As principais bolsas asiáticas fecharam em alta nesta quinta-feira, com o Japão liderando os principais mercados.
No Japão, o Nikkei 225 subiu +2,38% para fechar em 29.188,17, recuperando parcialmente de dois dias de quedas no inicio da semana. O índice Topix avançou +1,82%, encerrando o pregão em 1.922,50.
As ações da China continental fecharam sem direção, com o índice de Xangai recuando -0,23%, para cerca de 3.465,11, enquanto o índice de Shenzhen fechou positivo +0,41%. O índice Hang Seng de Hong Kong também fechou em alta de 0,5% no final do pregão.
Na Coréia do Sul, o Kospi avançou em + 1,07%, a 3.169,08.
No geral, o índice MSCI Asia ex-Japão subiu 0,38%.
Índia
As ações da Índia subiram ao retomar as negociações na quinta-feira, após um feriado.

A onda de casos de novo coronavírus impulsionada por uma variante que varre a Índia está lançando uma nuvem sobre as perspectivas do país de recuperação de um ano de contração econômica recorde.

O país de mais de 1,3 bilhão de habitantes bateu recorde de 314 mil novos casos de coronavírus nesta quarta-feira – o triplo dos piores números diários durante o pico da primeira onda em setembro – e as autoridades locais estão lutando para conter a propagação.

O governo da região da capital Nova Déli, onde as autoridades estão lutando contra a falta de oxigênio e leitos hospitalares, impôs um bloqueio de 19 a 26 de abril. O estado ocidental de Rajasthan está fechando restaurantes e escritórios não essenciais até 3 de maio, e as restrições permanecem em Maharashtra, onde Mumbai está localizada. Essas medidas podem ser estendidas se a propagação continuar ganhando velocidade.

O surto estimulou analistas do setor privado a reduzir suas previsões de crescimento para o ano fiscal de 2021.

O UBS cortou sua estimativa de 11,5% para 10%, enquanto a agência de classificação indiana ICRA reduziu o limite superior de sua projeção de 11% para 10,5%. Nomura Singapore rebaixou sua previsão de 13% para 12,6%. O governo estima que o produto interno bruto encolheu 8% no ano fiscal de 2020, a maior queda já registrada.

Ao contrário de muitos países desenvolvidos, os bloqueios urbanos e as restrições à atividade econômica estão afetando os pobres de maneira especialmente forte. O surto pode diminuir os gastos dos consumidores, que respondem por mais da metade do produto interno bruto da Índia.

A primeira onda de bloqueios nacionais em março de 2020 deixou cerca de 120 milhões de trabalhadores migrantes em grandes cidades como Nova Déli sem empregos. O PIB da Índia encolheu 24,4% no segundo trimestre de 2020, o pior desempenho entre as principais economias.

Os novos bloqueios estão provocando um êxodo de trabalhadores migrantes das cidades de volta para suas cidades natais, de acordo com a mídia indiana, o que pode prejudicar ainda mais a atividade econômica.

O surto também interrompeu os planos diplomáticos. O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, cancelou uma visita planejada à Índia neste mês, assim como o primeiro-ministro japonês Yoshihide Suga.

O governo indiano cancelou uma viagem do primeiro-ministro, Narendra Modi, à União Europeia, que havia sido marcada para o início do próximo mês.

Em reunião na segunda-feira com médicos, Modi classificou as vacinas como a “maior arma” contra o surto. O governo decidiu naquele dia expandir a vacinação contra covid-19 para todas as pessoas com 18 anos ou mais em 1º de maio.

A Índia é o maior fabricante mundial de vacinas, mas está começando a ver uma escassez de vacinas para uso doméstico à medida que o surto avança. O governo planeja incentivar as empresas farmacêuticas a aumentar a produção, mas se o vírus continuar a se espalhar, o fornecimento de doses aos países vizinhos pode ser afetado.

FECHAMENTO ÁSIA
🇯🇵 NIKKEI 225 +2,38%
🇨🇳 SHANGAI -0,23%
🇭🇰 HANG SENG +0,50%
🇰🇷 KOSPI +1,58%
🇦🇺 S&P/ASX +0,83%

Austrália

Na Austrália, o S&P ASX 200fechou em alta de +0,83% nesta quinta-feira, cotado em 7.055,40 pontos.

