IBGE: 16 dos 27 estados brasileiros perderam receitas no setor de serviços em fevereiro de 2015. Estado do Tocantins foi o que registrou a maior taxa de crescimento (7,9%)

LinkedIn

Rio de Janeiro, 20 de Abril de 2015 – No segundo mês do ano, o setor de serviços no Brasil registrou crescimento de 0,8% em relação ao mesmo mês do ano anterior. Entre todas as unidades federativas do país, o estado do Tocantins foi o que mais contribuiu para o crescimento desta taxa, fechando o segundo mês de 2015 com alta de 7,9% nas receitas nominais do setor.

Outros destaques positivos significativos foram: Bahia (4,5%) e São Paulo (3,3%). Já as menores taxas positivas de crescimento foram registradas em Sergipe (0,3%), Pernambuco (1,0%) e Alagoas (1,1%).

Por outro lado, dezesseis dos vinte e sete estados da federação apresentaram variações nominais negativas: Mato Grosso (-17,1%), Roraima (-8,6%), Piauí (-6,8%), Maranhão (-6,4%), Acre (-5,1%), Goiás (-4,3%), Paraná (-3,1%), Amapá (-2,6%), Rondônia (-2,5%), Espírito Santo (-2,0%), Rio Grande do Sul (-1,9%), Distrito Federal (-1,6%), Mato Grosso do Sul (-1,2%), Rio de Janeiro (-1,0%), Amazonas (-0,3%) e Minas Gerais (-0,1%).

O estado do Rio Grande do Norte não apresentou variação em fevereiro de 2015, em relação a fevereiro de 2014.

Os dados acima foram divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que realiza mensalmente uma Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) – o primeiro indicador conjuntural responsável por investigar o setor de serviços no país. Esta pesquisa abrange as atividades do segmento empresarial não financeiro, exceto os setores da saúde, educação, administração pública e aluguel imputado (valor que os proprietários teriam direito de receber se alugassem os imóveis onde moram).

Notícias Relacionadas

– Brasil: Receita do setor de serviços cresce 0,8% em fevereiro de 2015. Resultado de janeiro também foi revisado para cima

Deixe um comentário

Esta área do website ADVFN.com é destinada para comentários e anáises individuais independentes. Estes blogs são administrados por autores independentes através de uma plataforma de alimentação comum, não representando as opiniões da ADVFN. A ADVFN não monitora, aprova, altera ou exerce controle editorial sobre estes artigos, não aceitando, portanto, ser responsabilizada por tais informações. As informações disponibilizadas no website ADVFN.com destina-se para sua informação em geral mas não, necessariamente, para suas necessidades particulares. As informações não constituem qualquer forma de recomendação ou aconselhamento por parte da ADVFN.COM.