ADVFN Logo ADVFN

Não encontramos resultados para:
Verifique se escreveu corretamente ou tente ampliar sua busca.

Tendências Agora

Rankings

Parece que você não está logado.
Clique no botão abaixo para fazer login e ver seu histórico recente.

Hot Features

Registration Strip Icon for charts Cadastre-se para gráficos em tempo real, ferramentas de análise e preços.

Vibra analisa proposta apresentada pela Eneva e avalia que a relação de troca indicada é injustificável

LinkedIn

A Vibra se manifestou sobre a proposta não solicitada para combinação de negócios apresentada pela Eneva no último dia 26 de novembro.

O conselho de administração da Vibra (BOV:VBBR3) analisou a proposta e avalia que a relação de troca indicada é “injustificável”. No entanto, a distribuidora deixou a porta aberta para negociações.

“Fica evidente que os termos de troca propostos para a combinação pretendida pela Eneva (BOV:ENEV3) não possuem qualquer atratividade para os acionistas da Vibra. Não entramos no mérito estratégico de uma possível fusão neste momento. Contudo, as potenciais sinergias indicadas na Proposta precisam ser aprofundadas e foram, em grande medida, baseadas na solidez da nossa própria estrutura de capital e base única de clientes”, destacou a companhia em um fato relevante enviado ao mercado.

A Vibra disse que entende ser essencial maior esclarecimento sobre o modelo de governança pretendido, caso a combinação de negócios venha eventualmente a ser consumada.

“Acreditamos muito na relevância de uma sólida estrutura de governança, porque aí reside boa parte do valor a ser criado”, afirmou.

O conselho de administração da Vibra salientou que estará atento a uma eventual nova manifestação da Eneva, caso seja de seu interesse melhorar significativamente os termos apresentados, detalhando elementos necessários para o bom entendimento de uma eventual nova proposta de combinação.

“Se essa for a opção da Eneva, engajaremos os nossos assessores para tratativas em fórum privado típico de potenciais transações desta natureza, cabendo às empresas se manifestarem publicamente no que for requerido pelas leis e regulações as quais as companhias estão sujeitas”, salientou a Vibra.

Informações Financenews

Deixe um comentário