O governo australiano disse na quarta-feira que cancelará acordos entre o estado de Victoria e a China em relação à cooperação com a iniciativa de infraestrutura viária Belt and Road Initiative (BRI, ou Rota da Seda), em um movimento que provavelmente aumentará as tensões entre as duas nações.

Essa é a primeira vez que foi tomada a decisão de cancelar um negócio de acordo com uma lei promulgada em dezembro, segundo o governo federal. Essa lei concede ao ministro das Relações Exteriores a autoridade para anular um acordo firmado entre um governo local da Austrália e outro país se tal acordo for contra a política externa do governo federal.

A ministra das Relações Exteriores, Marise Payne, disse que quatro documentos assinados pelo estado de Victoria, no sudeste, serão cancelados.

“Eu considero esses quatro arranjos inconsistentes com a política externa da Austrália ou adversos às nossas relações externas, de acordo com o teste relevante da Lei de Relações Exteriores da Austrália (Arranjos Estaduais e Territoriais) de 2020”, disse Payne em um comunicado.

Dois deles – um memorando de entendimento de 2018 e um acordo de 2019 sobre a Belt and Road Initiative – foram assinados com a Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma, o principal órgão de planejamento econômico da China.

O outro é um acordo de educação de 1999 assinado com a Síria, e o último é um memorando de entendimento de 2004 com o Irã sobre treinamento profissional.

Victoria – liderada pelo Partido Trabalhista, um partido de oposição em nível nacional – assinou o memorando de 2018 por conta própria com a China. O primeiro-ministro Scott Morrison, do Partido Liberal, expressou publicamente sua insatisfação com o acordo.

A concessão de poderes de veto ao chanceler no ano passado veio em resposta às crescentes preocupações da Austrália de que a China estava tentando exercer influência por meio de seus investimentos. Em particular, alguns questionaram como Pequim estava se aproximando dos governos locais.

As relações entre Canberra e Pequim azedaram. Depois que Morrison, em abril passado, pediu uma investigação independente sobre a origem da covid-19, a China retaliou, suspendendo algumas importações de carne australiana e impondo altas tarifas sobre a cevada e o vinho.

A Austrália trouxe a questão à Organização Mundial do Comércio (OMC) em dezembro, argumentando que as taxas adicionais sobre a cevada eram inconsistentes com as regras da OMC. O mais recente movimento da Austrália provavelmente fará com que as tensões aumentem ainda mais.

Moedas

índice do dólar , que acompanha o dólar norte-americano em comparação com a cesta de seus pares, estava em 91,082 (-0,05%).

🇺🇸 x 🇯🇵 – 107,97 (FX:USDJPY)
🇺🇸 x 🇨🇳 – 6,48 (FX:USDCNY)
🇺🇸 x 🇭🇰 – 7,75 (FX:USDHKD)
🇺🇸 x 🇰🇷 – 1.117 (FX:USDKRW)
🇺🇸 x 🇦🇺 – 1,29 (FX:USDAUD)

Commodities

Os preços do petróleo caíram na tarde do pregão asiático, madrugada no Brasil, com os contratos futuros de referência internacional Brent em queda de -0,4%, para US$ 64,77 dólares por barril. Os contratos futuros de petróleo WTI também recuaram -0,4%, para US$ 60,85 por barril.

Contratos futuros do minério de ferro negociados na bolsa de Dalian com queda de 0,46%, cotados a 1091,5 iuanes, equivalente hoje a US$ 168,15

(Fonte CNBC e Valor)

US Dollar vs AUD (FX:USDAUD)
Gráfico Histórico de Câmbio
De Jul 2021 até Ago 2021 Click aqui para mais gráficos US Dollar vs AUD.
US Dollar vs AUD (FX:USDAUD)
Gráfico Histórico de Câmbio
De Ago 2020 até Ago 2021 Click aqui para mais gráficos US Dollar vs AUD.