Dólar: dívida cambial registra maior nível dos últimos onze anos

LinkedIn

Rio de Janeiro, 25 de Março de 2014 – Desde 2013, o Banco Central (Bacen) vem interferindo nas negociações do mercado de câmbio brasileiro, ofertando swaps cambiais tradicionais, equivalentes à venda futura de dólares, com o intuito de segurar a tendência de alta da moeda norte-americana. A atuação do Bacen se intensificou depois que o Federal Reserve (banco central dos Estados Unidos) começou a diminuir o tamanho de seu programa de compra de títulos públicos a partir de janeiro deste ano.

No entanto, as vendas de dólares no mercado futuro fizeram a dívida interna vinculada ao câmbio continuar no maior nível em 11 anos. A dívida mobiliária (em títulos) interna corrigida por moedas estrangeiras encerrou fevereiro em R$ 205,76 bilhões, o valor mais alto desde março de 2003, quando havia atingido R$ 225,44 bilhões. Em termos percentuais, no entanto, a fatia do câmbio na dívida interna caiu, de 10,47% em janeiro para 10,42% em fevereiro.

Apesar de não envolverem emissões de títulos, as operações de swap cambial tradicional, que equivalem às vendas de dólares no mercado futuro, interferem na composição da Dívida Pública Federal conforme os critérios usados pelo Banco Central. Pelos critérios do Tesouro Nacional, que desconsidera as operações de swap, a participação do câmbio na dívida mobiliária interna passou de 0,61% em janeiro para 0,58% em fevereiro.

A proporção do câmbio na dívida mobiliária interna tende a aumentar nos próximos meses por causa da decisão do Banco Central (BC) de estender, até junho de 2014, o programa de venda de dólares no mercado futuro. Desde agosto, o BC injeta US$ 500 milhões diariamente nos leilões de swap (que funcionam como venda de dólares no mercado futuro). Em janeiro, o volume foi reduzido para US$ 200 milhões diários.

Apesar do aumento da participação do câmbio, a composição da dívida pública interna melhorou em fevereiro. A fatia de papéis prefixados – com taxa de juros definida no momento da emissão – subiu de 39,91% em janeiro para 40,22% no mês passado.

Deixe um comentário