ADVFN Logo ADVFN

Não encontramos resultados para:
Verifique se escreveu corretamente ou tente ampliar sua busca.

Tendências Agora

Rankings

Parece que você não está logado.
Clique no botão abaixo para fazer login e ver seu histórico recente.

Hot Features

Registration Strip Icon for default Cadastre-se gratuitamente para obter cotações em tempo real, gráficos interativos, fluxo de opções ao vivo e muito mais.

Embraer: mercado reage positivamente ao pedido da Porter Airlines e ações da companhia sobem

LinkedIn

A Porter Airlines exerceu seus direitos de compra para fazer um novo pedido firme de 25 jatos E195-E2.

O comunicado foi feito pela companhia (BOV:EMBR3) nesta quarta-feira (29).

O novo pedido firme se soma aos 50 jatos já encomendados pela companhia aérea canadense.

A Porter Airlines utilizará a sua frota de jatos da Embraer para ampliar seu serviço a destinos na América do Norte.

O acordo, avaliado em US$ 2,1 bilhões a preço de lista, será adicionado à carteira de pedidos firmes do quarto trimestre de 2023.

Agora, a companhia aérea canadense passa a ter um total de 75 pedidos firmes, com 25 direitos de compra remanescentes.

A Porter é o cliente de lançamento do E195-E2 na América do Norte e já recebeu 24 dos jatos encomendados até agora.

VISÃO DO MERCADO

O mercado reagiu positivamente à notícia e as ações da companhia subiam 4,6%, cotadas a R$ 21,30, às 14h40(horário de Brasília) desta quinta-feira (30).

Com o pedido, a Embraer conta atualmente com 95 a 105 aeronaves negociadas e mais 10 a 20 como opções, resultando, na estimativa do JPMorgan e do Itaú BBA, em cerca de 1,5 vezes a relação de livro por pedido para o ano completo.

JPMorgan

O JPMorgan considerou o anúncio como positivo para a companhia, uma vez que o pedido deve aumentar o backlog da Embraer no 4º trimestre de 2023, após encerramento do 3º trimestre com US$ 17,8 bilhões. Trata-se do maior pedido anunciado em 2023.

“A Embraer havia mencionado expectativas de novos pedidos antes do final de 2023, tornando este anúncio possivelmente um impulso positivo para as ações na sessão de amanhã”, entende o banco.

As ações da companhia são consideradas, pelo JPMorgan, como overweight (exposição acima da média, similar a compra), e negocia a 5 vezes o valor da empresa (EV, na sigla em inglês) sobre o lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações (Ebitda, na sigla em inglês) para 2024.

“Embora o tamanho do pedido possa indicar que o cliente obteve um desconto significativo em relação ao preço de tabela, isso parece ser uma adição importante para o backlog de pedidos firmes da Embraer, o que pode proporcionar estabilidade à capacidade de produção aeroespacial comercial da empresa”, analisa o Citi, que considerou a negociação um “resultado encorajador” para a Embraer.

A recomendação para os ADRs (recibo de ações negociados na Bolsa dos EUA) da companhia é de compra, com preço alvo de US$ 19,00.

“Considerando este pedido, vemos o backlog da Embraer agora em torno de US$ 18 bilhões para o final do ano, considerando entregas no 4º trimestre de aproximadamente US$ 10 bilhões em aviação comercial ou cerca de 300-310 aeronaves”, considera a análise do BBA, que recomenda o nome como outperform (perfomance acima do índice de referência, similar à compra), com preço alvo de US$ 21.00.

Mudança de estratégia

Bradesco BBI

O anúncio vem em linha com a mudança da estratégia da companhia, mencionada pelo Bradesco BBI. A alteração no curso, destacando os modelos E195-E2 presentes no pedido da Porter Airlines, se iniciou em junho de 2023, com a nomeação de Nigel Patterson como novo vice-presidente de vendas para aviação comercial na América do Norte. A alteração fez parte de um plano para reposicionar o modelo E195-E2 na região, que é dominada, atualmente, pelo E175.

“O E175 continuará a dominar a aviação regional nos Estados Unidos, mas o E195-E2 pode conquistar participação de mercado com as principais companhias aéreas de passageiros para complementar a frota de aeronaves de corredor único”, considera a análise.

A estimativa da companhia é que, até 2042, haja demanda por 2.690 aeronaves com até 150 assentos na América do Norte. Na projeção do banco, é possível esperar que haja 271 novos pedidos de E195-E2s para substituição de frota, hoje composta por A319s (da concorrente, Airbus) e B737-700s (fabricados pela Boeing). Os pedidos poderiam resultar em um backlog de US$ 23 bilhões.

Hoje, as aeronaves são operadas pela American Airlines, United Airlines, Alaska Airlines e Canadian North.

“Com isso, esperamos que a América do Norte contribua para que a Embraer mantenha uma saudável relação livro-pedido acima de 1x”, destaca.

O BBI considera o nome como outperform, com preço alvo majorado para US$ 27,00 dos US$ 25,00 anteriores para os ADRs. A mudança considera um upside de 64%.

Informações Financenews

Deixe um comentário

Seu Histórico Recente