A CSU CardSystem celebrou contrato de investimento de R$ 10,0 milhões para aquisição de participação minoritária de 4,0% no capital da fintech Fitbank Pagamentos Eletrônicos.

O Comunicado foi feito ao mercado pela empresa (BOV:CARD3) na madrugada desta segunda-feira (29). Confira o documento na íntegra!

Com esse investimento a Companhia inaugura a estratégia de aquisição de participações em negócios complementares no ecossistema de pagamentos brasileiro, permitindo reforçar a atuação da Companhia junto a bancos tradicionais, bancos digitais, e outras instituições financeiras e não financeiras dos mais variados segmentos de atividade.

Atuaram na operação, pela empresa, Condere como assessora estratégica e financeira e Souza, Mello e Torres como assessor legal.

Quarta rodada de captação da FitBank

Fundada em 2015, em São Paulo/SP, a fintech oferece soluções completas de infraestrutura de meios de pagamento e Core Banking as a Service que, em julho de 2020, recebeu aporte do banco J.P. Morgan e acordo comercial de longo prazo para desenvolvimento de negócios com o Fitbank.

A fintech começou como plataforma de gestão de pagamentos “white label” – bancos, fintechs, fundos e varejistas podem oferecer para seus clientes conta digital e serviços financeiros, usando a tecnologia da fintech, mas cada um com sua própria marca. O modelo agora vai viabilizar maior customização da operação, conforme o contratante.

“A primeira parte de aceleração com esse capital é o crescimento da plataforma, com lançamento em breve do open source banking, que vai viabilizar de forma mais rápida e atendendo às exigências regulatórias o cliente que quer um banco digital”, afirma Otavio Farah, presidente do FitBank.

O sistema também vai viabilizar mais customizações do que a plataforma white label permite hoje. O FitBank já entrou com pedido de licença de sistema de pagamentos no Banco Central e parte, no segundo semestre, para uma estratégia ambiciosa de internacionalização.

Essa é a quarta rodada de captação. Serão R$ 30 milhões para o caixa, dos quais R$ 10 milhões vêm da CSU CardSystem e o restante de sócios atuais do FitBank. No grupo de sócios investidores do FitBank também estão os ex-sócios da XP, Marcelo Maisonnave, Pedro Englert e Eduardo Glitz.

A rodada deu ao FitBank um ‘valuation’ de R$ 280 milhões e, entre outras coisas, vai acelerar os planos de internacionalização no segundo semestre.

“Além do aporte financeiro e de se tornar acionista minoritário com assento no conselho, a transação com a CSU tem um vínculo estratégico, que é a parceria comercial de desenvolvimento de produtos. São duas companhias com perfis complementares”, diz João Chacha, sócio investidor e conselheiro do FitBank.

A CSU, companhia aberta avaliada em R$ 36,5 bilhões na bolsa, também fornece tecnologia para meios de pagamentos – mas é focada em cartões de crédito, enquanto a FitBank cresceu com atuação em outras modalidades de pagamento, que estavam fora do radar das grandes companhias.

“São duas companhias integrantes da indústria de pagamentos, com diferentes concentrações de negócios e especializações”, diz Ricardo Leite, diretor de relações com investidores da CSU, que será conselheiro da fintech.

Leite conta que o aporte do J.P.Morgan no ano passado atraiu a atenção da companhia para a fintech. A CSU tem uma base com 25 milhões de cartões e essa é sua primeira transação de compra de participação acionária em companhias com novos segmentos e tecnologias.

O FitBank movimenta R$ 2,3 bilhões por mês, entre 130 clientes – que, por sua vez, somam acesso de 35 milhões de usuários. Na CSU, são cerca de R$ 10 bilhões transacionados ao mês.

Unidades de negócio vão bem e lucro avança 74% em 2020, para R$ 46,8 milhões

A CSU Cardsystem registrou lucro líquido de R$ 46,8 milhões em 2020, avanço de 74%.

No ano, a receita líquida foi de R$ 456 milhões, incremento de 7,8%, decorrente, de acordo com a companhia, do bom desempenho de ambas as unidades de negócio: CSU Cardsystem e CSU.Contact.

O Conselho de Administração da CSU CardSystem aprovou o pagamento de proventos aos acionistas no montante bruto de R$ 2,8 milhões em juros sobre o capital próprio relativos ao 1º trimestre de 2021, detalhados abaixo. Tais valores serão imputados ao dividendo estatutário obrigatório do exercício de 2021, “ad referendum” da Assembleia Geral.

CSU CARDSYSTEM ON (BOV:CARD3)
Gráfico Histórico do Ativo
De Dez 2021 até Jan 2022 Click aqui para mais gráficos CSU CARDSYSTEM ON.
CSU CARDSYSTEM ON (BOV:CARD3)
Gráfico Histórico do Ativo
De Jan 2021 até Jan 2022 Click aqui para mais gráficos CSU CARDSYSTEM ON.