Tesouro Direto: rentabilidade dos títulos públicos federais em Maio de 2015

LinkedIn

Os títulos públicos negociados no Tesouro Direto fecharam o quinto mês de 2015 com rentabilidade média acumulada nos últimos doze meses de 11,88% ao ano. Essa é a menor taxa anual aferida para o índice desde 2005. A maior taxa de rentabilidade média acumulada em 12 meses foi registrada, justamente, em 2005: 18,1% ao ano. Entre os diferentes tipos de títulos negociados, a maior taxa de rentabilidade anualizada foi registrada pelas Notas do Tesouro Nacional Série B (NTN-B), que fecharam maio de 2015 em 14,03%. A segunda maior taxa de remuneração anualizada foi registrada pelas Letras Financeiras do Tesouro (LFT), que encerraram o quinto mês do ano em 11,59% ao ano. Na terceira posição, aparecem as Notas do Tesouro Nacional Série C (NTN-C), cuja rentabilidade média acumulada nos últimos doze meses foi de 10,94% ao ano. Por fim, os títulos que fecharam maio de 2015 com a menor taxa de rentabilidade anualizada foram os títulos públicos com rentabilidade prefixada – as Letras do Tesouro Nacional (LTN) e as Notas do Tesouro Nacional Série F (NTN-F). A rentabilidade média acumulada nos últimos doze meses por esses títulos foi de 10,47% ao ano.

Rio de Janeiro, 25 de Junho de 2015 – Com relação à rentabilidade dos títulos públicos federais negociados no Tesouro Direto, os títulos indexados pela taxa básica de juros – a Taxa SELIC, apresentaram um aumento de rentabilidade de 0,19 ponto percentual em maio de 2015. Os títulos prefixados, por sua vez, tiveram uma redução de 0,09 ponto percentual. Já o títulos indexados pelo Índice Geral de Preços Mercado (IGP-M), apresentaram uma redução mensal de 0,62% em sua taxa de remuneração. Por fim, os títulos públicos indexados pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) registraram uma forte baixa de 1,53 ponto percentual.

O Índice Geral, também conhecido como Índice de Mercado Anbima (IMA), apresentou um decréscimo de 0,56 ponto percentual em maio de 2015. Esse índice, criado pela Anbima em parceira com o Tesouro Nacional, afere a rentabilidade de uma carteira de investimentos teórica formada, exclusivamente, por títulos públicos em circulação no mercado. É considerado um parâmetro eficiente para avaliar a evolução da rentabilidade dos títulos públicos, imprimindo maior dinamismo aos mercados primário e secundário da dívida mobiliária federal.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário