades municipais também tem a opção de fechar lojas de departamento e outros tipos de estabelecimentos.

O Kospi da Coreia do Sul caiu 0,99%. A Coreia do Sul reportou um aumento recorde diário de 1.275 novas infecções por coronavírus, aumentando preocupações na região sobre os riscos da doença.

O ASX 200 australiano terminou 0,2% maior em 7341,4 pontos, com os principais bancos terminaram em baixa, assim como as ações de serviços públicos e de energia. O setor de materiais local subiu com a perspectiva de política monetária permanecer frouxa, tanto na Austrália quanto nos EUA, o que aumentou o sentimento em favor das commodities. BHP subiu 1,8%, para US$ 49,66, a Fortescue Metals subiu 0,7%, para US$ 23,71, enquanto a Rio Tinto conseguiu uma alta de 0,1%, em US$ 126,22. Entre as produtoras de petróleo, Oil Search caiu 2% e Santos caiu 0,7%.

O ministro da Saúde do estado de Victoria, Martin Foley, disse que não descartaria endurecer medidas de sua fronteira para impedir que as pessoas viajassem entre os estados.

Dados da Universidade Johns Hopkins mostraram que o número global de mortes do COVID ultrapassou 4 milhões à medida que a variante delta aumenta ao redor do mundo.

EUROPA: Os mercados europeus recuam em meio ao aumento do sentimento global mais cauteloso.

O Stoxx Europe 600 recua 2,10% após fechar a quarta-feira em seu segundo maior nível já registrado. O DAX 30 da Alemanha cai 1,63%, o francês CAC 40 perde 2,19%, enquanto o IBEX 35 da Espanha e o FTSE MIB da Itália tombam 2,58% e 2,60%, respectivamente.

Em Londres, o FTSE 100 cai 1,86%. Entre as mineradoras listadas na LSE, Anglo American cai 3,7%, Antofagasta recua 3,4%, enquanto BHP e Rio Tinto perdem 2,2% e 3,2%, respectivamente. Entre as produtoras de petróleo, BP e Royal Dutch Shell recam 1,3% cada.

O Banco Central Europeu anunciará sua revisão estratégica, na qual o banco central deverá passar da meta de inflação abaixo de 2%, para uma meta simétrica de 2%, que está em linha com outros bancos centrais. Logo em seguida haverá uma conferência de imprensa com a presidente do BCE, Christine Lagarde.

EUA: Os contratos futuros vinculados aos principais índices de ações dos EUA caem nas negociações matinais desta quinta-feira, após o S&P 500 e o Nasdaq Composite fecharem em níveis recordes e retorno das preocupações com a recuperação econômica global.

As perdas no pré-mercado são lideradas por empresas que se beneficiariam com uma rápida recuperação econômica do vírus. As ações da Carnival e da Royal Caribbean caem mais de 3% cada. American Airlines e a Delta Air Lines caem mais de 2% no início do pregão. A Boeing cai 2%. Ford e Nike também recuam.

O FOMC dos EUA mostrou divisão sobre o momento para reduzir a taxa de compra de títulos, segundo a ata da última reunião do FED. Isso não foi uma surpresa, já que autoridades têm exibido opiniões divergentes em público.

A redução no rendimento dos títulos do Tesouro de 10 anos continuou na quarta-feira, quando a taxa caiu para 1,296%, enquanto rendimento dos títulos de 30 anos caiu para 1,879%, o menor nível desde 10 de fevereiro. Rendimentos mais altos reduzem os ganhos futuros em relação aos ganhos atuais, o que significa que o apetite por ações de crescimento tende a aumentar quando as taxas caem.

O Bank of America e outras ações financeiras diminuíram nas negociações do pré-mercado, uma vez que suas perspectivas de lucratividade diminuem com taxas mais baixas.

O índice de volatilidade VIX sobe acima do nível importante de 20 na manhã de quinta-feira, talvez sinalizando um período de maior volatilidade à frente.

Na quarta-feira, o S&P 500 subiu 0,34%, renovando sua máxima histórica em 4.358,20 pontos, enquanto o Dow Jones Industrial Average avançou 104,42 pontos ou 0,30% para 34.681,79. O Nasdaq Composite subiu 0,01% para bater novamente seu recorde de fechamento.

Ações de tecnologia superaram novamente o desempenho do mercado mais amplo na quarta-feira, com os investidores comprando ações em empresas que priorizam o crescimento em vez de ações ligadas à reabertura como setores de energia e varejo. Apple, Microsoft e Amazon, subiram 1,8%, 0,8% e 0,5%, respectivamente e estão dois dígitos acima em relação ao mês passado. Embora os traders tenham citado várias razões para voltar para as Big Techs, a maioria menciona uma queda acentuada nos rendimentos dos títulos.

Na sessão de quinta-feira, os investidores se debruçarão sobre os últimos números de pedidos de seguro desemprego do Departamento do Trabalho, às 9h30. A atualização semanal oferecerá uma visão sobre o ritmo das demissões na economia dos EUA, que tem diminuído em meio ao avanço da vacina para o Covid-19. Os economistas esperam que 350.000 desempregados solicitam o benefício de seguro-desemprego na semana encerrada em 3 de julho, de acordo com a Dow Jones. Os estoques semanais de petróleo sairá às 12h00 enquanto o números de crédito ao consumidor será divulgado às 16h00.

ÍNDICES FUTUROS – 7h20:
Dow: -1,43%
SP500: -1,43%
NASDAQ: -1,70%

%COMMODITIES:
MinFe Dailan: -2,94%
Brent: -0,97%
WTI: -1,11%
Soja: -0,37%
Ouro: +0,46%

OBSERVAÇÃO: Este material é um trabalho voluntário, resultado da compilação de dados divulgados em diversos sites da internet que são aqui resumidos de maneira didática para facilitar e agilizar a compreensão do leitor. O texto da sessão asiática está no tempo passado, enquanto a europeia e a americana estão no presente devido ao horário em que este relatório é redigido. Atentem-se para o horário de disponibilização dos dados. O texto não é indicação de compra ou venda de ativos.

Deixe um comentário